Pular para o conteúdo principal

Plantando Orquídeas

Ediney Santana- Foto Renata Madureira 
Nunca fumei, nem nunca achei elegante baforadas ao final da tarde, mas há quem jure que sempre fumei, não só cigarro como maconha também, geralmente sabem mais sobre nós que nós mesmos, é estranho, mas há pessoas com mania de definir os outros, talvez o definidor de vidas alheias acredite que ao sair por aí reduzindo pessoas a própria baixa visão que tem de si a faça poderosa.
João Cabral de Melo Neto escreveu em carta a um amigo: “Gostaria, francamente, que se esquecessem de minha existência como escritor. Isto é, gostaria que a gente de hoje antecipasse o esquecimento que virá para minha poesia dentro de breves anos”. Então ele gostaria de ser lembrado apenas como o João? Mas se foi o poeta que fez o homem maior que sua breve existência? Pelo sim pelo sim também, se a poesia do Melo Neto será esquecida, o que dizer da minha? Se é que eu posso dizer “poesia” do meu assassinato cotidiano da sintaxe, pior da semântica.
Li um artigo sobre a vida do João Cabral, falava que ele não participou de grupinhos literários, isso porque viveu muitos anos longe do Brasil, era embaixador, eu vivo aqui e não participo de grupo algum, pensando bem, sou uma camarada sem geração, sempre tive a impressão que muitos dos meus “amigos” torciam pela minha derrota. O que me mantem de pé é essa força espiritual que não sei de onde vem, solitário como a estrela Dalva, como dragões plantando orquídeas.
Sou meu fato consumado, bebo em doses quiméricas as últimas estações ao fim da rua, não pertencer à geração alguma, editar livros que nunca foram lidos por mais de dez pessoas, me fortalece o amor que tenho por mim, sem ele a vida seria insuportável.
Domingo tem eleição,mais uma vez não votarei, estou fora do meu domicilio eleitoral, se fosse votar votaria no Aécio, mas às vezes tenho pena da Dilma, não me parece uma pessoa feliz, pensando bem, não tenho pena não, a infelicidade dela é por vontade própria, se deixou ser inventada, criaram até um conto de fadas para sua melancólica vida:  heroína romântica pronta para nos defender do “ dragão da maldade”.
Quase todo mundo que eu conheço que vai votar na Dilma, vota por algum interesse pessoal: o irmão tem um cargo, medo de perder algum programa social, medo de ficar sem emprego por contrato na prefeitura, medo de perder os cargos e voltar para sala da aula e ter que encarar os colegas que foram tão pisados.
Há mil motivos para votar na Dilma, só falta um: O Brasil, incrível, como sempre se tem algum interesse, mas o país pouco importa. Brinquei outro dia com um amigo, disse que a coisa tá tão feia que qualquer dia desse vão  tombar o hambúrguer à brasileira, criarão uma associação dos fazedores de hambúrguer, escreveram projetos em editais e ganharam fartas verbas para proteger nossa secreta receita do hambúrguer à brasileira, enfim são muitos os motivos para se votar na Dilma, menos o Brasil, o Brasil não importa, por aqui há os que se acham europeus, africanos, menos brasileiros, cada um leva seu pedaço e o PT está disposto a pagar para ficar ao final com todo o bolo.
Gosto do silêncio do meu apartamento, fico lá pensando na mãe, na filha, irmãos. Às vezes penso o quanto Deus é bom e quanto também é filho da puta, a sensação que tenho é que os filhos da puta terrenos sempre vencem o jogo entre a ética e a estética, para o Brasil vale a estética , mas que a ética.
Amar, amar é o que ao fim importa, seja Dilma ou Aécio, eu amo, continuarei amando, não importa as condições que eu esteja, não sinto falta de um milhão de amigos, sinto fata da caminha quente de casa, de chamar por minha mãe e ela responder, de levar minha filha para comer churros na Purificação, amo tanto e de tanto amar continuarei amando.

                                

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…