Pular para o conteúdo principal

Janelas do cotidiano

Ediney Santana-Foto Renata Madureira
Pela janela a vida passa, pela janela nós passamos, ao fim só as janelas continuam olhando. Foram as janelas inspiração de Juliano Cazarré para escrever seu livro de poemas “Pelas Janelas”. Da janela de um caixão na qual um morto divaga sobre seu ocaso  as ternas janelinhas de uma criança banguela muita janelas se abrem neste livro, mais que estáticas, ganham vida pela poética do Cazarré.
O cotidiano apresentado em “Da minha janela vejo”, pode ser comovente como nos versos: "A flauta de brinquedo do amolador de facas/ um homem comum com um jornal que verte lágrimas” ou poder ser dramático: "Uma ambulância/ o grosso catarro”, mas não menos lírico em versos como: "um avozinho de bengalas trazendo dois pães pro café / um para si e um para sua senhora”, triste e reflexivo: "Um avozinho de bengala trazendo um pão pro café / para si, apenas.”
De janela em janela o autor vai criando um mosaico cotidiano, às vezes prosaico, como nossa rotina nestas cidades com gente e pouca vida: “não posso me esquecer delas/ das putas de amsterdão/lindas em suas tristes janelas de solidão”. São janelas que sentem, nos provocam não só a  olharmos para a rua, mas para nós mesmos: “São janelas que escondem/ o que acontece dentro da casa/ Janelas, de tão discretas/ Dir-se-iam janelas castas/antíteses das antigas janelas /que eram janelas devassas”.
Janelas que acreditávamos eram da casa de Deus: “menino, por pequena janela/segregava, eu, ao vigário/meus medos e pecadilhos/no seguro do confessionário”, se os olhos de criança tinham fé na instância máxima dos nossos delírios, os olhos adultos se encantavam com as janelas abertas para a natureza dos dias bons:” Manhãs de primavera/ suave é a brisa/ indescritível é a dança de cortinas”, continuamos a olhar por essa janela até que ela nos acaricia a alegria de viver: “manhã de inverno e de vento/ Pássaros extintos/ assobiam cantigas de esquecimento”. Janelas que nos comovem com a delicadeza sóbria dos seus versos.
São também insólitas as janelas desses dias indelicados: “Existe uma janelinha mágica/ De onde o cerrado é mais áspero/ E a caatinga mais cacto / parecem macia relva”. Insólitas porque nos trazem em meio à negação da alegria o prazer de contemplarmos a vida: “a riqueza da alma de qualquer homem vem do que ele vê/ e do que ele imagina”. São janelas que insistem em manterem-se abertas para a descoberta do mundo: “Janelas são coisas/ De que todo homem precisa/Janelas pra dentro e pra fora/ Para dois pontos de vista”.
As janelas vão se abrindo uma a uma nas setenta e cinco páginas do livro lançado pela Dublinense em 2012, uma a uma vamos olhando o mundo e somos também observados pela poesia do Juliano Cazarré, suas janelas poéticas são um convite para nos debruçarmos sobre nossas janelas interiores,afinal: “A janela da poesia/ É de todas a mais aberta/ Impossível fechá-la ou contê-la. É Ampla . É Incompleta / Escancarada , eu diria/ Puta de pernas abertas,Fonte de todo prazer/ E de toda doença venérea”.
PS- Juliano Cazarré é também ator, durante o lançamento do livro no CCBB-Brasília, falei para ele pensar na ideia de fazer um longa contando a vida de Augusto dos Anjos, há em seu livro um poema em homenagem ao Augusto.


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…