Pular para o conteúdo principal

“Meus eu tão surrados”*


Andando a esmo pela rodoviária de Brasília, entro em uma livraria, pergunto por livros de poesias, o simpático vendedor, que também se chama Ediney, me indica a prateleira poética. Olhando os livros encontro “Dedal de Areia”, de Antônio Brasileiro, publicado em 2006 pela Gramond. Fui tomado de súbita alegria, naquela manhã sozinho em terras ainda estranhas a poesia com meu sotaque e prá lá do meu sotaque me fez sorri.
Comprei o livro, junto com outro de Henriqueta Lisboa. Há muito que a poesia de Antonio Brasileiro me desperta fascinação e entusiasmo, sua poesia é a sonata perfeita para sacudir a poeira destes tempos sem memória e de moribundo futuro.   
Gostar de poesia ou dizer-se poeta causa estranhamento nestes tempos de corações tão brutalizados pela mecânica do “tem que ser um vencedor”, nesta mecânica não cabe arte. Porcas e parafuso, direito sem lei, alegria sem felicidade, medicina sem amor são o sarau da pós- bizarrice brasileira, sem falar nos guetos poéticos, poetas que escrevem tão somente para seus pares, como em uma confraria alucinada em que poucas vezes a própria poesia aparece.
Longe disso tudo a poesia de Antonio Brasileiro é beleza que desafia, musicalidade que cativa, paixão que aprisionar o leitor, em seus versos não pousa poeira, não há verso perdido na engrenagem poética que move sua lira, uma emoção se revela em outra, o mesmo poema lido e relido sempre nos traz um sentido novo, um novo encantamento, há um delicado humor a zombar desse famigerado prosaísmo dos nossos dias.
Antonio Brasileiro também é artista plástico, sua excelência é criar imagens, seja com pinceis e lápis ou com palavras, a soma desses talentos faz dele um dos mais representativos artistas em atividade da América Latina. Antonio Brasileiro nasceu na pequena Rui Barbosa, nos sertões da Chapada Diamantina na Bahia, o encontrei só uma vez, durante um lançamento de um livro de poemas em Salvador, ficou marcado aquele encontro porque foi no dia em que ACM estava sendo enterrado, ao me apresentar, Antonio Brasileiro disse: “você publicou um livro pela Uefs? Lembrou o grande poeta do meu livro. Guardei aquele momento, porque ali na minha frente estava o senhor dono de uma obra maravilhosa que se mostrou generoso e solicito com um mero desconhecido.
Tenho além de “ Dedal na areia”,  Os três movimentos da sonata (1968-1977) e uma antologia de poemas, livros essenciais para o encontro da poesia de Antonio Brasileiro.
Já reli “Dedal de areia” algumas vezes, todas às vezes, sinto uma alegria diferente, o livro é um convite ao mergulho na filosofia da poesia, no desvendar signos, na semiótica da linguagem poética. Fica o convite para a leitura desse poeta e suas grandezas literárias, o encontro entre o sertão e o universal de Cervantes traduzidos em poemas por Antonio Brasileiro.
*Verso de Antonio Brasileiro 

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…