Pular para o conteúdo principal

Meus anjos

Adicionar legenda
Hoje pela manhã estava no ponto de ônibus em Taguatinga-Brasília, lia tranquilamente o jornal quando um pequenino senhor, moreno, voz doce e olhos cheios de ternura me fez um pedido inusitado: pode ler meu signo? Confesso que achei o pedido estranho, nunca alguém me pediu tal coisa e ainda mais no meio da rua, fiquei um pouco assustado, cidades grandes nos deixam assustados com qualquer coisa, até quando alguém diz que nos ama. Li o signo, ele era de Aquário, ao terminar a leitura o senhor exclamou-perguntou: ta ruim!? Disse que o signo estava falando de mudanças,  o que era bom.
Voltei a ler o jornal quando o senhor retirou um papel do bolso, perguntou se eu podia ler o endereço escrito nele, justificou o pedido dizendo que esquecera os óculos, no papel havia o nome de uma linha de ônibus, 355, ao informar isso  me perguntou se eu ia para esse lugar e se fosse quando o ônibus chegasse  avisasse para ele.
Aquele senhor não sabia ler, usou a história do signo e do esquecimento dos óculos por vergonha de dizer diretamente que  era analfabeto. Dias antes no meu trabalho entrou um rapaz e me fez a seguinte pergunta: dona Damiana, qual a letra que começa o nome? Respondi que tanto dona quando Damiana começavam com a mesma letra D, ele achou graça e disse: “ dois d” dona e Damiana.
Essas cenas aparentemente prosaicas me derrubam, me encolhem, me apequenam, são cenas de um país que escolheu em muitos casos o caminho da inércia, do não enfrentamento das nossas mazelas. Se a classe média sonha em fugir do país em busca talvez de dias melhores, resta os pobres o viver e conviver com suas misérias, quando essas misérias deveriam ser enfrentadas, derrotadas e varridas para longe das nossas vidas.
O analfabetismo esteve presente em toda minha história familiar, meus avôs, tios, pai e mãe eram analfabetos, minha mãe foi alfabetizada por mim, mas meu pai morreu antes que  tivesse condições de alfabetizá-lo. Não consigo por tantas razões ser indiferente a esse flagelo social que é o analfabetismo, agora temos além do analfabetismo primário, o analfabetismo funcional, pior,não raro encontro pessoas com todo ensino básico completo, cursando faculdades e com graves problemas de leitura e interpretação de textos.
Meu amigo Sérgio Damião me relatou que na universidade na qual estudava, uma universidade federal, alunos reclamavam dos professores quando tinham que ler textos com mais de cinco páginas.  Algo triste, triste porque aponta para nossa falência social, para nossa falência enquanto pessoas capazes de produzir conhecimento, de interpretar o mundo e mais que  ser personagem nele, sermos autores da nossa história.
Se não enfrentarmos de maneira nua e crua nossos dilemas, nossa falta de estrutura social e política pouco avançaremos, o país vai ser sempre essa eterna promessa de lugar mundo que nunca se concretiza ou ainda pior: seremos sempre essa nação prostitua, escravizada, violentada e sem paz.


Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…