Pular para o conteúdo principal

Educar para ser pedra

A educação pública agoniza na pedagogia da ignorância, a particular educa para pedra. A educação pública pode ser o túmulo do conhecimento, a particular o túmulo da leveza, gentileza e solidariedade, a educação pública nos surpreende quando um aluno com mãos e pés amarrados consegue ir além da previsível sina que foi traçada politicamente para ele, a educação particular às vezes também nos surpreende quando encontramos pessoas que não tem o coração pedra, são professores que sabem a importância de uma educação em que não se cultiva o desencanto humano, negam a educação classista, excludente, a educação pública é incerteza, a particular certeza, a educação pública é a promessa de que um dia as coisas serão diferentes, a particular é um condômino com os ouvidos fechados para o mundo, a educação pública financia a particular para ser o que é: excludente.
Se a educação pública é a carência de conhecimento a particular é a carência do respeito à diversidade social, educação para separação, para se erguer muros, é a que realça diferenças e que se desconhece como parte de um país e cria dentro dos seus muros uma ideia sinistra de um país irreal.
A educação pública é pensada por quem estudou na educação particular, apontam soluções para ela, mas nunca lhe dão a dignidade que merece, a educação pública é cara, mas quase tudo que se destina para ela vai para o setor privado, é a doença pedagógica financiando o shopping center que é a educação particular.
A educação particular educa para formar vencedores sem levar em conta o princípio ético da solidariedade, a educação pública educa para “o salve-se quem puder”, a educação particular é a ilusão de que se é possível ser feliz sozinho, de que se eu “tenho” foda-se quem não tem.
A educação pública é a que reza, que espera por Deus, a quem acredita em santos, a educação particular é amiga do ministro, do delegado, do dono do clube social, a educação pública bebe cerveja, toma cachaça barata, a educação particular bebe uísque e é indiferente aos que são fuzilados pela miséria.
A educação pública é o professor  que leva porrada do seu aluno, o professor que é roubado pelo governo, o professor camisa gola polo, a educação particular é a doutor causa alguma, a indecência que são as seleções para curso de pós graduação fincados com dinheiro público.
A educação particular é estúpida, indiferente, cretina, sistemática, a educação pública apenas olha a vida passar, a particular passa na TV, cria modas, faz a educação pública ficar com vergonha de quem se é e alisar e pintar os cabelos.
A educação particular é o poder, a pública é a que vota no poder, a educação particular é a que dita normas, a pública é a que cegamente obedece.
Educa-se para pedra, seja escola particular ou pública, uma envenena relações sociais com  frieza e pré-conceitos, a outra é o sal nos olhos de milhões de pessoas. Se a particular consegue que um indivíduo tecnicamente seja formado a outra falha na formação mínima dos seus estudantes, mas há outra cruel falência que é educar para dureza, frieza ou falta de perspectiva social.
Unidas pela tragédia educação pública e particular dão dois grandes exemplos de um povo que teima e negar-se com nação, um povo que não aprende com a dor, tão pouco com a alegria solidaria de ser uma nação.
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com.br/


                

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…