Coração Quente

Não há meio sexo bom, ou é quente ou é morno, não há meio amigo ou é ou não é amigo, ou beijamos para valer, ou o melhor é não beijar, sem paixão não há causa que valha a pena, ser morno é pior que ser frio, ser morno é ser mosca quase morta pairando sobre a escoria do mundo. Nem Deus tem tolerância para com os mornos, em Apocalipse Deus nos adverte que vai vomitar da sua boca os mornos:
"Sei as tuas obras, que não és frio, nem quente; prouvera a Deus que fosses frio ou quente; assim, porque és morno e não és frio, nem quente, vomitar-te-ei da minha boca" (Apocalipse 3:15-16).
A vida é um risco de luz, algo como uma estrela cadente que passa tão rápido e por isso nem sempre é notada, mas não somos uma estrela morta caiando em chamas e dividindo-se em cinzas, somos vida e vida que é luz, e dessa vida podemos fazê-la grande e não morna. Vida morna não sente o gostoso de um corpo trançado ao nosso em uma cama, uma vida morna quer sempre que os outros se sacrifiquem por ela, mas nunca demostra afeto real, nada além de carência, como se isso fosse o mesmo que dizer: eu te amo.
Não tenho paciência para meio termo, ou estou ou me afasto, ter-me por completo me faz viver por completo em tudo que posso ser apaixonado, e para mim só pode-se ter uma vida não morna se vivermos esse completo sentimento de estar inteiro naquilo que amamos.
Quente, morno, frio. Destas três coisas o meio termo é o viver menos viver, é ranhar alma no arame farpado que por vezes acredita-se ser o real espiritual para nossas vidas.  Ser morno é a não ação do covarde, é covarde porque não vai adiante, não consegue viver intensamente, é covarde porque não desiste de vez, não se torna frio de vez, é covarde porque agoniza em um coração morno, coração em cima do muro.
Eu amo intensamente o que tenho e o que tenho é minha fortuna, e minha fortuna não merece um coração morno. Minha família e amigos não merecem um coração morno, minhas paixões não merecem um coração morno, minhas crenças não merecem um coração morno, o coração que amo não merece um coração morno e todos eles são minha fortuna.
Não se senta na estrada a esperar que alguém morno apareça e nos diga: vem dançar comigo, vem trepar comigo, vem ser meu amor, agora me decidir. A decisão demorou cinco e em cinco anos pelas nossas vidas perdemos o bom de corações quentes que nos riu todos os dias e não enxergamos e por quê? O morno também é sedutor, o morno é o café requentado, os sonhos das nossas famílias que não são nossos sonhos, o padrão de amor que não é o nosso.
Vomitar o que for de morno certamente faze-nos bem, não se pode ser escravo do bem, porque o bem não escraviza pessoa alguma, mas o mal será senhor de escravos das nossas emoções se nos permitirmos o amor morno pela liberdade.

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys