Pular para o conteúdo principal

Ideb (Verdade inconveniente)

Enquanto se discute a importância dos evangélicos na campanha presidencial, enquanto se discute se a Marina Silva ou os outros candidatos presidenciáveis são a favor ou não do  casamento gay, você que é evangélico pobre ou é gay pobre e dependem do ensino público devem fica bem atentos, tenha certeza que nem pastor que cultiva mais o ódio que o amor, tão pouco deputado falastrão defendem você. O governo divulgou a contragosto o Ideb, índice de Desenvolvimento da Educação Básica, referente ao ensino médio. O Ideb segue uma escala que vai de 0 a 10 pontos, o nosso ensino médio não passou dos 3,7 pontos, ou seja, foi reprovado.
Em um sistema de administração pública que se respeito o ministro e todos os secretários estaduais de educação seriam exonerados, mas aqui serão condecorados e no futuro talvez sejam nomes de ruas e de escolas, a mediocridade tem prerrogativa quando alguns se sentem africanos, outros europeus ou estadunidenses e poucos brasileiros.
Nada que esteja ruim que não possa ficar pior, o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) aponta em pesquisa feita por ele que um em cada dez estudantes do ensino médio deixam de estudar antes que o ano letivo termine. A escola sem atrativo, cansativa, repetitiva e falta de perspectiva em relação ao próprio ensino médio fez dele a antítese da educação.Quando cursei o ensino médio fiz o curso de química, na colégio ainda existia contabilidade, administração e magistério, agora o ensino médio aponta para coisa alguma, uma formação geral que forma para o nada.
Essa tragédia política- pedagógica do ensino médio torna-se mais dramática quando sabemos que uma geração inteira entre 15 e 29 anos simplesmente abandonou a escola, o país nesta perspectiva caminha para um colapso em curto prazo de todo sistema público de ensino que vai se refletir na sociedade. O governo que deveria reagir com medidas objetivas e bem articuladas para reformular o ensino médio prefere (tem o apoio político de movimentos sociais) agir com paliativos como cotas ou programas como Ciências sem Fronteiras que privilegia um número irrisórios de estudantes, mas que serve muito bem para propaganda política governamental.
O Censo Escola do ano de 2013 mostra que 21,5% dos professores que atuam do 6º ao 9º ano não têm curso superior e 34,4% do que estão em sala de aula não tem licenciatura. A escola pública foi politicamente esvaziada do seu sentido. A universidade que forma os professores é avessa às questões práticas, se debruça em muitas teses e discursos e é incapaz de formar bem o professor. Quando fiz minha licenciatura tive que estudar cinco semestres de linguística, uma disciplina distante da realidade do ensino fundamental ou médio, quando todo esse tempo deveria ter estudado disciplinas voltadas para sala de aula, como gramática normativa, produção textual, literatura ou estratégias didáticas de ensino aprendizado e não ficar horas ouvindo professores falando das suas teses e congressos que na minha realidade não faz sentido algum.  
Enquanto tudo isso acontece o governo federal investiu em propaganda em 2013 R$ 2,3 bilhões de reais e tem reservado só para este ano mais R$ 201 milhões (fonte Correio Brasilense 07 de setembro 2014). O governo faz educação com propaganda, deixa milhões de estudantes no mais total obscurantismo pedagógicos, joga no limbo da profissão milhares de professores e professoras e nos encontramos perplexo diante uma situação que em curto prazo não parece ter solução
No site do Ministério da Defesa podemos encontrar  o orçamento das forças armadas, R$ 115,8 bilhões de reais, isso mesmo, esses orçamento só é menor no nosso continente que o orçamento para defesa dos Estados Unidos, que é o maior do mundo. $ 115,8 bilhões de reais para as forças armadas, 2,3 bilhões de reais gostos em propaganda. Parodiando Caetano Veloso, o que pode e o que quer este país?
http:// http://livrosdeedineysantana.blogspot.com/

  


                                                                                                         

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…