Pular para o conteúdo principal

A vida de dois possível de amor

Na revista Veja dessa semana há uma frase da Marina Silva: “O difícil são aqueles que já não têm mais o que aprender e só conseguem ensinar”. Sempre encontramos por aí esses professores que ancorados na arrogância intelectual vomitam sobre nós insanidades ou culpas, não raro algumas pessoas são espojas e sentem na carne esse palavrório dos que só tem a ensinar e nada para aprender, a insanidade dos “professores” expositivos do ódio e selvageria emocional. Falar mais que Ouvir, vício verborrágico e falta de elegância no convívio entre corações possível de amor.
Possível de amor são pessoas que não se tratam como aluno e professor, mas como alunos, um aprende sempre com o outro, são os dois alunos e todos os dias há sempre um mistério a ser desvendado.
A vida de dois possível de amor que se tratam como alunos nunca se perde no tédio, não há necessidade de sempre ensinar, porque não há mestre em coisa alguma, há pessoas que se dão as mãos e atravessam com entusiasmos as fronteiras do viver a dois, da vida que se perfuma com suor do corpo, porque suor é o melhor perfume que temos, nos diz que estamos vivos e ativos.
A vida de dois possível de amor se faz na construção coletiva, na parceria que se em dor busca não a fuga, mas o caminho que anestesia o sofrimento, a vida de dois possível de amor se fortalece tanto na escuridão quanto na luz, a vida a dois possível de amor é aquela que ao desejar deseja tão somente o que nos faz bem, a vida possível de amor não tem nada a ensinar, tem a conviver, só faz sentido na convivência.
Na mesma Veja que encontrei a frase da Mariana Silva, encontrei também essa da minha querida Lya Luft: “Descobrir o que afinal se que é essencial. É raro. É possível .E quando alguém resolver não pagar mais o altíssimo tributo da acomodação, mas dar sentido à sua  vida, verá que a bruxa dos relógios não é inteiramente má. E vai entender que o tempo não só nega e rouba com uma das mão, mas, com a outra, oferece – até mesmo a possibilidade de, ao envelhecer, alargar ainda mais as varandas da alma.” Adorei isso da Lya
Não temer a passagem do tempo, capitaneado pela “Bruxa do relógio”, as horas, às vezes amargas, às vezes doce, mas sempre passando, passando. Levar sentido ao que somos, e no fim “alargar ainda mais as varandas da alma”. Quem não quer isso? Alargar as varandas da alma? Se fortalecer no passar do tempo e não envelhecer o espirito?  Tenho convicção de que as pessoas que mais sofrem com essas coisas são aquelas sensíveis, aquelas que parecem carregar o peso do mundo nas costas, aquelas que não conseguem ser indiferentes ao bem ou mal, que não querem muito para si, mas desejando o “muito” para o mundo sofrem e padecem.
Pessoas sensíveis demais não são dadas a mediocridade, ao meio termo, ou são ou não são. Por isso algumas conseguem a glória naquilo que se propõe a fazer e outras, no entanto se exilam em si mesmas. Sabe aquelas pessoas que poderia ter sido qualquer coisa e não foram nada? São essas, alimentam-se de toda beleza e lixo do mundo.
“Alargar ainda mais as varandas da alma”, não ser só professor, mais que ensinar buscar aprender, calar e ouvir, mergulhar em si sem medo, mas não morrer afogado nas próprias razões ou emoções, se fortalecer, mas não pisar em pessoa alguma para conseguir isso, não temer a passagem do tempo, saber que a vida pode ser sim maravilhosa e todos os dias como na canção de Ivan Lins, aprendermos como se goza.
Gozar com o sexo, com o riso, com a ternura de momentos únicos, gozar com a paz de sermos para além de nós sem matar afogado pessoa alguma com nossa presença, gozar sobre tudo com o espirito, porque no fim, ele que os move, nos renasce e nos faz amar, e nada pode o passar das horas diante um espirito que ama e se permite ao amor de aprender, como nos ensina Paulo Freire, em comunhão.
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…