Pular para o conteúdo principal

" Coisas do coração"

Em uma canção cantada por Leandro e Leonardo ouvimos o lamento: “não aprendi dizer adeus”. A canção fala de um amor que se vai e a tristeza de quem não saber se despedir de quem em verdade há muito se foi, mas não saber dizer adeus vai além das agulhas românticas do coração. Prestes a deixar a empresa na qual trabalho um amigo me disse: “é difícil dizer adeus? Respondi que depende, trabalho é coisa e não pessoa, não tenho e nunca tive afetividade por trabalho algum, tenho afetividade pelo bem que posso fazer quando estou em um trabalho, trabalho é ponte, meio e não um fim em si mesmo, como ponte é também algo que passamos e não devemos nos apegar como se aquilo fosse nossa máxima realização pessoal.
Na coisa chamada “trabalho” encontramos pessoas, algumas são difíceis dizer adeus porque são almas maravilhosas, mas outras não contribuem em nada em nossas vidas, são como escreveu Cazuza: “vento que passa”. Fato é que saber partir é não agravar as amarguras que promovem essa partida, é ouvir e não escutar, falar e não dizer, ser também um pouco como vento que passa, é preciso ter animo para sempre começar do zero e não esperar das coisas afeição além das expectativas que criamos por elas, mas nunca ser ou se fazer violento ao cortar o cordão que nos prendem a elas, porque até as coisas merecem respeito, elas nos ensinam principalmente como é bom não sermos coisas, mas gente.
Uma antiga canção da minha infância dizia: “Seu moço/ não tenho medo de partir/mas tenho medo de voltar”. Por que teríamos medo de voltar? Porque isso pode nos coloca cara cara com os nossos fantasmas,  pelo medo de estarmos piores do que quando partimos, porque voltar  é ser a zombaria da semana, porque no mundo sabemos o quanto a torcida dos filhos da puta que querem a todo custo aplaudir de pé nossa queda é sempre maior que a torcida do bem, às vezes tímida, prefere torcer em silêncio, ao contrário do bem, o mal é estrela, astro e adora grandes plateias.
Não ter medo de voltar é saber o quanto pouco importa nosso estado, ao voltarmos não somos os mesmos, grandes mudanças nascem dentro da gente, podemos ser fodidos economicamente, desprezados pela sociedade, podem, como escreveu Fernando Pessoa, as mulheres não nos amarem, mas o que importa é que nem na ida e nem na volta tenhamos nos transformados em coisas, ser gente, ter em si todas boas emoções do mundo e que se aparentemente fomos derrotados, saber bem dentro dos nossos corações que ninguém é derrotado de verdade se esteve sempre do lado do bem.
Claro, não acredito em merecimento espiritual, achar que tão somente por sermos do bem que todas portas e sorrisos se abrem, que vamos vencer tão somente por ter pelo próximo compaixão, nada disso, ser do bem é uma alegria interior que pode potencializar nosso animo e criatividade, batalhar, trabalhar, aproveitar o capital humanos que somos investir em nós para conquistar o mundo que desejamos, porque os canalhas que andam na sombra do mal são criativos também e hábeis construtores de guilhotina.
Limpar a poeira que se acumulou entre nós e o amor do outro lado da rua, linda ela nos espera na alegria de quem quer compartilhar, palavra sagrada: “c.o.m.p.a.r.t.i.l.h.a.r”...Então é isso, dizer a deus ao que ou  para quem devemos dizer. Dizer: seja bem vindo ao que nos abre os braços ou sem dizer uma só palavra nos comove a vida.



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…