Pular para o conteúdo principal

Trágica. 3( a arte do diálogo enquanto só)

Trágica. 3 é um espetáculo para quem se permite dialogar com os mais lascivos e ao mesmo tempo conservadores sentimentos que temos, é o passado fazendo ranhuras em nossas vidas habituadas a tragédias por vezes servidas cruas  e em pequenas doses cotidianas, Trágica.3 nos pega pelo estômago, ou melhor agarra nossas almas e as puxa pelo umbigo, fazendo um novo parto em algum lugar da antiga Grécia em que paixões não rimavam com pecado. Durante os 75 minutos de Trágica.3,podemos ser livres, mergulharmos neste intrigado labirinto que ser gente nos aprisiona e nem sempre  temos a coragem de desafiarmos nossos Minotauros interior.
Três grandes atrizes ladeadas por dois atores (Fernando Alves Pintos e Marcello H) e suas vozes precisas, que entre uma cena e outra nos lembram que estamos todos vivendo em dramática existência, e que é preciso resistir as nossas inquietações mais amargas, vencermos as vozes inimigas que trazemos conosco.
Três atrizes, três peças ligadas pela emoção, espanto e êxtase que causam ao público: Denise Dell Vecchio é Medeia, a atriz arrebata o público por sua voz exata, diz o que deve ser dito de maneira visceral e faz tremer nossas mais sólidas quietudes, nos envolve com o drama de Medeia,  nua em palavras e emoção. Letícia Sabatella abre a peça e nos leva a um encontro dramático com Antígona, ao piano Letícia entoa cânticos tão suaves quantos extremamente sensíveis, sua voz ao cantar é a maestrina em meio à escuridão do teatro, é o que comove e prepara o caminho para que Antífona ressurja atual e tão próxima da gente quanto uma vizinha espedaçada por perdas e angústias. Miwa Yanagizawa nos despe corpo e espírito ao trazer Electra, é sedutora a atuação da atriz, sua expressão facial, seu olhar profundo e intenso, sua voz dosada entre o delicado e o áspero. Ao assistirmos a Electra de Miwa Yanagizawa somos arrebatados para sua apaixonada interpretação de uma mulher que se tem algo de cruel, tem também algo de libertador, catarse e alivio dos pesares da vida.
A direção da peça é de Guilherme Leme, os textos dos autores clássicos, Sófocles e Eurípedes foram adaptados por Heiner Muller (Média), Francisco Carlos (Electra) e Caio de Andrade (Antígona). Três textos difíceis, mas que foram bem recriados pelos autores e bem conduzidos pelas atrizes e atores. Trágica. 3 é uma peça que nos diz o quanto é possível fugir do lugar comum, do riso fácil e apresentar um trabalho denso e comovente. Se o sentido das tragédias e nos purificar, purgar nossos sentimentos mais ásperos, nos confrontar com a beleza e dor, a peça realizar com talento e profissionalismo isso tudo.
Ps-A peça se encontra em cartaz no CCBB-Brasília


                                                                                              


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…