Pular para o conteúdo principal

Orgasmo

“A inteligência é “igualzinho” ao pênis, é isso mesmo, pênis. Pênis é um órgão excretor, flácido, ridículo, depressivo, ta sempre olhando pro chão, mas se for provocado ele sofre transformações hidráulicas extraordinárias, assume a forma de um foguete intercontinental, explode, é capaz de dar vida, capaz de dar prazer. A inteligência é a mesma coisa, dizem: “o aluno não é inteligente”, é que a professor e professora não fez, foi o trabalho de excitar a inteligência”de: Rubem Alves.
Excitar a inteligência, fazer com que alunos tenham orgasmos com o conhecimento. Usar a própria palavra “orgasmo” em um texto sobre educação, pode causar estranhamento, isso porque neste tempo do "politicamente correto", pensa-se a palavra como se ela fosse um bloco de concreto e não um corpo semântico no qual podemos dissecar e aprender. Levar informação é o cardápio primeiro do aprender, mas infelizmente pouco a pouco informação foi transformada no começo, meio e fim da educação.
A metáfora do Rubem Alves sobre pênis e excitação da inteligência é perfeita, porque quando não se estimula a inteligência o que temos são pessoas eternamente prostradas sobre suas dores, reclamantes das suas perdas, mas pouco dadas ao erguer armas e partir para luta.
Dizem que estamos vivendo a época da informação, isso é bom, mas também é trágico, bom seria se estivéssemos vivendo a época do conhecimento, a capacidade de abstrair informações e delas gerar conhecimento.
Ansiedade nos fazem refém da eternada novidade, bem não aprendemos a lidar com o que temos ou somos, já estamos ansiosos para mudar de fase como em um jogo, tão rápido amamos e desamamos, tão rápido vivemos nossos lutos, tão breve é a saudade, tão descartável nossas alegrias. O tempo da informação é também o tempo da rasa emoção, como em um bordel, goza-se sem beijar, sem sentir o sabor do outro, deixa-se na cama não sementes de amor, mas o suor animal de quem apenas ejaculou a ansiedade de sua carência.
Sem tempo para aprender a sensibilidade do outro, as drogas estimulantes substituem o cheiro, toque, desejo, atenção, antes tinha-se  o amor, o desejo, a tara, agora apenas o comer sem saber o que se come, o lambuzar corpos sem inteligência, masturbação a dois na solidão santificada pela nossa incapacidade de conhecer nos permitir ao amor.
Sem paciência para apreciar o sabor da comida, a aparência do prato é o que importa, comemos pelos olhos e pouco sentimos prazer real, na sociedade inimiga da lentidão, engolir sem ao menos saber se é quente ou frio é regra, mesmo que depois padeçamos de úlceras e gastrite. Sentir o prazer da companhia de alguém é quase um pecado, vive-se "amor"  motel, entra-se já sabendo o tempo da permanência, ler a Montanha Mágica agora é coisa para desocupados, triste de quem diz: “meu amor, meu bem”, tratar o outro bem é nestes tempos rápidos: cafonice, brega, bom mesmo é trocar palavras por algo concreto, um carro já é um bom começo, o amor é démodé, porque só amamos o que temos conhecimento, mas para se relacionar informação basta.
Se um homem diz que gosta de flores, ou de ir ao jardim ou contemplar obrar de arte geralmente ouve em resposta: não tenho tempo para isso, isso é para quem não tem o que fazer, mas em que se “gasta” tanto tempo? Na pressa.
Em Alice no País das Maravilhas, Alice encontra um coelhinho que vive apressado com um relógio nas mãos, mas o triste é que ele não vai para lugar algum, sua pressa é sem sentido, vive preso ao relógio que sem dizer nada é seu senhor.
Alice no País das Maravilhas foi escrito por Lewis Carrol, publicado em 1865, Alice ao cair no buraco encontra um mundo fantástico, mas esse mundo é o nosso próprio mundo, a menina projeta nele sua imaginação, seu encantamento, faz de um simples buraco uma aventura inesquecível.
Estamos passando batidos pela vida, compramos carros caros e depois amargamos horas das nossas vidas em engarrafamento, esquecemos das maravilhas do mundo e nos aprisionamos em nossas casas cada vez mais tecnológicas e sem vida.
Exercitar a inteligência, não permitir que nossas emoções sejam atrofiadas, planta e esperar o tempo bom da colheita e não envenenar a terra e depois dela sorve o veneno. Educar é muito além de aplicar conteúdo, educar é excitar a inteligência, saber do prazer que é ter um orgasmo de conhecimento quando não morremos no oceano de toscas informações, quando não conectadas com nossos desejos, não são e nada serão.




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…