Pela vida e tão somente por ela

Sou contra a pena de morte, mas sei que mesmo não instituída oficialmente no Brasil, o país é um dos que mais se executa pessoas no mundo, dados recentemente divulgados pela Organização das Nações Unidas, mostram que o Brasil responde por 11% dos homicídios do mundo, por outro lado, estamos em penúltimo lugar em educação, ou seja, um dos países mais violentos do mundo é também um dos mais ignorantes, porém assim como a pena de morte acontece mesmo não sendo legalizada, o governo deu um jeito de maquiar o analfabetismo, criou a vergonhosa figura do analfabeto funcional e contou com a ajuda e cumplicidades de dezenas de “educadores” alinhados tão somente com a pedagogia do dinheiro ou da militância partidária sectária disfarçada de “ movimentos sociais”.
Desgraçadamente o Brasil foi se acostumando com a sujeira em que vive, um gato quando defeca cobre seus excrementos, aqui pessoas sujam as ruas sem cerimônia, sentam com suas bundas gordas na praça para comer gororobas e ao levantar deixam a sujeira no lugar, nas portas das casas se acumula lixo, assiste-se programas policiais na TV em que durante a hora do almoço se come um pedaço de carne enquanto um corpo fuzilado é mostrado, acha-se normal pessoas serem mortas no meio da rua, acha-se normal a violência do estado seja em uma desastrada operação policial, seja no sucateamento da saúde, sem falar nos inúmeros agentes duplos que fingem oposição, mas os dedos são mais duros do que os dos cadáveres do SUS.
O Brasil é um país homicida, ano após ano todos os índices oficiais sobre a violência comprovam a falência do modelo de segurança pública adotado pelo estado que é o mesmo do tempo de Lampião, receita simples: violência se combate com violência, quando o investimento maior seria em inteligência e contra inteligência, ter uma polícia cientifica, forte, mas nunca temida, sem falar na vergonha do código penal que celebra impunidade sobre esse eterno velório que se tornou a vida de todos brasileiros.
Você já se perguntou por que vereadores, deputados e senadores, que são os responsáveis por pensar o país não fazem nada além de discutir “política”? (política entre aspas, porque se tem algo difícil de encontrar nesse país são políticos, na maioria das vezes o que temos é o chorume da sociedade com um mandato nas mãos) Já se perguntou por essa dificuldade de se reformular o código penal? Por que tudo que fazem são gambiarras sociais e programas de impacto imediato e não se pensa o país a longo prazo?  Pense sobre isso, você tem as respostas.
A Incapacidade artificial do Estado fortalece o populismo político, transforma muitos partidos em sucursais do crime. Quando eu era mais jovem achava estranho trabalhadores que se recusavam a fazer parte do sindicato ou de greves serem chamados de “pelegos,” na gíria sindical é o mesmo que traidor, pensava: como um sindicato que se  dizia solidário ao trabalhador poderia usar do próprio dinheiro do trabalhador para demonizá-lo, isso aconteceu também com artistas, escritores e religiosos que não comungavam com a visão de mundo da esquerda, muitos eram implacavelmente perseguidos, hoje tudo isso acontece, com uma diferença, não é  o sindicato o perseguidor é uma poderosa máquina política e seus mórbidos militantes, transformados em agentes  perigosos de uma ditadura disfarçada de democracia. Gente com formação intelectual para o ódio e mentira, fingem ser o que não são, como podem dizer que defendem a vida se o ódio, mentira e  estupidez são suas armas contra quem  usa o direito democrático de ser contra? Nossa sociedade é extremamente perigosa, fria e mesquinha, usam da dor do próximo para se promover, aproveitam a dor dos que agonizam na porta de hospitais para exercitar suas psicopatias, a vida não é a razão dessa gente, a razão é a morte, horror, crime e desordem porque só assim justificam a psicopatia de se acharem a cima do bem ou mal, anjos salvadores, quando na verdade negociam com o diabo nossas dores.


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys