Pular para o conteúdo principal

Aventura poética no sertão

Augusto dos Anjos nasceu no interior da Paraíba (Engenho Pau d'Arco, Paraíba, no dia 20 de abril de 1884) e de lá só saiu para trabalhar em Leopoldina- MG, cidade na qual morreu pouco tempo depois de se mudar para lá, faleceu em 1914 de tuberculose. A obra de Augusto dos Anjos é única, autor de uma poética destoante de todos os poetas do seu tempo e dos que vieram depois, Augusto levou para seus versos o horror da morte e suas imagens de podridão e ruína, o bizarro e insólito, a agonia da solidão crivada de imagens desconcertantes, um profundo sentido da vida e seu fim inadiável, o encontro do belo com o podre, a esperança carcomida e a passageira condição de tolos viventes, tudo isso em poemas apaixonados que encantam, seduzem e assustam.
Augusto dos Anjos só publicou um livro, livro que também encerra sua produção poética, acrescido de alguns poucos poemas os quais o poeta excluiu da primeira edição do livro.  “Eu” foi publicado em 1912, dois anos antes da morte do poeta, traz toda carga poética de Augusto dos Anjos, a publicação do livro só foi possível porque o poeta contou com a ajuda do seu irmão e até então maior incentivador. Claro que livro como “Eu” não seria bem vindo e naquele momento passou quase que despercebido, a consagração do poeta veio depois da sua morte, lentamente, mas o consagrou como um dos mais originais poetas do país.
É difícil situar Augusto dos Anjos em uma escola literária, em termos de geração faz parte do pré-modernismo, poeticamente às vezes é colocado no simbolismo outras no parnasianismo. Fato que sua poesia é única e não se encaixa em padrão estético algum, seu padrão estético é a visão angustiada e de como enxergava a vida.
Augusto dos Anjos é a expoente máximo de quem não se curva as circunstância, convicto e senhor da sua poética não se permitiu ao discurso fácil, obcecado pela morte fez dela sua musa e por ela criou um sistema filosófico poético personalíssimo. A força dos versos, o dizer sem medo, o escrever sem esperar por leitores, Augusto dos Anjos se fez imortal pela força dos seus versos  e para os que vieram depois deixou um legado que une arte, criatividade e coragem para viver e dizer intensamente quem se é.
Aqui recito poema de Augusto dos Anjos: https://www.youtube.com/watch?v=SeiDFw_d-ZE
http://edineysantana2.blogspot.com
 http://livrosdeedineysantana.blogspot.com.br/


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…