Pular para o conteúdo principal

A Casa da Árvore

Na dedicatória do “O Pequeno Príncipe” Antoine de Saint-Exupéry escreve: “Todas as pessoas grandes foram um dia crianças, mas poucas se lembram disso”. Então seu livro é dedicado a um amigo que se esqueceu de que um dia foi criança, me parece uma das coisas mais triste que possa acontece com alguém é perder as lembranças e ecos de ternura da infância.O Pequeno Príncipe, segundo seu autor, não é para crianças e sim para esses adultos que se perderam dos seus passados, no entanto é complicado restringir para quem uma obra foi escrita ou composta, O Pequeno Príncipe ficou celebre entre crianças e adultos, as crianças tem um gosto todo particular, sempre acontece, por exemplo, de canções cheias de duplo sentido, que não foram escritas para crianças caírem no gosto delas e discos feitos, pensados para elas não receberem atenção alguma.

Foi lançado pela Editora Mondrongo o livro de Poema “A casa da Árvore”, da autoria de Herculano Neto, o livro cheio de referências à infância, traz nas três partes em que é dividido o sabor do passado que bate e escancara as portas do presente e mete o pé na bunda do futuro e o convidando para umas doses no Bar do Nem (reduto boêmio do Herculano Neto), é nostálgico sem perder a conexão com o presente, é melancólico, mas tem saber daquelas paixões que nos cobre o corpo quando a madrugada é fria.

Na contra capa há uma foto do autor quando criança, enquanto a capa traz o desenho de outra criança sentada e abraçada por uma árvore, talvez nos dizendo que é preciso olhar mais de perto para nossa natureza, a essência do que somos e não nos encantarmos em demasia pela superfície em que transformamos nossas vidas.

A Casa da árvore é um livro sobre a infância, mas não é um livro infantil, é um livro em que o autor na sua maturidade, de maneira delicada revive seus caminhos, perdas e conflitos, e a maravilha de não se sentir estranho no seu tempo atual, embora o confronte sem medo. Há algo de introspecção, estranhamento, mas de leveza nos poemas de A Casa da Árvore, bem como certa vez definiu a jornalista Kátia Borges a natureza literária do Herculano Neto: levíssima.

O Brasil se viciou em livros bonitinhos, todos arrumadinhos, se discute mais biografias e suas vidas santificadas pela desonestidade intelectual do que a criação literária, gurus religiosos de araque e debates políticos que parecem chupados de um pesadelo de Freddy Krueger, então no meio dessa nuvem indigesta de palavreado que alguns por pura blasfêmia chamam de literatura, encontramos poetas e seus livros, editoras como a Mondrongo, acredita e edita livros de poesia e o mais interessante aos subirmos nesta árvore poética do Herculano Neto, encontramos ou reencontramos a literatura provocativa, delicada e suave como a infância vivida na Inocência do antigo Bairro do Trapiche de Baixo, lugar das reminiscências infantis do autor, lá no antigo Bairro que a árvore foi plantada e durante anos Herculano Neto foi construindo sua casa, as margens do Rio Subaé, perto e tão distante ao mesmo tempo de Salvador, a beira mar, poemas sobre a infância, mas que faz vibrar agora os corações saudosos de tantas coisas vividas e se emocionar com as sementes daquela velha árvore que nos faz sentir a infância da saudade sem a pieguice de negar o que agora se é. Coloco no plural “nos faz sentir”, porque nesta árvore escrita por Herculano cabem muitas paixões além das suas.

Três atos para a construção de uma Casa na Árvore: 1º ato: Casa de Retalho- Estranhamento, a cidade se desnuda tal qual o corpo na puberdade: “invado a noite da cidade/ ninguém me contesta/ me olha nos olhos/ ou levanta a voz (sou o chefe da casa/ o rei da floresta / meu legado”. Puberdade que se vai com o confronto entre como vemos e de como somos vistos: “na primeira vez/ que fui chamado de senhor/ pensei que não era comigo/pensei em refutar/ em corrigir/ em dizer que era engano/ o senhor se estendeu/ ao porteiro/ao taxista/à mocinha que pergunta as horas na rua/à prostitua que exige o pagamento antecipado/ aos meus filhos/ aos amigos dos meus filhos/ à recepcionista do hotel glória”.

2º ato: La Maison des mirois (A casa dos Espelhos). Poemas latinos, mas não escritos em português, sim em francês, em tradução de Pedro Viana. A decadência das emoções, uma vontade fria de destruição em que o desassossego chama (contraditoriamente) para frente, para ir caminhando, negar o estanque desejo de caos íntimo: “tenho vocação para o abismo/para o abraço/ tenho fixação por detalhe/ por olhares/ sou irremediavelmente insatisfeito / displicentemente franco/ o melhor dos meus amigos/ o melhor amante das minhas tristes/obsessivo / tenho vocação para infelizes”.

O confronto entre os desejos, a ponte que leva a realização do que se quer e o amor como aspas para paixões: “eu amo mas não me arrisco/ tenho um coração aflito/ repleto de malícias/ eu amo um animal arisco/ que tem um coração distinto/ cansado de carícias”

3º e último ato: A Casa da Árvore, a interpretação da infância, o adulto que questiona a si mesmo no tempo em que não se reconhece, a criança que parece puxar pelas mãos esse adulto para que não se perca em amarguras: “a infância foi uma manhã de sol/ há tempos que sou/ noite de rugas e cabelos brancos/a infância passou sem nuvens/quase madrugada”. A sensação de brevidade, de um sabor não sentido em toda sua dimensão, de algo perdido em alguma brincadeira na infância, brincadeira que nunca se completou.

O encanto e desencanto com a cidade casmurra que poderia ter sido e nunca foi, que é hiperbolicamente amada e mal amada, a cidade que é a musa, a fêmea puta de todos os sabores e dissabores, as ruínas da civilização, os escombros do amor profundo, inseparável: “cresci numa cidade/ onde não havia cinemas/ planos sequências se repetiam nas ruas/ nos becos/ projetados nos muros/ cardinales bonitas/ se reservavam no curta-metragem/ da minha infância/ cresci numa cidade/ onde não havia quase nada/apenas histórias para lembrar”.
Com o poeta Jorge Boris e Joana Marendaz no Bar do Ném


O menino, o homem, o poeta inquieto a exemplo de um caracol carrega sua casa nas costas, dentro dessa casa suas lembranças trazem conforto, de longe tudo parece distante, mas de perto o velho amigo mário o conforta:
“já morei em muitas casas/ embora/ em sonhos/ apenas a casa das infâncias me alcance/bem que mário dizia que não importa que a/ tenham demolido/ e a demoliram em um sábado / desses de cartão-postal/ a gente continua morando na velha casa em que nasceu/ já morei em muitas casas embora sonhe apenas com a das infâncias”.
Saiba mais sobre A Casa da Árvore em:


http://herculanoneto.blogspot.com.br/
www.mondrongo.com.br
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com.br/

 






Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…