Pular para o conteúdo principal

O Brasil chatíssimo

Tenho a impressão que em nenhuma outra época o Brasil foi mais chato que agora. Assistimos um desfile mórbido de delinquência política, religiosa, cultural e de fajuto patriotismo. O país poderia hoje ser próximo de outros países como China e até mesmo Estados Unidos, próximo em qualidade de vida e presença positiva do Estado no dia dia de todos, mas o que presenciamos é uma horda criminosa arrastando o país para as profundezas do subdesenvolvimento, porque sabem que só com o país mergulhado na lama é que suas ladainhas sonolentas surtem efeito em gente que tem cérebro, mas se comporta como minhocas.
O Brasil tornou-se uma grande república de suspeições, ódio, rancor e aceitação do banditismo como caminho mais curto para se chegar a algum lugar. Homens e mulheres com o coração cheio de prepotência e arrogância, perversos e mesquinhos, de ética e moral duvidosas apontam seus dedos sujos para condenar todo aquele que não se ajoelham para suas mais promíscuas pregações de pânico e medo, o dinheiro mais que em qualquer outra época se tornou: o caminho, a verdade e a vida. Inventam-se crimes para condenar inocentes, mas se carrega nas costas quem tem as mãos sujas de sangue. Dinheiro para muita gente não tem história, seja de onde vier é bem aceito e em nome dele se faz qualquer coisa.
A autoridade moral não vem da ética e de uma vida de acordo com ela, a nova ordem moral vem da força e da grana de quem a representa, não por acaso temos a impressão que somos guiados e governados pelos herdeiros dos mais notáveis facínoras.
O Brasil carece de inteligência solidária. Inteligência solidária é aquela que trabalha não só para si, aquela que nunca se coloca a cima de pessoa alguma e entende que pode contribuir para o bem comum do país. Inteligência solidária é o Pastor que mesmo vivendo e professando sua fé entende e respeita o direito o outro ter uma fé diferente da sua, por isso mesmo encarna o melhor da fé cristã que é o amor ao próximo e só ama quem respeita, inteligência solidária é o professor que passa a vida estudando, mas sua especialização, mestrado ou doutorado não coloca asas nos seus pés, pelo contrário, usa o que aprendeu para fazer ao próximo o bem que é possível ser feito, inteligência solidária é o Pai de Santo que usa seu Terreiro como uma escola comunitária, que constrói com seu suor uma biblioteca, um centro de informática e ajuda a transformar a vida de tantas pessoas independente da religião que elas tenham, inteligência solidária é o sindicalista que não usa o sindicato para professar suas crenças partidárias e que dedica sua vida pela melhora das condições de trabalho de tantas outras pessoas, inteligência solidária é o bom policial que entende que não é seu dever julgar ou condenar pessoa alguma, acredita na força do seu trabalho e por ele vive intensamente as alegria e dores de uma das profissões mais difíceis da humanidade.
Inteligência solidaria é um vereador ou deputado que não troca seu mandato por migalhas criminosas do poder e grana, que se recusa a condenar milhares de pessoas à morte quando seus pares deixam de trabalhar para a população e trabalham para esquemas degenerativos da sociedade.
Inteligência solidária é não abandonar o país que lhe deu tudo, seja o que esse tudo represente e de longe torna-se crítico da vida aqui, inteligência solidária é saber que todas essas discussões sobre raça, gênero, religião e política que ocupa a pauta das imprensa não quer bem de pessoa alguma, não quer fortalecer nossa lado bom, pelo contrário todos ( por mais antagônicos que pareçam) estão do mesmo lado, querem a mesma coisa: o poder. Por isso suas discussões são sempre abstratas e preconceituosas, no fim continuamos com nossas dores: negros são humilhados e perseguidos, mulheres continuam sendo assassinadas em massa no país, a intolerância religiosa cresce e nos assusta com sua carga de incivilidade, gays são perseguidos e mortos, nordestinos continuam sendo tratados pelo restante do país com sub-raça e tudo isso fica muito mais dramático se vier acompanhado com a carga da pobreza, porque agora além de pobres nos diplomamos para trabalhar na informalidade e morrer na formalidade de um Estado assassino. Enquanto isso supostos lideres militantes fazem seminários que estão mais para convenções partidárias nas quais se escolhe quem tem o discurso mais carregado de ódio e prepotência.
Pior que ter um líder é ter um líder que combate o fogo jogando gasolina e discursa dizendo que está jogando água, mas estamos lendo, está lá bem escrito no galão: gasolina.
Mesmo com essa chatice toda, temos um aliado ao nosso favor: a história, a história existe para nos lembrar de que tudo passa, eu passarei e os chatos de hoje também, só devemos ter cuidado com algo: ao passar quase ou nada ficará do que fui, faço parte da maioria da humanidade que nasceu apenas para compor a paisagem, o problema é que alguns chatos conseguem muitas vezes ser tornaram referência e quando se vão deixam discípulos, as novas gerações deste país não merecem herdar um país tão chato, antecipadamente peço desculpas para elas, fiz a minha parte, mas sou menor que um grão de areia... O Tempo nos liberta.



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…