“Não me representa”

Para usar uma expressão da moda: “não me representa” os inflamados bravateiros que berram contra o PT, mas usam o mesmo estratagema de ódio e preconceitos que os corações bolsa de valores defensores do PT. Não me representa o PT e seu discurso místico- oportunista que alguns idiotas ainda dizem ser “comunista”. Não me representa essa onda de vitimização conspiratória cuja única finalidade é o poder pelo poder e não o amor pelo amor ao país, não me representa essa esquizofrenia coletiva de “direita” e “esquerda” que há muito negaram a política como caminho viável para segurança administrativa e jurídica do país.
Enoja-me essa obsessão para tornar-se celebridade a qualquer custo, mesmo que para isso tenha-se que fazer um aborto ao vivo, me enoja esse apego a tragédia como ponte para se torna visível em cima dos escombros de alguém. Enoja-me esse amargor militante, essa falsa valorização das causas sociais metonímia do mal, a violência como muleta intelectual, me cansa esse pensar engessado, mecânico, essa tabela do sentir programado.
Não me representa esses líderes religiosos e suas almas carcomidas pela injúria, materialismo e esquizofrenia social.
Enjoa-me essa divisão xenófoba do país por gente amarga e sem puder em ser mal, me enoja o ódio pelo país como se ele fosse culpado pelas merdas que aqui brotam das urnas, me enoja esse sentimentalismo mentiroso que esconde em sua alma o desprezo pelo próximo, me enoja essa discurso classe média apequenado que se baseia no ter para ser, no  ostentar para se sentir “amado”, “invejado”, sim, porque há pessoa que tem tensão pela inveja.
Não me representa esse racismo responsável pela morte de milhões de pessoas: racismo social, político, cultural, policial. Não me representa a ignorância festejada pela mídia, não me diz absolutamente nada essa gente alma ralo de prego.
Não me representa a desonestidade intelectual, o aceitar dinheiro sujo de sangue, o mal como ponte, não me representa os meios para justificar o fim.
Representa-me a gentileza dos que defendem causas nobres e nem por isso balançam a bunda na TV ou são fotografadas em colunas sociais de gosto duvidoso. Me representa os que sabem da grandiosidade do país e fazem cada uma seu possível para que todos vivam em um lugar melhor e sempre melhor, me representa o traço indelével de solidariedade e gentileza dos que pela madrugada levam comida e agasalho para os que não tem. Me representa a teimosa esperança de ser feliz, a teimosa alegria que enterra a tristeza que por vozes tenta fazer dos nossos dias dias cinzas e sem paz, me representa você se você for um bom e solidário coração.




Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys