Pular para o conteúdo principal

“Flores atrais”

Sai do emprego, o emprego saiu de mim, agora estou na fila da homologação, palavra estranha: “homologação”, para assinar a tal homologação e pegar meu seguro desemprego tenho que ir ao sindicato, nem sabia que pagava um sindicato, os putos nunca apareceram no meu trabalho nem para me pedir para votar na mocreia da Dilma. O índice de putos no mundo têm aumentado assustadoramente, ou talvez eles apenas não tenham mais vergonha de se assumirem putos, sabem que a possibilidade de um puto se foder no mundo é bem pequena, o mundo ficou mais perigoso para não putos, ou seja, os sinceros e românticos corações salpicados de lirismo cor de rosa; você leva uma flor para alguém e recebe de volta um buquê de urtigas e ainda querem que você sorria com a delicadeza de uma camélia em prostíbulo de estrada.
Tenho uma amiga psicóloga, a Gabi, a vantagem de ter uma amiga psicóloga é saber que nem mesmo essa gente estranha que ganha à vida para acalmar nossos demônios conseguem se livrar totalmente dos seus, não estamos sós no reino tenebroso e ébrio que é dialogar com os próprios botões, alguns desses botões falam javanês para ouvidos dolorosamente portugueses.
A Gabi disse que sou tolerante demais com o que não é tão doce assim como minha língua insiste em dizer para mim que é. “Seja menos tolerante Ney, se o doce for doce mesmo ele vai permanecer doce, se não vai azedar como um porco espinho encurralado contra parede”. A Gabi adora metáforas, acho que todos psicólogos gostam disso, talvez por isso muita gente pense ser psicólogo, só pegar uma frase bonitinha e dizer: “agora a salvação depende de você, segura nas mãos do irmão sol e vai buscar o destino que é teu”.
Quero me masturbar com a realidade, alguém tem uma passagem para a Dinamarca?
Qual a melhor maneira de enganar alguém? Mentido? Errou, a melhor maneira de enganar alguém é contando uma verdade, por mais que seja uma verdade sacana vai parecer que abriu seu coração, ao se revelar sem pudor na alma nem no corpo,se revela também alguém que por amor não tem medo de dizer o quanto errou, você confessa uma puta sacanagem e é só esperar, se confessou não é mais pecador, não mentiu, o bom e lírico coração pode fazer cara feia, torcer o nariz, mas acaba "entendendo" que sacanagem revelada é menos dolorida que sacanagem escondida.
Tudo bem, mas e a homologação? Bem, agora desempregado evito andar pelas ruas, só o necessário, odeio ser parado  e me perguntarem sobre desemprego, novas perspectiva... E o pior, os olhares de piedade. Sou o tipo que não divide dor, daqueles que se com fome e não ha maneira alguma de comer mesmo, morro de fome, mas antes cavo a própria sepultura, pavor de transmitir para outra pessoa minhas dores e agonias.
Gabriely del Fabria, a Gabi, mesmo sendo formada, pós graduada em um monte de coisas, acha que responsabilidade se divide, eu penso que algumas sim outras não, minhas dores, são todas minhas , só minhas, meus erros levo-os comigo para o seno da noite, não posso despertar na vida de pessoa alguma a tristeza das minhas frustrações, sou o que agarrando nas paredes se levanta, olhar para o horizonte e diz: estou indo.
Gabi diz que soma-se duas pessoas para carregar o andor da vida torna tudo mais fácil. O andor da vida, o sal e santo das nossas vidas.Seria bom, mas nestes tempos no qual você acaba de levantar da cama que passou a noite  com  outra pessoa e ela  não lembra nem desejar: tenha um bom dia, é algo meio bonito de dizer, mas utopia franciscana em templo cartesiano.
De todos os fenômenos da natureza, um é metáfora perfeita para vida, a ferrugem. Começa com os pontinhos, inofensivos, crescem e estragam tudo. Assim é no trabalho, pequenos pontos de ferrugem vão lentamente devorando tudo, na vida entre pessoas, pequenos pontos de ferrugem vão devorando as alegrias, vão criando cismas e se não agirmos diretamente neles enquanto estão pequenos, nem a Gabi resolve, vamos todos para a fila da homologação, mas se a homologação é o fim, pode ser também um fantástico momento de recomeço.



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…