Pular para o conteúdo principal

O fim do mito da democracia racial

Katherine Dunham
Katherine Dunham, era uma mulher linda, beleza singular. Bailarina e pesquisadora de danças de origens africanas, veio ao Brasil com sua companhia a “Katherine Dunham Company”, era o ano de 1950, ao tentar se hospedar em um hotel na cidade de São Paulo foi impedida, o motivo? O hotel não aceitava pessoas negras, no Brasil o caso passou quase despercebido, mas nos Estados Unidos teve grande repercussão, como disse, no Brasil passou quase despercebido, se não fosse por um deputado da UDN, partido governista: Afonso Arinos de Melo Franco.
Em julho de 1951 o Congresso Nacional aprovou a lei 1.390, a lei de autoria de Afonso Arinos transformava em contravenção penal qualquer ato de preconceito de raça ou cor, foi a primeira lei de enfrentamento ao racismo no país, não só isso, com ela pela primeira vez o Estado entendia que a ideia de democracia racial no Brasil era um mito, já que  precisava-se de leis para coibir o racismo e preconceito.
Em 1988 a lei Afonso Arinos foi ampliada e modificada por uma proposta deputado Carlos Alberto Oliveira, (Caó) a lei 7.716 mudou de contravenção para crime com pena de até cinco anos de prisão qualquer descriminação por raça e cor. O então deputado Paulo Paim (hoje senador) ampliou mais uma vez a lei, agora também é crime xingamentos e ofensas baseadas na cor da pele.
São Paulo 12 de junho de 2014, abertura da Copa do Mundo, torcedores xingam a presidente Dilma Rousseff. Acuada, sua fisionomia vai da vergonha ao medo, ali o Estado poderoso que ela representa nada pôde fazer, o esquema de segurança planejado durante meses para coibir e intimidar manifestações durante a Copa nada pôde fazer. A cena é lamentável, nem ela nem pessoa alguma merecem aquilo, não por ser a presidente, mas por ser pessoa, gente, nenhum ser vivo merece ser tripudiado, humilhado por outro.  
Nas redes sociais a reação dos partidários da presidente poderia ser enquadrada na lei contra o racismo, a lei não é exclusiva para proteção dos negros, a lei protege qualquer pessoa que se sinta ameaçada ou constrangida por sua cor ou raça. O fato acontecido no estádio de futebol foi transformado por militantes da demente esquerda brasileira em uma disputa de classes que tem como base o poder econômico e a cor das pessoas.
Afonso Arinos de Melo Franco
“Elite branca”, “Burguesia branca”, “branquelos ricos”. A presidente Dilma disse: “O povo não reage assim, é civilizado e extremamente generoso e educado”, quer dizer que se eu erguer-me da minha pobreza, deixo de ser povo, passo a classe média não serei mais educado e generoso? A presidente Dilma ainda completou que atitudes como as dos torcedores no estádio “não era coisa de brasileiros”, essas frases da presidente foi muito mais grave que os xingamentos, a presidente da república, mesmo que simbolicamente retirou a cidadania de milhares de brasileiros, ela enquanto presidente não pode separar o país em classes, longe disso, deve se emprenhar para termos uma nação igualitária nas oportunidades sociais e assegurar a diversidade de opiniões.
Quando me lembro do caso da Katherine Dunham me lembro de Dilma sendo xingada, quando encontro na história importantes parlamentares como Afonso Arinos, Carlos Alberto Oliveira e Paulo Paim que nunca quiseram alargar o abismo racial ou de classe no Brasil e comparo com essa tentativa cretina e canalha de políticos e sociólogos bravateiros que deviam olhar a nação como uma só em todas suas contradições e não quere dividi-la politicamente em luta de classes ou racialmente visando tão somente manter o poder que eles têm e perpetuar a ideia de que eles se importam com o povo sinto um imenso nojo.
O senhor Leonardo Boff escreveu um triste artigo, aliás, como sempre o faz, intitulado: “Quem envergonhou o Brasil aqui e lá fora?” Eu respondo: envergonha o Brasil aqui e lá fora é nossa educação ser um das piores do mundo, envergonha o Brasil aqui e lá fora essa tentativa quixotesca de romancear a vida do povo pobre desse país como se vivêssemos no paraíso em que o caminho a verdade e a vida é esse governo de nababos, todos classe média alta e que não teriam a vida que tem se não fossem políticos, envergonha o Brasil aqui e lá fora o nordeste ser a região mais violenta e miserável do Brasil e o próprio governo investir mais em regiões mais ricas que aqui , envergonha o Brasil aqui e lá fora todos fins de semana mais de trinta jovens serem assassinados na Bahia e a polícia só resolver 05% dos casos de crimes, envergonha o Brasil aqui e la fora a privatização do ensino público superior , nossa educação entregue a grandes empresas vendedoras diploma, criando uma geração de analfabetos com curso superior, envergonha o Brasil aqui e lá fora que milhares de pobres sejam barrados não só em porta de hotéis, mas dos hospitais públicos infectos, desesperados na fila do desemprego, envergonha o Brasil a cumplicidade de intelectuais e artistas brasileiros com essa onda de crimes contra o patrimônio públicos, envergonha o Brasil aqui e lá fora o que um bando de canalhas orientados por psicopatas ligados a partidos políticos fizeram com a Yoani Sánchez em sua visita ao Brasil em que foi xingada, agredida e impedida de falar, um ser humano tanto quanto a Dilma, me envergonha a ideia de que se xingar uma mulher ou tentar agredi-la em defesa de um país estrangeiro seja perfeitamente aceitável, mas se xingar a presidente Dilma é coisa de meio brasileiros, estropiados de cidadania.






Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…