Pular para o conteúdo principal

Encanto desencanto = canto

Foto: Ediney Santana
Encantar-se e desencantar-se parece que ultimamente tem sido coisas simples. Filósofos dizem que devemos manter o permanente encanto pelo mundo e pelas coisas, se encantados com tudo que nos cerca nada será ou é o suficientemente velho para nos entediar. Mas ultimamente por que tudo parece velho e datado? Por que algo super discutido por milhares de pessoas amanhã bem cedo ninguém liga mais? Uma possível resposta para isso é que perdemos o interesse pelo entendimento do que sentimos, olhamos e convivemos, tudo se tornou um lago raso sem maiores emoções, enfim parece que a memória é ameaçada pela urgência imposta pela busca da sempre novidade.
Sentir bem ultimamente é não envelhecer com o sentimento, não deixa-lo se revelar profundamente, "ficamos" e não nos apaixonamos  pelos  nossos sentimentos e é um absurdo namorarmos e projetarmos neles uma história que dure mais que intermináveis 24h. É essa a receita do ter sem se envolver, fica fácil entender porque em um dia milhares de pessoas vão a rua protestar contra tudo e no outro a presidente, alvo de muitos protestos, sobe nas pesquisas. Nossas causas têm sido causas de curta memória e afetividade, perdemos a capacidade de dialogar com o que sentimos, digerimos tudo no Fast food avestruz que se tonaram nossas relações com a história.
Não importa as razões, entrelinhas, tudo deve ser aceito como é, assinar um contrato com linhas bem pequenas ,quem nos oferta diz ser a melhor coisa que já fizemos e se tudo sair errado, assinar outro que conserte o erro, assim pensar não é mais tão importante, pensar cansa, sugere intimidade e intimidade boa é sempre o dia seguinte da última brevíssima paixão.
Não se desespere, se você se incomodou com tudo que escrevi, bom sinal. Nem todos nós estamos a achar o futuro, que bem não chegou, já velho, se nos incomodamos com a ideia da eterna moda, se a Montanha Mágica de Thomas Mann não assusta pela suas mais de 800 páginas então bem vindo, vamos de mãos  dadas subir essa montanha, vamos aproveitar pacientemente o caminho, olhar a paisagem, nos enamorar com tudo que encontrarmos.
Imagine-se deitado ao lado de uma pessoa que ama, olhe bem de perto, preste atenção nos traços do rosto, na delicadeza dos olhos, das unhas, na maneira que ela respira. Permita-se ao encanto permanente e não a moda permanente.
Matar a memória é transformar todos nós em glutões desse sistema que tudo vende, tudo devora e nada saboreia, é beijar e não sentir o prazer do beijo, ler e não ir além do gesto mecânico de folhear página, ser traça das nossas próprias vivências e certezas anêmicas. Quem ganha com isso? Muita gente, empresas, políticos, sádicos do capital, mas quem perde mesmo somos nós, porque mergulhamos no caos de viver e não sentir, gozamos a seco sobre a pele fria que nos transformamos.
Se soubermos o que incomoda, temos também possibilidades de resolver e nos livrar desse incomodo. Tempo bom é o tempo que nos faz felizes, tempo de encontros que são prazerosos por nos trazer leituras diversas sobre nós mesmo e sobre quem ou que nos envolvemos, nada de engolir tudo a ferro e fogo, cativar-se e cativar requer olhar calmo, manter o encanto premente e curioso de uma criança... Então boa noite e ótimos sonhos.






Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…