Pular para o conteúdo principal

Das virtudes



Quando era criança morei perto de uns garotos que se comparados ao que eu e minha família representávamos, eles eram ricos e nós pobres, mesmo assim, criados ali na mesma rua e na inocência da infância na década de 1980, ficamos amigos. Minha mãe não gostava muito da ideia de que frequentasse a casa de pessoas como aqueles garotos, ela dizia que a corda sempre quebrava do lado mais fraco, se algo de ruim acontecesse logo eu seria apontado como suspeito, mesmo sendo inocente ou começasse a me sentir frustrado ao perceber o abismo entre a realidade deles e a minha.
Naquele tempo diferenças sociais eram mais acentuadas, às vezes acentuadas até de maneira jocosa. Para ser considerado “rico” bastava ter um telefone em casa, “pobre” usava o telefone da Telebahia, para ser “rico” bastava ter um carro, “pobre” era ter uma Monark com único meio de locomoção, “rico” tinha cadeira cativa em frente ao altar da Purificação, “pobre” sentava nas últimas cadeiras, “rico” era “gente da sociedade”, “pobre” servia a sociedade... Hoje essas coisas causam até risos, mas naquele 1983 era assim, talvez minha mãe enxergasse naquelas amizades minhas o mesmo que Machado de Assis narrou em Memorias Póstumas de Brás Cubas : menino rico que monta no escravo e o fazia de cavalinho.
Os colegas de rua ou amigos, vai saber, nunca demostram preconceito comigo, ou talvez nem eu e nem eles soubéssemos o que era preconceito, eu não imaginava mesmo, era que minha mãe sabia como as deles pensavam. Um dia desapareceu da casa do Ruã um carrinho bate e volta dos bombeiros, o carrinho estava quebrado, o dono não ligou, mas sua mãe foi taxativa: “quem roubou foi aquele menino do prédio!”. Falou isso apontando para mim, fiz o que toda criança faria, corri para casa, na visão dela, um pequeno ladrão fugindo ao ser desmascarado.
No outro dia acordei febril, vesti a farda da escola, mas não passei da Praça do Rosário, fiquei lá até chegar a hora de voltar para casa, minha mãe notou a tristeza, mas engoli a seco e não disse nada sobre o acontecido.
Uma semana depois sentado na porta de casa, o dono do carrinho desparecido sentou ao meu lado e disse: “você já pode voltar a brincar com a gente, foi meu irmão mais velho que pegou o carrinho e mandou para consertar, não me disse nada porque queria fazer uma surpresa”.
Ainda voltei lá uns dias, mas não entrei mais na casa deles, aliás, até hoje não gosto de entrar em casas alheias, sei lá, pode ter um carrinho sumido. Os anos passaram, claro há diferenças de classes que se impõe ao que somos, mas muitas vezes o que somos não vai ser vencido por diferença alguma, creio se acreditarmos e os laços forem sinceros, o mundo seja qual for ele torna-se muito mais leve de viver e compartilhar.
Ps: Ainda não desistir de comprar um carrinho bate e volta da Estrela.
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…