Pular para o conteúdo principal

Aulas para o nada

Cena: uma escola em Salvador, professora no quadro, lição: vogais, dígrafos, ditongo e tritongos. Tudo bem, se essas coisas estivessem sendo ensinadas nos primeiros anos de estudos e não na terceira série do segundo grau; enfim a grande reforma social da educação pública começou, ensina-se como rabo de cavalo, para baixo. Claro, a palavra “reforma” é um xingamento no país da preguiça e arrogância intelectual, que ainda se discute seriamente ideias para educação do século XVIII, enquanto a cidadania é varrida para o lixão público e parte considerável da produção de conhecimento atual é solenemente ignorada se não servir a nódoa parasitária que controla o país.
Gambiaras intelectuais desmantelam a capacidade dos nossos alunos para o lúdico, pior, acaba com a ideia de mérito, de que não precisa saber muito para ir além da condição social em que vivem, a escola perde o sentido, universidade caduca em rituais pedagógicos medievais em um mundo sem vocação para perdoar incompetência natural quanto mais artificial formada por um sistema educacional desastroso.
Nossas escolas com algumas exceções, são insossas e serviçais do imobilismo intelectual. Em 2013 comemora-se o centenário do Vinicius de Moraes, como sabemos Vinicius sempre foi um escritor, compositor celebrado e festejado, propus a muitos professores que junto ao ilustre homenageado colocassem poetas contemporâneos, dariam assim, oportunidade aos seus alunos de conheceram a literatura que acontece agora, mas minha ideia não foi aceita. É mais fácil ir à Wikipedia, copiar alguns dados sobre o Vinicius de Moraes e fingir que sua obra foi estudada, vela-se o cadáver sem saber ao certo quem foi.
Idiotas militantes são as maiores contribuições da universidade brasileira para o debate público sobre os graves problemas do país, especialistas que do auto da arrogância e prepotência ajudam a engendrar na máquina pública ideias tacanhas sobre educação, segurança e saúde. Nada além de gambiaras com mestrados e doutorados quase sempre financiados pelo dinheiro público, destilados no sumo suor de um povo idiotizado.
Cena final: trocar a questão pela pessoa, dizer não é ser, a grande ideia do Brasil ditongo, tritongo é: matar humilhar, fazer rastejar qualquer professor que não queira fazer dos seus alunos gente ditongo ou tritongo quando esses deveriam ir muito além do caminho que leva ao banco para receber o bolsa família.
Ser solidário e pensar no coletivo é bom e me agrada essa ideia, mas os processos educacionais no Brasil tentam quebrar o indivíduo, transformar o indivíduo em um só bloco hegemônico, uma massa falido sem razão de ser ou viver.
O governo tende a nos tratar como se fossemos crianças e dependêssemos dele para sermos quem somos, essa ideia fascista e paternalista é a pedagogia educacional que vigora nas nossas escolas públicas, pensadas por burocratas do MEC e servida para nossas crianças por professores desmotivados e poucos interessados em debater tais questões, professores foram transformados no maior produto do governo brasileiro para educação: fantasmas pedagógicos, vagam de sala em sala sem função objetiva e os que reagem a isso são exilados em pequenas diásporas com seus alunos e não raro perseguidos por diretores de escolas -capitães do mato.
Enfim o capitalismo e socialismo se uniram no Brasil, um mantém viva a esperança do povo que pode um dia ser materialmente feliz, o outro não deixa ninguém esquecer quem sem o Estado a “felicidade” prometida pelo capitalismo é impossível, dois pais para um povo padrasto e madrasta dos suas certezas esquizofrênicas.


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…