Pular para o conteúdo principal

Nair de Tefé

Nair de Tefé

Em 1907 o então ministro da guerra e futuro presidente do Brasil Hermes da Fonseca proibiu as bandas militares de tocarem o maxixe, gênero musical genuinamente brasileiro e o por isso mesmo não bem vindo nos salões da burguesia, aquele momento embebida de cultura francesa. O motivo da proibição? Além do preconceito com a cultura popular? Hermes convidou o embaixador alemão Franz Von Reichenau para assistir uma apresentação militar, ao término da apresentação o embaixador pediu para a banda militar tocar “Vem cá Mulata” de Arquimedes de Oliveira, a banda tocou, era impossível recusar um pedido de tão ilustre senhor, mas o maxixe ritmo das ruas, da poeira e suor das ruas, boêmio e cheirando a noitadas foi banido do repertório musical dos militares.
26 de outubro de 1914, festa no palácio do Catete, Hermes da Fonseca, agora presidente, casado com Nair de Tefé, recebia a nata da sociedade militar e civil da república, a primeira dama pega o violão e toca o “Corta Jaca”, maxixe de autoria de Chiquinha Gonzaga, composta em 1897, foi um escândalo a primeira dama ficou falada e mal afamada, a sociedade que se fantasiava de francesa se sentiu ofendia. Como primeira dama que além de tocar violão ainda por cima executara uma canção que lembrava o cheiro de suor e bebida dos cabarés da cidade?
Rui Barbosa, ele mesmo em pessoa e língua ferina, que na juventude ao lado de Castro Alves fez parte de campanhas pela abolição, atacou a primeira dama da tribuna do senado, disparou:
“A mais baixa, a mais chula, a mais grosseira de todas as danças selvagens, a irmã gêmea do batuque, do cateretê e do samba. Mas nas recepções presidenciais o "Corta-jaca" é executado com todas as honras da música de Wagner, e não se quer que a consciência deste país se revolte que as nossas faces se enrubesçam e que a mocidade se ria!
Nossa primeira Dama, Nair de Tefé foi uma mulher fascinante, fez muitos saraus no palácio do Catete, levou o violão para junto das orquestras, incentivou artistas populares. Naquela noite em que tocou ao violão o “Corta Jacá” estava acompanhada por dois jovens músicos que se tornariam estrelas da nossa música: Jayame Ovalle e Sátiro Bilhar, o primeiro parceiro musical de Villa- Lobos e Manuel Bandeira, o segundo, tido por todos que ouviram tocar como o melhor violonista do seu tempo.
Nair de Tefé, além de primeiríssima dama do país foi: caricaturista, pintora, cantora e atriz, muitos a consideram a primeira mulher no mundo a fazer caricaturas, publicava na revista Fon Fon, participou da Semana de Arte Moderna em 1922. Nair de Tefé morreu em 10-06 -1981, era o dia do seu aniversário, tinha noventa e cinco anos.
Lembrei dessa história quando ontem pela noite fui ao instituto Geográfico Histórico de Brasília com a Renata Madureira, era posse na Academia de Letras e Música da escritora Custódia Wolney, ao término da cerimônia, o Quarteto de Cordas de Brasília tocou o “Corta Jaca”, música que tem uma história belíssima, iniciou uma revolução cultural no país. Quando a primeira dama pegou seu violão e a executou, talvez não soubesse que ali se abria portas para que todo um universo cultural fosse reconhecido, coincidentemente hoje é aniversário de vida e morte da Nair de Tefé, coincidência... Feliz aniversário primeira dama e obrigado, porque todos como eu hoje podem corta jacas em paz.
Fonte de pesquisa: O Santo Sujo: A vida de Jayme Ovalle: Humberto Werneck
http:// livrosdeedineysantana.blogspot.com.br/



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…