Pular para o conteúdo principal

Coração Nordestino

Vênus tinha dois filhos, o Amor e a Paixão. A Paixão tinha inveja do Amor porque esse lhe parecia mais bonito e também sentia ciúmes da mãe por acreditar que ela gostava mais do Amor que dela própria. Tomada de raiva a Paixão furou os olhos do Amor, como castigo, Vênus determinou que para todo sempre a Paixão fosse guia do seu irmão Amor, ficando assim o Amor cego guiado pela louca da sua irmã, a Paixão. Mesmo cego o amor era querido e desejado, a Paixão, sempre chamada de louca, mas como era a guia do Amor, o fazia de tolo, a vida do Amor passou a ser quase sempre de frustração e tristeza, amava pelos olhos da sua irmã Paixão e quase sempre se machucava no que amava, quase sempre era abandonado, porque a Paixão atraia para o Amar todo tipo de sentimento, mas todos eram ansiosos e antes mesmo da primeira frase dita pelo Amor já estavam desejando novamente outros corações, a Paixão é fome, devora tudo e nada sente por completo o sabor na boca.
Paixão: necessidade de ter e se permitir, paz e alegria que anestesia qualquer dor, tesão a queimar entranhas. O Amor sempre acreditava nisso, porque essas coisas também faziam parte da sua vida, mas com um detalhe: só faziam sentido para ele se fosse tudo isso sentido com calma, apreciado sem pressa, o amor não tinha tempo para acontecer, simplesmente acontecia.
A Paixão ria do desespero do Amor, trazia nas mãos uma ampulheta e contava os segundos para o Amor ser abandonado, todas pessoas que cruzavam o caminho do Amor eram como o vento que nos toca, sentimos, gostamos, mas logo parte, o Amor refugiou-se na desconfiança, fugia para o inverno, e dormia durante as outras estações do ano, o Amor temia amar.
Talvez por isso o Amor seja sempre a busca e a Paixão aquele sentimento bom, que aproxima e pode até ser uma ponte ao Amor, mas ele é cego, requer tolerância, respeito às limitações, compreensão, solidariedade, disponibilidade para cuidar, confiança, carinho, cumplicidade e harmonia tudo que a Paixão não quer. Paixão é a busca pela sempre novidade, é a mesa animada de bar, a tentação sempre por perto, Paixão é a falta de zelo e cuidado, é sair sem se despedir e gozar e não se preocupar se o outro gozou, Paixão é vitrine, faz sexo, abraça e beija não só para si, mas para mostrar que é capaz de conquistar qualquer um, Paixão são como fotos que captam um momento e todos acreditam que aquela felicidade amanheceu o dia.
Até hoje a Paixão e o Amor vivem em conflito, Vênus, de longe observar seus filhos, a Paixão é a liberdade de ser de todos e de ninguém, faz troça da cara de quem quer ser apenas seu e de sua companhia, a Paixão não acredita em fidelidade por isso é sensualíssima , sabe o quanto é pelos olhos que se faz a sedução, olhos que seu irmão Amor não tem.
O Amor é como um nordestino, nordestinos são como judeus, podem falar a língua dos homens e dos anjos, mas a qualquer momento alguém o lembra que é nordestino e tenta jogá-lo ao chão, mas como o Amor não negamos nossa essência, mesmo guiados pela loucura cega do mundo, em verdade, não há nordestinos, brancos, negros, italianos ou árabes, há pessoas, algumas querem só o Amor, outras querem a Paixão ou a soma dos dois.
Eu, sou todo amor, desconfio e acredito, porque sem acreditar não há amor, sei que a Paixão é social, a vitrine dos sentimos, Amor é algo mais solitário, como passar a noite de sexta feira sozinho pensando no Amor enquanto la fora há sexo, encontros, pessoas saem e se divertem, outra fazem sexo algumas até encontraram o Amor, mas de alguma maneira todos se encontram, eu escrevo no braile das minhas crenças e buscas, o Amor é cego por isso mesmo também é de todos e para todos, então será para mim.



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…