Pular para o conteúdo principal

Meus anjos

Adicionar legenda
Hoje pela manhã estava no ponto de ônibus em Taguatinga-Brasília, lia tranquilamente o jornal quando um pequenino senhor, moreno, voz doce e olhos cheios de ternura me fez um pedido inusitado: pode ler meu signo? Confesso que achei o pedido estranho, nunca alguém me pediu tal coisa e ainda mais no meio da rua, fiquei um pouco assustado, cidades grandes nos deixam assustados com qualquer coisa, até quando alguém diz que nos ama. Li o signo, ele era de Aquário, ao terminar a leitura o senhor exclamou-perguntou: ta ruim!? Disse que o signo estava falando de mudanças,  o que era bom.
Voltei a ler o jornal quando o senhor retirou um papel do bolso, perguntou se eu podia ler o endereço escrito nele, justificou o pedido dizendo que esquecera os óculos, no papel havia o nome de uma linha de ônibus, 355, ao informar isso  me perguntou se eu ia para esse lugar e se fosse quando o ônibus chegasse  avisasse para ele.
Aquele senhor não sabia ler, usou a história do signo e do esquecimento dos óculos por vergonha de dizer diretamente que  era analfabeto. Dias antes no meu trabalho entrou um rapaz e me fez a seguinte pergunta: dona Damiana, qual a letra que começa o nome? Respondi que tanto dona quando Damiana começavam com a mesma letra D, ele achou graça e disse: “ dois d” dona e Damiana.
Essas cenas aparentemente prosaicas me derrubam, me encolhem, me apequenam, são cenas de um país que escolheu em muitos casos o caminho da inércia, do não enfrentamento das nossas mazelas. Se a classe média sonha em fugir do país em busca talvez de dias melhores, resta os pobres o viver e conviver com suas misérias, quando essas misérias deveriam ser enfrentadas, derrotadas e varridas para longe das nossas vidas.
O analfabetismo esteve presente em toda minha história familiar, meus avôs, tios, pai e mãe eram analfabetos, minha mãe foi alfabetizada por mim, mas meu pai morreu antes que  tivesse condições de alfabetizá-lo. Não consigo por tantas razões ser indiferente a esse flagelo social que é o analfabetismo, agora temos além do analfabetismo primário, o analfabetismo funcional, pior,não raro encontro pessoas com todo ensino básico completo, cursando faculdades e com graves problemas de leitura e interpretação de textos.
Meu amigo Sérgio Damião me relatou que na universidade na qual estudava, uma universidade federal, alunos reclamavam dos professores quando tinham que ler textos com mais de cinco páginas.  Algo triste, triste porque aponta para nossa falência social, para nossa falência enquanto pessoas capazes de produzir conhecimento, de interpretar o mundo e mais que  ser personagem nele, sermos autores da nossa história.
Se não enfrentarmos de maneira nua e crua nossos dilemas, nossa falta de estrutura social e política pouco avançaremos, o país vai ser sempre essa eterna promessa de lugar mundo que nunca se concretiza ou ainda pior: seremos sempre essa nação prostitua, escravizada, violentada e sem paz.


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…