Pular para o conteúdo principal

Classificados

Os classificados dos jornais tem alguma coisa de desespero. Há mais procura que oferta, há muitas pessoas que só compram o jornal por causa dos classificados. Há algumas ofertas de emprego, bem poucas, se vende de tudo: carros, casas, apartamentos, sexo, aulas particulares, remédio, fórmulas mágicas para perder peso e aumentar o pênis e há o obituário, esse só funciona, creio, em cidades grandes, nas pequenas os passamentos são anunciados no boca a boca ou em carros de som. De alguma maneira os classificados são um grande retalho de falsas esperanças, mas há certo índice de coisas que dão certo, para segurança do negócio, alguém tem que contar uma história de felicidade.
Na parte do emprego, notam-se algumas insanidades: “procura-se motorista, inglês fluente, carro próprio, morar no emprego, vencimentos R$ 900, OO por mês”, “ precisa-se cuidadosa de idosos, curso universitário em enfermagem, dormir no emprego, uma folga por mês, salário: R$ 1, 200 por mês” , “precisa-se de babá, antecedentes criminais, carta de apresentação dos últimos dez empregos, “ balconista de farmácia, formado em farmácia, experiencia de cinco anos, quarenta horas semanais, vencimento R$ 1000,00 por mês”.
Lembro de um programa de Silvio Santos, “ A porta da esperança” em que pessoas escreviam cartas contando dos seus desesperos e necessidade urgente de ter algo, então poderia ser escolhida para ir ao programa e abrir a porta da esperança, com um pouco de sorte voltava para casa com o que desejava. Os classificados nos jornais são igualzinho à velha porta da esperança do Silvio, alguém compra o jornal, se enche de esperança que vai conseguir emprego, mas apenas gastou seus R$ 2,00 reias que bem poderia comprar um suco com um salgado no meio da rua.
O desemprego e violência talvez sejam os maiores dramas dos brasileiros, são nossas correntes no atraso, sem emprego, sem segurança não há como caminhar tranquilo, a insegurança nos humilha na nossa cidadania,o desemprego nos rouba a cidadania. Nesta eleição presidencial nenhum dos candidatos têm propostas objetivas para combater com vigor o ao aumento do desemprego e a violência que zomba de nós e emprenha o sistema jurídico de filhos que já nascem, como diz uma música de Josane Peer, abortados.
A questão é que classificados são os últimos recursos dos donos de empresa, só colocam anuncio quando meios mais seguros de contratar alguém falham, exemplo, quando não conseguem indicações, porque o grande RH hoje é o dedo que indica, patrões se sentem seguros quando alguém indica para eles seus futuros funcionários, classificados são um loteria para eles e para desempregados.
Como o paciente terminal, o desempregado se apega ao último recurso, comprar o jornal e esperar que alguém ligue, chame ao menos para uma entrevista. Na parte de oferecimento de mão de obra podemos encontrar desde pessoas que poucos estudaram até doutores. Andando pelas ruas e noto que  três tipos de comércio  proliferam: igrejas que vendem solução para tudo, inclusive para o desemprego, bares e cursinhos que prometem aprovar qualquer um em um concurso público.
O capital se nutre das suas próprias mazelas, o desempregado por algum tempo gera lucro para quem lhe vende ilusões, mesmo quando ele não entra em igrejas, bares ou cursinhos .Seja até catando coisas para vende na “ reciclagem” alguém vai lucrar com ele e se morrer de frio em uma calçada, a fábrica de caixão vai lucrar com ele. Nosso mundo é esse, por mais que se desça no lixo da vida nunca se deixa de gerar lucro para alguém.
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com.br/            


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…