Pular para o conteúdo principal

“Tenho nos olhos quimeras”*

Foto: Erlisangela N. Carvalho
Ao andar pelas trilhas do sertão nas férias de março, achava estranho quando era tempo de seca, aquele chão rachado tão diferente do litoral da Bahia no qual a chuva nunca foi problema, excetuando-se quando o velho Subaé resolvia deixar seu leito estreito e nos ensinar que com água não se brinca. O chão seco e rachado parecia o rosto velho da minha vó e das vós do litoral, a velhice não tem lugar, a velhice é o sertão seco e o litoral festivo, a Bahia mágica e por vezes tola.
Passei a vida perto da linha do trem, desde meu nascimento até hoje vivo perto da linha, o trem é aquele coisa meio dinossauro, meio encantamento, no sertão cortava os grotões, no litoral cruzava as pontes sobre o mar, o trem era e foi definitivamente meu encanto, as linhas tortas, o caminho para bem, a salvação da fome, o passado dizendo agradecido ao futuro que correu pela estrada de ferro.
A sociedade nos separa, a cultura nos separa, a economia nos separa, o país nos separa, estados nos separam, cor nos separam, gostos nos separam, mas a natureza nos iguala, iguala como a terra seca dos sertões da minha infância e a decadência do corpo no cantar horas do sino da matriz, a natureza é a universal verdade, única que não pode ser refutada, nos distancia de nós mesmo, do Ney menino quase nada carrego agora neste Ediney  sertão e litoral que me tornei, o trem continua passando pelas veias do meu corpo, uma velha Maria Fumaça apitando para a moderna locomotiva do sempre futuro que colho a cada estação.
“Casamiento de Negros” é uma canção de Violeta Parra gravada por Milton Nascimento no disco “Clube da Esquina2”, ao ouvir o Milton cantando essa canção me sinto tentado a jogar uma mochila nas costas e andar por toda América Latina, a América Latina é mágica, misteriosa, mas infelizmente desde criança somos alimentados apenas com dois mundos: Estados Unidos e Europa, como se não existisse o restante do mundo, isso é um erro, envelheceríamos mais lentos se o castelhano fosse oficialmente nossa segunda língua e o Brasil tivesse mais integrado aos outros povos latinos, muita gente pensa que nem latinos somos, mas somos.
A saudade é a chuva beijando o chão seco dos sertões, traz para o ar aquele cheiro de vida e de passado, verde oxigênio a beijar língua, fazer ventre de mulher crescer, eu toco teu sexo como quem do futuro ri do gostoso das nossas noites, pelo seco da saudade meu esperma faz filhos entre vogais e consoantes, coleciono cartas e sei o quanto o tom gentileza faz o bem do amor... Chove, desenho Charlie Browns no vidro da janela, garotinhas ruivas vêm e apagam tudo, então durmo com travesseiros entre as penas, dia quase noite de chuva, lembro-me de uma chuva que choveu quando eu era criança e morava no prédio da Leste: trovões e medo para sertanejos acostumados com chuva branda e amores sólidos.

* Da canção “ E daí” composta por Milton Nascimento e Ruy Guerra

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…