Pular para o conteúdo principal

Da necessidade do egoísmo

Egoísmo: amor que não se divide, ser generoso apenas consigo, ser incapaz de um gesto de bondade, viver em uma ilha cercada de “eus” por todos os lados. O egoísmo visto desta forma é algo pavoroso, mas se olharmos de outra maneira, ser egoísta moderado, respeitando não só nossas necessidades, mas também das outras pessoas, é algo necessário e que pode salvar nossas vidas e nos fazer trilhar caminhos interpessoais menos tortuosos; o egoísmo moderado nos afasta dos estelionatários emocionais, dos sugadores de energia, oportunistas percebem quando estamos fragilizados, como uma ameba, devoram calmamente nosso fígado, tudo entre risos, demonstrações de afetividade e carinho; sem o egoísmo moderado deixamos a prudência de lado e marchamos calmamente para a guilhotina como se estivéssemos indo para o altar com o amor da nossa vida.
Generosidade em excesso pode nos levar ao chão, não se pode oferecer o que não temos ou colocar em perigo nossa própria estabilidade emocional, por exemplo, fazer feliz alguém hipotecando nossa própria felicidade. Creio que as boas relações são baseadas em compartilhamentos voluntários, sacrifícios emocionais nunca é boa coisa, pensa erroneamente quem acredita que sendo um tapete para o outro pisar faz bem para essa pessoa e que assim também será amado, não há engano mais torpe e tolo.
Quando um barco afunda, a água começa invadir aos poucos, os mais atentos percebem logo, os que acreditarem na segurança inabalável da embarcação pode não ter um fim muito bom, assim são nossas relações interpessoais, a ferrugem começa aos pouquinhos, mas em muitos casos vai-se relevando, achando que não significa nada diante a grandiosidade de sermos parceiros, até que um dia descobrimos que há muito o barco já naufragou e ainda sonhávamos com o horizonte.
O amor é cego, quem não pode ser cego mesmo é a nossa inteligência, o amor sem inteligência não releva os pequenos pontos de ferrugem e acaba amando pó e ilusão, como a mãe que descobre o filho dependente químico e por “amor” financia seu o vicio, como a esposa que por amor releva as porradas do marido, como o namorado que sabe que a namorada o trai e mesmo assim casa-se com ela na esperança que o matrimonio opere o santo milagre do respeito conjugal.
Negociar erros, entender que não somos santos e infalíveis é importante, mas ser inocente diante o óbvio terror de que se é incapaz de reagir a humilhações emocionais, ou que tornou-se dependente de uma situação em que até mesmo a lama da falta de respeito parece algo merecido e que não é o outro que nos agredi é sim nós que não fizemos por merecer algo melhor é o sinal claro da decadência moral, espiritual e por fim da ética pessoal.
Se desejarmos andar em direção a uma pessoa, essa pessoa também deve desejar andar em nossa direção, não existe amar por dois, ser amigo por dois.  Antes de cruzarmos a fronteira que nos levará para outro lugar é preciso saber que ser egoísta moderado é ter atenção com as coisas que ficam entre aspas.
Prestar atenção nas aspas deveria ser além de um exercício social de relacionamentos, algo comum e até prazeroso. Relações interpessoais se tornaram uma grande propaganda em que se vende geralmente ilusões, prestamos atenção na grandiosidade das coisas, mas o que mais importa não observamos, só o tempo nos desnuda, mas também traz conforto: ser egoísta moderado, ir ao encontro de quem demostra solidariedade, prestar sempre atenção nas entrelinhas, saber que ir encontrar outra pessoas é mais prazeroso e saudável quando essa pessoa também anda em sua direção  e não descansa em um horizonte de nebulosa ilusão.... Não desistir na primeira queda, tão pouco passar a vida caindo.




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…