Pular para o conteúdo principal

Meu currículo são meus amigos


Não se anime em espalhar currículos por aí, geralmente não vai acontecer nada, currículos são instrumentos quase sem mais razão de ser, empresas solicitam aos seus empregados que indiquem pessoas para trabalharem nelas, solicitam currículos apenas quando falham nas indicações pessoais, ou seja, quando ninguém na empresa indica ou indicam pessoas que não se enquadram no perfil desejado. O melhor currículo que você pode ter são seus amigos, pessoas que saibam e acreditam em sua capacidade.
Passo nas portas de empresas, construções e vejo sempre muitas pessoas, olhares tristes, jeito de abandonadas e com pastas nas mãos, pastas que trazem  seus currículos, o histórico da longa vida de trabalhador, poucas dessas pessoas conseguem emprego assim. É preciso contatos, alguém que assuma  riscos por você, que diga a um dono de empresa: “tem competência para trabalhar aqui, se encaixa no perfil da empresa”. Se não for assim as chances diminuem, e mais uma coisa, para você que é do NORDESTE ( como eu), não importa quantos cursos você fez, onde trabalhou, fora do nordeste sem um rede de contato, alguém que assuma riscos por você, seu currículo em muitos casos é simplesmente rejeitado, ocorre justamente o contrário de quando algum do SUL chega ao nordeste e tão somente por ser do sul muitas portas já abrem e bestialmente se acredita que uma universidade federal no sul e melhor que uma nordestina. Tenha amigos, às vezes é melhor que qualquer diploma.
Alguns clichês são mais que verdadeiros, sozinhos não vamos muito longe. Alguém diz coisas boas de você, outra pessoa ouve e estende a mão amiga, outra pessoa que abre uma porta aqui e ali, um amigo que te apresenta para outro amigo e se faz amizades, alguém que entende que há algo de bom em você e abre as portas e diz: vai ganhar o mundo, vamos nos somando, sozinhos não se anda, apenas cansa-se o espírito e desanima-se o corpo.
Ter uma rede de pessoas boas e que são positivas, aquelas que não nos enxergam como concorrentes e que estão dispostas dividir conosco um pouco do prestígio que ela tem é o que de mais precioso no mundo das relações trabalhistas você pode encontrar.
Bom amigo é o que tira a poeira dos nossos olhos, bom amigo sabe que todos nós, eu e você temos nossos dias de queda, mas sabe também que temos talento para escalada, por vozes um sim, um pisca de olhos que entusiasma pode fazer uma mudança radical para o bem em nossas vidas.
O diploma universitário não garante muitas coisas nessa modelagem de RH em que provas ou testes somem diante um simples QI, quem indica, às vezes você é chamado para uma entrevista de emprego, mas sem saber está fazendo parte de um teatro, as cartas já foram marcadas, a empresa quer apenas passar a idéia de que é rigorosa e democrática nas suas escolhas.
Quando o RH de uma empresa seleciona sozinho um empregado, a empresa assume o risco sozinha pela contratação, mas quando ela aceita que um dos seus empregados indique alguém ela sabe que aquele empregado não vai colocar o emprego dele em risco, certamente vai indicar alguém responsável e competente para a função que se quer contratar.
Quando digo que se deve cultivar amizades, isso não quer dizer que se deve aproximar das pessoas apenas para tirar algum proveito, amigos tem raízes, sabem do histórico das pessoas, tem afetividade, alguém a pedido de um amigo seu pode te indicar, isso acontece muito, então seja grato, fortaleça o melhor que sem tem em uma relação: a solidariedade, não se descuidar da formação também é importante, porque mesmo com amigos a concorrência é cruel e implacável.
Ter quem nos diga que somos bons em algo nos enche de esperanças, se neste momento você ficou sem emprego, animo, olhe para frente, o que não se encontra em um lugar em outro certamente vamos encontrar.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…