Pular para o conteúdo principal

Ao Hendrix

Em 1969, Jimi Hendrix, apresentou-se no festival de Woodstock, realizado no estado de Nova York, quem naquele dia tinha 40 anos de idade, hoje caminha para os noventa. “Aproveite o dia”. Aproveite as quatro estações e o amor avassalador pela namoradinha da escola, aproveite enquanto tem pai e mãe, aproveite a embriagues ou teus momentos de busca por Deus ou por si mesmo, aproveite o amor enquanto ele aquece teu coração, aproveite os dias na praia, o carnaval, os inferninhos, aproveite os estudos e o encantamento de aprender coisas novas, aproveite os dias de saúde, nem todos são com Hendrix que se foi ao 27 anos de idade para nunca mais nos deixar. Aproveite enquanto lembram-se de você, lápides em cemitérios pouco são lidas, a morte não é só o fim das nossas vidas, mas o esquecimento de quem fomos nos corações dos vivos, “aproveite o dia”.
“Aproveite o dia”, menos gravata e mais amor sincero, menos verdades e mais fantasia, mais trabalho e nenhuma escravidão, “aproveite o dia”, nenhum imperialismo e mais coração, “aproveite o dia” não deixe que uma doença transforme você no que sempre adiou ser: gente... Ser gente: menos materialismo e mais espiritualidade, “aproveite o dia”, deixar partir quem vive reclamando da convivência com você, quem parte deixa portas abertas para o novo, “aproveite o dia”, beije, faça sexo, vá à igreja, viva seu ateísmo sem medo do inferno, não escravize, não seja escravizado, “aproveite o dia”.
Durante sua apresentação no Woodstock Hendrix gritou: “estou feliz por este momento”. Então, você é feliz nos momentos que vive agora? Se não, “aproveite o dia”, momentos felizes não causam estranhamentos, não tem meio termo, ou se é ou não se é... Radicalizar a vida para o bem... Sabe como o Hendrix terminou sua apresentação no Woodstock? Tocando sozinho na guitarra o hino dos Estados Unidos, eram tempos de guerra do Vietnã e Hendrix radicalizou para o bem, para felicidade, tocou o hino do seu país tirando ao mesmo tempo da sua guitarra sons de bombardeios e metralhadoras. Hendrix era paixão pelo que fazia, masturbava sua guitarra e dela tirava gemidos.  Guitarra, banda e ele eram um só corpo sintonizados no prazer de fazer música. Só aproveita o dia quem vive pela paixão, somar nossas almas a almas mornas nos esfria, sejamos fogo.
O Woodstock foi um momento de glória para Hendrix, ele era pouco conhecido nos Estados Unidos,
seu país natal, o sucesso bateu a sua porta na Inglaterra e da lá para o mundo, foi indicado por Paul McCartney para participar do mais celebre festival de músicas de todos os tempos, mas não esqueceu dos milhares de jovens do seu país que estavam morrendo em uma guerra estúpida, como são quase todas as guerras, ao tocar o hino do seu país misturado com ruídos que simulavam explosões, Hendrix dizia para o mundo que nem todos poderiam mais aproveitar o dia, mas que poderíamos dizer não a guerra para que o futuro de tantos outros fosse a vida e não a morte.
A vida, disse John Lennon, é o que acontece enquanto planejamos o futuro. Claro que ele não quer dizer “foda-se! Viva tudo de uma vez”, mas que neste exato momento a própria vida é indiferente ao que somos e que cada um é para si o seu o próprio mundo. Então, vamos viver o mundo, o tempo bom de amor, trabalho e luz.




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…