Pular para o conteúdo principal

Nostalgia

A única saudade prazerosa que alguém pode sentir, é a saudade de si mesmo. Manter um estado premente de desejo pela própria vida, ter por si toda esperança do mundo, não esperar nada de pessoa alguma, aprender quando na queda segurar nas paredes interiores e se erguer, nunca deixar de ter consigo uma relação profunda de solidariedade. Acredite, quanto maior for a esperança em coração alheio, maior vai ser a dor da decepção, saber ser amante de si mesmo, cuidar primeiro das próprias emoções é passo sincero para vivermos melhor com o mundo, não fazer valer nas nossas vidas um antigo provérbio: herói bom, herói morto . Ser de si mesmo herói e vivo viver a alegria de dividir consigo todas a nuances da vida é certamente mais prazeroso que desejar salvar o mundo que não quer salvo.
Não é a política que está tomada pela corrupção, são os corações que cada vez mais estão envenenados pela maldade, nada do mundo é ruim, em si uma serpente é só mais uma criatura como todas as outras, a serpente só se torna perigosa quando a humanizamos, quando levamos para ela nossa maldade e falta de respeito, assustada ela se defende, nos fere com aquilo que dentro de nós já nos matou há muito tempo: a maldade.
Quando me olho no espelho vez por outra questiono minha barriga, meu cabelo, minha roupa e acabo me sentindo mal, mas logo lembro que isso acontece porque me comparo ao padrão de beleza que tentam colocar na cabeça de todo mundo que ser aquilo é ser belo, então mando tomar no cu o padrão de beleza, deito na cama, me toco, me amo, gozo com a alegria de ser quem sou, uma criatura humana, única no mundo, infinita em beleza e amor, uma criatura de Deus e não uma capa de revista.
O amor incondicional pelo que somos, não achar que somos prontos, acabados, mas antes de abrir os braços para outra pessoa, se abraçar com carinho, só podemos oferecer o que temos, alegria de ser amor da própria vida. Eu me amo como não amo a mais pessoa alguma, Cristo já disso isso: ame ao teu próximo como a você mesmo, ou seja, sem nos amarmos primeiro somos incapazes de amor qualquer outra pessoa.
Hoje é dia de festa, festa em meu coração, festa na minha alegria porque sou livre e me amo, vestir a roupa, procurar emprego, encontra alegria nos olhos, ser feliz longe da tristeza, comprar queimados na banquinha, mais uma vez dizer bom dia ao vinho que nunca responde, tirar fotos dos trens, festeja a vida, vida vida vida...beijos carinhos pela própria alma, ser alma da minha alma , amor do meu amor.
Ouvindo: The Beatles - "Rubber Soul”, disquinho muito muito bom. Hoje meu coração dói tanto, uma dor antiga, não me leva morte súbita, certamente é a mais vexatória das mortes, quero colher chicletes que os imundos sempre deixam nos bancos, compra a nova Playboy, ir ao Centro Espírita, Bistrô do Miúdo, ver uns filmes descarados no X Videos, sonhar que o amor é possível, não quero ouvir falar de porra de Copa do Mundo ou Manifestações, quero e cama com flores de laranjeira, pescar meu signo em lago bom e ser feliz.



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…