A Mediocridade de cada dia

Não se engane: a mediocridade em curto prazo sempre é a excelência vitoriosa. São os medíocres os maestros da nossa sociedade, esteja de que lado for, são todos partes da mesma rede podre que move o país. O medíocre se tem cargo político, pouco importa o governo, ele fará parte, o medíocre não tem nunca uma opinião clara sobre assunto algum, seu habitat natural é em cima do muro, o medíocre é o “gente boa”, é o sorriso sempre “amável” que esconde sua alma cretina, é o dizer sim querendo dizer não, o medíocre tem pavor de ser desmascarado por isso mesmo age em surdina como um cupim, cria intrigas, mente, corrói relações, o medíocre tem o poder de seduzir, faz com que acreditem nas suas mentiras com a mesma facilidade que destrói qualquer pessoa que ele julgue ser uma ameaça ao seu império de sombras e mentiras.
O medíocre se parece muito com amigo, tem sempre algo bom a nos dizer, o conhecemos hoje e temos a impressão de termos com ele uma relação espiritual, o medíocre parece luz, mas é a sombra.O medíocre é o peso do meio, o que não tem sonhos,não  tem utopia.Tudo que ele é se resume no contentamento das migalhas que lhe sobram, se satisfaz com o papel de coadjuvante, de suposto “amigo” do rei, o medíocre não é e nem deseja ser nada além da linha do meio, a que encurta e estica a medida da sua conveniência, o medíocre é o último a morrer, mas o primeiro a pular do barco, o medíocre não tem memória, suas lembranças são rasas, é racional, embora demonstre ter sentimos nobres, gosta de chorar em público, de fazer drama, se mistura com as pessoas sensíveis e sinceras  para nos confundir. 
O medíocre sabe ganhar  confiança, como um cachorro demarca seu território, é prestativo, é o resultado sempre bom de um encontro, sempre concorda, sempre ta disposto a ajudar, o medíocre é ecumênico: tua religião é a religião dele, tua dor é a dor dele, tua alegria é a alegria dele, enquanto em meio a isso tudo ele entender que pode ter algum lucro.
A máscara do medíocre cai quando é pego em contradição, quando suas palavras desabam diante das suas atitudes, quando encurralado sua face verdadeira aparece, quando não consegue mais enganar, mentir,quando ilhado nos seus conflitos parte para a auto-piedade, torna-se maníaco, vitima de perseguição  e por fim se torna agressivo, implode como tudo que é medíocre. A longo prazer vale sim a pena ser o coração sincero, vale a pena fazer de si a utopia para um mundo melhor mesmo cercado de medíocres por todos os lados.


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys