Pular para o conteúdo principal

A vitória de amar a si mesmo

Às vezes é preciso descer ao inferno para ascendermos ao paraíso, de nada adiante saí por aí gritando nossas dores, o mundo corre na velocidade da indiferença, ter consciência do que se vive no momento é o melhor caminho para ascender esse paraíso que almejamos, dor é algo individual, melhor poupar energia e ter consigo aquela alegria de reagir. Em “Há tempos”, canção gravada pela Legião Urbana, Renato Russo canta:

Dissestes que se tua voz
Tivesse força igual
À imensa dor que sentes
Teu grito acordaria
Não só a tua casa
Mas a vizinhança inteira


Nosso grito por mais que seja forte será sempre insuficiente para acordar a vizinhança, a dor é forte, diante da dor a voz se cala e ou ouvidos ficam surdos. Buscar abrigo em coração alheio nem sempre é o melhor caminho, às vezes lamber as próprias feridas é melhor que esperar por um abraço que nunca vem.
Popeye, o marinheiro, canta uma música que diz: “eu sou o que sou e isso é tudo que sou”. Simples versos para nos dizer que nos aceitarmos diante as dificuldades que a vida nos impõe é o primeiro e mais importante passo para que possa chegar a algum lugar.
Por mais paradoxal que posso parecer, para sermos felizes, ao menos para mim, é preciso perder a fé em outras pessoas, é preciso não ter com outro nenhuma relação de dependência, porque vivemos em um mundo em que tudo é baseado em trocas, quem é sensível, em um mundo como o nosso, vai sentir com mais drama as coisas que se perde pelo caminho, e o algo mais importante que se pode perder é a confiança em si.
Perder a fé em outra pessoa não é nos tornarmos moradores da ilha da desconfiança, longe disso, é tão somente entendermos que ninguém vai ter conosco uma relação permanente de solidariedade ou fraternidade, é preciso ter coração para entender que no fundo estamos sós.
Amor, generosidade, solidariedade, compaixão, justiça e fraternidade são palavras que desde sempre eu cultivei em meu coração, tento me esforçar na prática para vivenciá-las, mas não posso esperar que as encontre pelo meu caminho, ter noção exata das asperezas da vida me fortalece o coração, eu sei onde estou e não me auto-enganando consigo suportar com dignidade minha passagem pela vida.
* Para Robin Williams, que ontem disse a deus a si mesmo e que me fez sonhar muitas vezes, especialmente em “Sociedade dos Poetas Mortos”.

 




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…