Pular para o conteúdo principal

Nair de Tefé

Nair de Tefé

Em 1907 o então ministro da guerra e futuro presidente do Brasil Hermes da Fonseca proibiu as bandas militares de tocarem o maxixe, gênero musical genuinamente brasileiro e o por isso mesmo não bem vindo nos salões da burguesia, aquele momento embebida de cultura francesa. O motivo da proibição? Além do preconceito com a cultura popular? Hermes convidou o embaixador alemão Franz Von Reichenau para assistir uma apresentação militar, ao término da apresentação o embaixador pediu para a banda militar tocar “Vem cá Mulata” de Arquimedes de Oliveira, a banda tocou, era impossível recusar um pedido de tão ilustre senhor, mas o maxixe ritmo das ruas, da poeira e suor das ruas, boêmio e cheirando a noitadas foi banido do repertório musical dos militares.
26 de outubro de 1914, festa no palácio do Catete, Hermes da Fonseca, agora presidente, casado com Nair de Tefé, recebia a nata da sociedade militar e civil da república, a primeira dama pega o violão e toca o “Corta Jaca”, maxixe de autoria de Chiquinha Gonzaga, composta em 1897, foi um escândalo a primeira dama ficou falada e mal afamada, a sociedade que se fantasiava de francesa se sentiu ofendia. Como primeira dama que além de tocar violão ainda por cima executara uma canção que lembrava o cheiro de suor e bebida dos cabarés da cidade?
Rui Barbosa, ele mesmo em pessoa e língua ferina, que na juventude ao lado de Castro Alves fez parte de campanhas pela abolição, atacou a primeira dama da tribuna do senado, disparou:
“A mais baixa, a mais chula, a mais grosseira de todas as danças selvagens, a irmã gêmea do batuque, do cateretê e do samba. Mas nas recepções presidenciais o "Corta-jaca" é executado com todas as honras da música de Wagner, e não se quer que a consciência deste país se revolte que as nossas faces se enrubesçam e que a mocidade se ria!
Nossa primeira Dama, Nair de Tefé foi uma mulher fascinante, fez muitos saraus no palácio do Catete, levou o violão para junto das orquestras, incentivou artistas populares. Naquela noite em que tocou ao violão o “Corta Jacá” estava acompanhada por dois jovens músicos que se tornariam estrelas da nossa música: Jayame Ovalle e Sátiro Bilhar, o primeiro parceiro musical de Villa- Lobos e Manuel Bandeira, o segundo, tido por todos que ouviram tocar como o melhor violonista do seu tempo.
Nair de Tefé, além de primeiríssima dama do país foi: caricaturista, pintora, cantora e atriz, muitos a consideram a primeira mulher no mundo a fazer caricaturas, publicava na revista Fon Fon, participou da Semana de Arte Moderna em 1922. Nair de Tefé morreu em 10-06 -1981, era o dia do seu aniversário, tinha noventa e cinco anos.
Lembrei dessa história quando ontem pela noite fui ao instituto Geográfico Histórico de Brasília com a Renata Madureira, era posse na Academia de Letras e Música da escritora Custódia Wolney, ao término da cerimônia, o Quarteto de Cordas de Brasília tocou o “Corta Jaca”, música que tem uma história belíssima, iniciou uma revolução cultural no país. Quando a primeira dama pegou seu violão e a executou, talvez não soubesse que ali se abria portas para que todo um universo cultural fosse reconhecido, coincidentemente hoje é aniversário de vida e morte da Nair de Tefé, coincidência... Feliz aniversário primeira dama e obrigado, porque todos como eu hoje podem corta jacas em paz.
Fonte de pesquisa: O Santo Sujo: A vida de Jayme Ovalle: Humberto Werneck
http:// livrosdeedineysantana.blogspot.com.br/



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…