Pular para o conteúdo principal

“O país da Maria vai com as outras”

A rainha de Portugal Dona Maria I reinou no século XVIII, no começo era conhecida como “A Piedosa”, depois "A Louca”. Ao sair de casa, por conta do seu estado de saúde, era sempre acompanhada por algumas damas, daí nasceu a expressão "Maria vai com as outras”, ou seja, uma pessoa que não consegue mais andar sozinha, guiada e manipulada. Na nossa bandeira nacional, no lugar de “Ordem e progresso”, deveria ser escrito: “esse é o pais da Maria vai com as outras”.
A candidata Marina Silva sempre pontuo nas pesquisas como a única que poderia vencer a presidente  Rousseff, quando Marina tentou registar seu partido não conseguiu, a justiça eleitoral desqualificou algumas assinaturas necessárias para validação do registro, não agiu com a mesa presteza ao registrar outros partidos que segundo a imprensa até falsificaram assinaturas.
Restou a Marina entrar para o PSB e se aliar a Eduardo Campos, uma jogada de mestre que abalou os outros candidatos à presidência, mas Marina não conseguiu transferir seus votos para o Eduardo, com a morte dele ela passa de vice a candidata principal, dispara nas pesquisas, sua vitória e dada como certa no segundo turno até quê:
Entra em cena marqueteiros e começam a criar uma falsa imagem da Marina, para isso eles contaram e contam com a participação de ilustres canalhas das artes, da literatura e da política. A imagem a ser criada é de uma mulher indecisa, radical, ignorante, fundamentalista religiosa, e inimiga de programas sociais.
Os boatos transformados em verdades pelo marketing nazista de seus adversários fez Marina despencar nas pesquisas. O medo e pânico criados pelo nazismo revistado que versa em quase toda política brasileira, não mata em câmara de gás, mas pela ignorância de um IDEB 3,7 fez com outra Marina entrasse em cena, uma Marina fictícia, distante da Marina real.
Sem tempo de tv, sem aliados poderosos, sem ter praticamente nenhum canal direto com a nação, a Marina real encolhe nas pesquisas. É lamentável ligar a Tv e ao assistirmos programas eleitorais ouvirmos tantas mentiras, mentiras vindas de pessoas que se eleitas serão responsáveis pela nossa saúde, segurança e educação.
Esse é o país “Maria vai com as outras”, do povo que acredita em boatos, tão influenciável quanto uma criança de cinco anos, esse é o país que se condena sem julgamento, se vota por migalhas, o país que matem quarenta milhões de brasileiros reféns de um partido e apavorados com o medo de perder seus supostos benefícios.
Disseram que a Marina iria acabar com o Bolsa família, nem ela nem político algum faria isso, seria bom que um dia esse programa acabasse e todos que recebem ele hoje tivessem emprego, educação e principalmente não fossem um povo “Maria vai com as outras”.
 O bolsa família não é o mesmo que escola digna, não é o mesmo que ter atendimento médico, não é o mesmo que olhar para o futuro e não ter medo. Isso sim deveria causar medo em todos nós, olhar para o futuro e saber que somos apenas uma miragem nele.
Um povo “Maria vai com as outras” é tão somete povo, passa longe da cidadania, do interesse coletivo que é que faz uma nação forte. Fico pensando quando sai os resultados de pesquisas e a Marina dia após dia desaba, os marqueteiros filhos bastardos de Joseph Goebbles devem ter orgasmos, dos seus pênis ejaculam: risos carniceiros na cara do povo, violência, ideb 3,7, mulheres de pernas abertas parindo nas calçadas dos hospitais, justiça com as próprias mãos e um frade excomungado abençoando tudo isso. Eles gozam muito, sabem o que é prazer, e principalmente sabem muito bem o quanto um povo “Maria vai com as outras” existe mas não vive.
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com.br/                                            



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…