Não me faça mal

Foto: Ediney Santana  
Nas pequeninas coisas em que a maioria dos olhos não ver beleza alguma, Deus se manifesta, sem dizer uma só palavra, sem professar um só dogma, Deus nos olha e diz: estou aqui, não me faça mal.
Não me faça mal. Sou a mão invisível que cuida desses pequeninos que dormem nas ruas, o vento a levar para longe a chuva e protege os sem tetos, sou a ajuda invisível dos que nas madrugadas levam sopa quente para os que nada comeram durante o dia inteiro.
Nos momentos de solidão e angústia protejo seus sonhos, a folha seca que prende tua atenção quando ninguém mais tem por você carinho e amor, sou o amor que leva ar aos teus pulmões, a beleza da chuva sobre a terra seca, todas as cores e risos.
Sou o que caminha ao teu lado quando tua cabeça pesa e desvio os pensamentos ruins, aqueço tua alma, sou o amor.
Não me faça mal. Sou o teu sangue, olhos e pulmões, não me faça mal, sou a tua alegria, não em faça mal, sou os animais das florestas e o que protege os ninhos dos passarinhos das árvores. Não me faça mal, não violentes, não mates, não faça dor em outro coração, estou nas pequenas coisas que teus olhos talvez não enxerguem.
Não me faça mal, não estou no poder dos homens ou mulheres, estou no amor, não estou na dor, sou o que te cura dos males, a magia que faz o remédio curar suas feridas. Não estou na política, estou na solidariedade, não oprima os pequeninos e nem deseje a força dos opressores, eu sou o amor.
Não me faça mal, não se machuque porque vai me machucar também, não me queime, não me corte, não se mate, porque vai me matar também. Não mate porque um dia vou olhar nos teus olhos, o olhar do amor é o mais profundo olhar, pode nos vestir diante o frio, como pode também nos deixar nus e expor quem realmente somos e nem todos tem coragem de saber quem realmente é.
No amor ame, na dor ore, na falta de rumo olhe para as estrelas, sou cada uma delas, quando pensar que não estou contigo olhe-se no espelho, lá no fundo dos seus olhos eu estarei refletido.




Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys