Pular para o conteúdo principal

Anarquismo Solidário

Ano de copa do mundo e eleições, mas quer saber de uma coisa? O vencedor tem que ser você, planeje sua vida e suas conquistas pessoais, seleção de futebol alguma vai abrir as portas da felicidade para você. Desejo honestamente que o PT perca a eleição em todo país, mas quer saber de outra coisa? Sejamos eu e você soberanos sobre nossas vidas, partido algum vai nos trazer felicidade e nem fazer da nossa sociedade algo melhor, isso só nosso despertar cidadão pode fazer. Sejamos honestos e solidários, pessoas do bem e para o bem, 2014 é número par, sugere união, abraço e paz.
Quando não estou no trabalho gosto de ir ao “senado” falar com meus amigos, olhar o começo da noite das escadarias da igreja da Purificação não tem coisa melhor no fim de tarde da cidade, voltar em paz pra casa, na certeza de que o mal não pode vencer o que é do bem.
A leveza da vida, ficar distante das mazelas, corta relações com quem não presta, abrir os braços para o novo que vem e que pode ser nossa alegria, nossa paz de espírito, seguir para frente, cultivar esperanças suaves de uma vida tranquila, ter consigo momentos de reflexão, abraçar a vida como se abraça o amanhecer .
2014 pode ser só uma data no calendário, mas pode ser também a sua data, o ano que você escolheu para tornar grande tudo que deseja, o ano inesquecível, o ano que será a base para tantos outros anos inesquecíveis, seja poderoso no pensar, poderosa no desejar e corajosos no realizar, não temer o ridículo, tão pouco a solidão, ser para além de si, gente de carne e osso reconhecer as fraquezas, sem temer o enfrentamento pela beleza de viver.
O grande campeão deve ser você, a grande arena em que o espetáculo da vida vai acontecer deve ser a sua própria vida, nas eleições para políticos todos de alguma maneira são vencedores, porque com alguma exceção muitos derrotados vão se aliar aos vencedores assim que terminar a contagem dos votos, por isso o grande voto a ser dado é na tua felicidade pessoal, sem egoísmos, sem tristezas tolas, eleja você como presidente da sua vida.
O mal, dizia o imperador Júlio Cesar, não vem das estrelas. O mal nasce da sociedade corrupta e cada vez mais desumana, há um prazer em ser mal, o mal tem se tornado regra, fazer o bem nos causa temor, tememos ajudar alguém e esse alguém nos fazer o mal, tudo isso acontece porque cada um de nós tornou-se ilha de desencanto e medo.
O Estado brasileiro foi tomando de assalto por corações sujos e desprovidos de sentimentos de solidariedade e justiça, o crime organizado assassina pessoas pelas ruas e sai palitando os dentes, nossas escolas tornaram-se túmulos do conhecimento, nossos hospitais purgatórios, nosso esporte mais que o ópio para o povo tornou-se a razão de ser de muito brasileiros desprovidos de senso critico, nossa justiça nos faz sentir medo quando abençoa canalhas e fragiliza a cidadania, a polícia tornou-se aparato, não de proteção das pessoas, mas de repressão, usada por políticos que deveriam ser presos por ela, não é respeitada, mas temida,  nosso direito é o direito de permanecer calados diante ao horror de uma país que sepulta seu povo no obscurantismo de viver sem existir.
Por isso reafirmo meu anarquismo solidário, fazer de cada um a pequena porção do bem, negar a autoridade de terceiros sobre minha vida, negar o poder do estado no gerenciamento das minhas emoções, buscar o equilíbrio entre a espiritualidade e a beleza das coisas concretas, me vestir com as roupas da simplicidade, mergulhar na elegância de ser amigo dos que querem ser meus amigos, ter na certeza da vida a esperança desse presente melhor e paz para o futuro.
Meu anarquismo solidário diz: nenhum dos três poderes da república (Executivo, Legislativo e Judiciário) podem fazer absolutamente nada por minha felicidade, nenhum dos três em momento algum da história desse país demostrou algum traço de solidariedade, sempre foram elitistas, criam normas para educação, dizendo que é uma boa educação, mas seus filhos não estudam em escolas públicas, criam normas e regras para o SUS, mas nunca entram em um posto de saúde, dizem que todos tem direito ao justiça, enquanto eles mesmo se cometem crimes raramente são levados a tribunais e quando o são, são tratados como príncipes, discutem entre eles se devem ou não ser algemados ou comer caviar na cadeia, enquanto isso nosso sistema prisional foi transformado em quarteis generais do crime.
Por isso adotei o anarquismo solidário, pouco me interessa o poder político, as bases do bem não serve a ideologia alguma, melhor que qualquer homem ou mulher é a força do bem agindo na esperança de um mundo fraterno e justo. Seja bem, seja feliz, seja fraterno.




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…