Sarau em Brasília


Platão escreveu em “A República" que poetas não eram bem vindos, deveriam ser banidos do seu modelo de sociedade. Raro foram filósofos ou políticos que viam nos poetas pessoas confiáveis e durante anos muitos foram perseguidos ou idealizados como seres estranhos, malditos e até satânicos.
A poesia é base da comunicação artística, mas extrapola essa condição e nos envolve seja em uma simples prece ao fim de tarde ou na propaganda que tenta nos convencer a comprar algo que não necessitamos, seu discurso é persuasão, aponta para o que pode ser e nunca para o que é, ou seja, é desassossego e desagregador, é a palavra que nos desconsola pela duvida, serve-se da beleza e do grotesco com a mesma intensidade, mas se desconsola nos coloca também como seres de ação concreta, nos possibilita encontrar pela palavra o mundo ideal que tanto desejamos.
Poetas geralmente são pessoas da emoção sobre a razão, alias aqui encontramos um ponto de discórdia entre poetas e não poetas, Aristóteles sacramentou a ideia de que somos racionais e até hoje cantamos isso, poetas não acreditam nisso, não há razão em odiar ou amar, quando encontramos uma razão para o amar ele acaba, perde o sentido, amar é só amar e não receita mecânica para uma dor qualquer, mas se poetas são odiados pelo sistema gerenciador de vidas que tenta nos racionalizar pela força pelo modelo de razão que advogam ser o correto, esse mesmo sistema se nutre do discurso poético e o usa para sua própria estratégia de poder, fato que havia um tempo no Brasil  no qual as pessoas mais influentes eram poetas ou detentores do discurso poético como romancistas e compositores, artista plásticos ou atores ( a poesia não é só o texto no poema, o discurso poético vai além do  próprio verso) hoje com essa imbecilização racional e política do país  poetas e poetas que não são apenas ajuntadores de letras e imagens estúpidas continuam  a desassossegar e por fim buscam um lugar que seja possível amar para além de si, escrever para além do belo sem perder a beleza dos encontros, desejar o calor do hoje sem perder a alegria de esperar pelo amanhã, ou como eu lendo calmamente uns versinhos neste vídeo.


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys