Pular para o conteúdo principal

O Brasil fora da pauta

Por que às vezes somos tão cordiais e benevolentes com uns e impiedosos com outros? Por que se acredita que fazer parte de um partido ou religião determina o caráter de alguém?  A campanha política deste ano traz algumas respostas para isso tudo. A primeira é que a história e o conhecimento dela são os maiores inimigos para quem não admite um mundo de contradições, para quem quer que sua verdade ou do seu grupo seja a verdade histórica, por isso diminuir a importância ou manipular fatos históricos é princípio básico para quem deseja se eternizar como protagonista único da sociedade.
A segunda coisa, é que é preciso demonizar qualquer grupo que não faça parte de um projeto de poder, sendo assim, todos que não estão vestidos com a mesma cor não faz parte desse “novo mundo”, novo mundo sem autocrítica, novo mundo no qual é cortada politicamente da educação, em especial pública, a capacidade de reflexão não só de alunos, mas de professores. Passa-se a investir no fragmento da informação, cria-se “autoridades” em todos os assuntos, são esses deuses do conhecimento que vão mastigar e vomitar verdades desse novo mundo.
Um fato curioso é da candidata Marina Silva, quando era parte de um partido político que busca a hegemonia política a todo e qualquer preço, ela era sempre apresentada como um expoente do partido, como uma mulher “guerreira” e defensora do meio ambiente, ao deixar o partido e mais que isso ao ameaçar o projeto de poder desse partido, ela passa a ser ridicularizada, caricaturada e mostrada exaustivamente como um demente sem condições de governar.
Ao desenhar uma Marina Silva desconexa da realidade membros do partido ou simpatizantes poderosos e influentes mostram rachaduras de caráter e ética. Até bem pouco tempo diziam que a Marina era um exemplo positivo, agora dizem que ela é um “aberração” política. A questão central não é discutir o país, nada disso, são duas as questões, uma é a manutenção do partido no comando e a outra é o poder e oportunidades individuais que essas pessoas tem junto ao centro do poder.
Neste momento em que caráter e ética são individuais e apontam para peças que podem ser mudadas de lugar apenas para sustentar a configuração ideológica que quer se perpetuar no poder, penso que todo cuidado é pouco ao mitificarmos pessoas, há algo muito além do que o que foi dito, nada é inocente, o Brasil nunca esteve tão fora da pauta.
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com.br/

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…