Pular para o conteúdo principal

Ideb (Verdade inconveniente)

Enquanto se discute a importância dos evangélicos na campanha presidencial, enquanto se discute se a Marina Silva ou os outros candidatos presidenciáveis são a favor ou não do  casamento gay, você que é evangélico pobre ou é gay pobre e dependem do ensino público devem fica bem atentos, tenha certeza que nem pastor que cultiva mais o ódio que o amor, tão pouco deputado falastrão defendem você. O governo divulgou a contragosto o Ideb, índice de Desenvolvimento da Educação Básica, referente ao ensino médio. O Ideb segue uma escala que vai de 0 a 10 pontos, o nosso ensino médio não passou dos 3,7 pontos, ou seja, foi reprovado.
Em um sistema de administração pública que se respeito o ministro e todos os secretários estaduais de educação seriam exonerados, mas aqui serão condecorados e no futuro talvez sejam nomes de ruas e de escolas, a mediocridade tem prerrogativa quando alguns se sentem africanos, outros europeus ou estadunidenses e poucos brasileiros.
Nada que esteja ruim que não possa ficar pior, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) aponta em pesquisa feita por ele que um em cada dez estudantes do ensino médio deixam de estudar antes que o ano letivo termine. A escola sem atrativo, cansativa, repetitiva e falta de perspectiva em relação ao próprio ensino médio fez dele a antítese da educação.Quando cursei o ensino médio fiz o curso de química, na colégio ainda existia contabilidade, administração e magistério, agora o ensino médio aponta para coisa alguma, uma formação geral que forma para o nada.
Essa tragédia política- pedagógica do ensino médio torna-se mais dramática quando sabemos que uma geração inteira entre 15 e 29 anos simplesmente abandonou a escola, o país nesta perspectiva caminha para um colapso em curto prazo de todo sistema público de ensino que vai se refletir na sociedade. O governo que deveria reagir com medidas objetivas e bem articuladas para reformular o ensino médio prefere (tem o apoio político de movimentos sociais) agir com paliativos como cotas ou programas como Ciências sem Fronteiras que privilegia um número irrisórios de estudantes, mas que serve muito bem para propaganda política governamental.
O Censo Escola do ano de 2013 mostra que 21,5% dos professores que atuam do 6º ao 9º ano não têm curso superior e 34,4% do que estão em sala de aula não tem licenciatura. A escola pública foi politicamente esvaziada do seu sentido. A universidade que forma os professores é avessa às questões práticas, se debruça em muitas teses e discursos e é incapaz de formar bem o professor. Quando fiz minha licenciatura tive que estudar cinco semestres de linguística, uma disciplina distante da realidade do ensino fundamental ou médio, quando todo esse tempo deveria ter estudado disciplinas voltadas para sala de aula, como gramática normativa, produção textual, literatura ou estratégias didáticas de ensino aprendizado e não ficar horas ouvindo professores falando das suas teses e congressos que na minha realidade não faz sentido algum.  
Enquanto tudo isso acontece o governo federal investiu em propaganda em 2013 R$ 2,3 bilhões de reais e tem reservado só para este ano mais R$ 201 milhões (fonte Correio Brasilense 07 de setembro 2014). O governo faz educação com propaganda, deixa milhões de estudantes no mais total obscurantismo pedagógicos, joga no limbo da profissão milhares de professores e professoras e nos encontramos perplexo diante uma situação que em curto prazo não parece ter solução
No site do Ministério da Defesa podemos encontrar  o orçamento das forças armadas, R$ 115,8 bilhões de reais, isso mesmo, esses orçamento só é menor no nosso continente que o orçamento para defesa dos Estados Unidos, que é o maior do mundo. $ 115,8 bilhões de reais para as forças armadas, 2,3 bilhões de reais gostos em propaganda. Parodiando Caetano Veloso, o que pode e o que quer este país?
http:// http://livrosdeedineysantana.blogspot.com/

  


                                                                                                         

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…