Pular para o conteúdo principal

“O país da Maria vai com as outras”

A rainha de Portugal Dona Maria I reinou no século XVIII, no começo era conhecida como “A Piedosa”, depois "A Louca”. Ao sair de casa, por conta do seu estado de saúde, era sempre acompanhada por algumas damas, daí nasceu a expressão "Maria vai com as outras”, ou seja, uma pessoa que não consegue mais andar sozinha, guiada e manipulada. Na nossa bandeira nacional, no lugar de “Ordem e progresso”, deveria ser escrito: “esse é o pais da Maria vai com as outras”.
A candidata Marina Silva sempre pontuo nas pesquisas como a única que poderia vencer a presidente  Rousseff, quando Marina tentou registar seu partido não conseguiu, a justiça eleitoral desqualificou algumas assinaturas necessárias para validação do registro, não agiu com a mesa presteza ao registrar outros partidos que segundo a imprensa até falsificaram assinaturas.
Restou a Marina entrar para o PSB e se aliar a Eduardo Campos, uma jogada de mestre que abalou os outros candidatos à presidência, mas Marina não conseguiu transferir seus votos para o Eduardo, com a morte dele ela passa de vice a candidata principal, dispara nas pesquisas, sua vitória e dada como certa no segundo turno até quê:
Entra em cena marqueteiros e começam a criar uma falsa imagem da Marina, para isso eles contaram e contam com a participação de ilustres canalhas das artes, da literatura e da política. A imagem a ser criada é de uma mulher indecisa, radical, ignorante, fundamentalista religiosa, e inimiga de programas sociais.
Os boatos transformados em verdades pelo marketing nazista de seus adversários fez Marina despencar nas pesquisas. O medo e pânico criados pelo nazismo revistado que versa em quase toda política brasileira, não mata em câmara de gás, mas pela ignorância de um IDEB 3,7 fez com outra Marina entrasse em cena, uma Marina fictícia, distante da Marina real.
Sem tempo de tv, sem aliados poderosos, sem ter praticamente nenhum canal direto com a nação, a Marina real encolhe nas pesquisas. É lamentável ligar a Tv e ao assistirmos programas eleitorais ouvirmos tantas mentiras, mentiras vindas de pessoas que se eleitas serão responsáveis pela nossa saúde, segurança e educação.
Esse é o país “Maria vai com as outras”, do povo que acredita em boatos, tão influenciável quanto uma criança de cinco anos, esse é o país que se condena sem julgamento, se vota por migalhas, o país que matem quarenta milhões de brasileiros reféns de um partido e apavorados com o medo de perder seus supostos benefícios.
Disseram que a Marina iria acabar com o Bolsa família, nem ela nem político algum faria isso, seria bom que um dia esse programa acabasse e todos que recebem ele hoje tivessem emprego, educação e principalmente não fossem um povo “Maria vai com as outras”.
 O bolsa família não é o mesmo que escola digna, não é o mesmo que ter atendimento médico, não é o mesmo que olhar para o futuro e não ter medo. Isso sim deveria causar medo em todos nós, olhar para o futuro e saber que somos apenas uma miragem nele.
Um povo “Maria vai com as outras” é tão somete povo, passa longe da cidadania, do interesse coletivo que é que faz uma nação forte. Fico pensando quando sai os resultados de pesquisas e a Marina dia após dia desaba, os marqueteiros filhos bastardos de Joseph Goebbles devem ter orgasmos, dos seus pênis ejaculam: risos carniceiros na cara do povo, violência, ideb 3,7, mulheres de pernas abertas parindo nas calçadas dos hospitais, justiça com as próprias mãos e um frade excomungado abençoando tudo isso. Eles gozam muito, sabem o que é prazer, e principalmente sabem muito bem o quanto um povo “Maria vai com as outras” existe mas não vive.
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com.br/                                            



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…