7 pecados mais que capitais

1º Ser apenas mãe/pai:

É preciso ser: parceira (o), amiga (o), chata (o), dizer não sem culpa. Fazer um saboroso jantar depois ir até a conzinha e ensinar os filhos que na vida muitas vezes se lava os pratos e não se come a comida.
Humildade deve ser praticada, uma criança que tem valores como humildade e gentileza, quando tiver dificuldades na escola vai levantar a mãe e dizer: não sei, me ajude a entender!

2º Idealizar os filhos:

Toda mãe/pai deve sim ter por seus filhos todo carinho do mundo, mas por mais lindo, maravilho e inteligente que seja seu filho ele é gente e gente tem fraquezas, defeitos, medos, insegurança ou dificuldades de relacionamentos.
Quando idealizamos alguém atribuímos a ela valores que desejaríamos ter em nós, por exemplo, é a mãe que queria ser médica e agora acredita que sua filha vai realizar seu sonho.
Idealizar uma criança pode levá-la a se sentir frustrada e incapaz de ser a personagem que sua mãe/pai acredita que ele pode ser.
O resultado será sentido na escola: baixo rendimento e desconforto ao confrontar a realidade criada pela mãe/pai e a realidade dele na sala de aula.

3º Ilhar seu filho:

Claro, cabe a família orientar e educar seus filhos em sua formação básica, mas só a família não basta. Na escola além de formar e educar para todas as disciplinas curriculares, seu filho vai aprender a conviver com as diferenças, com pessoas de níveis culturais, religiosos e econômicos diferentes.
Ao ser super-protetora (o) a mãe/pai acabam fragilizando seus filhos, isso certamente vai gerar conflitos na escola, criança superprotegida cresce frágil, insegura e por fim coloca em dúvida se a escola tem algo realmente importante para ensiná-la ou vai se sentir incapaz de lidar com toda diversidade que uma escola oferece.


4ª Meu filhos têm sempre razão.


Muitos alunos culpam o professor pelo seu fracasso. Muitas mães sem ao menos conversar com o professor o também elege como responsável pelo fracasso do filho.
O ideal é mãe/pai irem sempre à escola, conversar com os professores. Acreditar que o filho tem sempre razão é a pior maneira de ensiná-lo a lidar com as dificuldades, seja uma aula de matemática ou enfrentar as barreiras que a vida nos impõe todos os dias.

5ª Estou pagando:

Muitas mães/pai resumem o que querem de uma escola apenas nesta frase: estou pagando. Ao pagar uma mensalidade a mãe/pai acredita que seu filho pode tudo na escola, inclusive ser aprovado de ano mesmo que não tenha condições para isso.
Não é raro ao se deparar com o fracasso escolar do filho a mãe/pai alegar que pagou caro para que seu filho estudasse na escola tal, para pessoas assim, a educação é vista apenas como um negócio, como comprar um carro novo por exemplo.
Essa mesma mãe/pai durante todo ano não comparece na escola, não se preocupou com filho. A consciência e responsabilidade na educação do seu filho se resumiu em uma frase: estou pagando.

6º Os professores são ótimos, meus filhos estão em boas mãos.

 Os professores são ótimos, mas nenhuma boa mão substitui a presença da mãe/pai no acompanhamento dos filhos, o professor educa, mas caba a mãe e pai fazer com que seus filhos estejam alinhados com o processo de aprendizagem, transferir apenas para professores a responsabilidade de educar seus filhos passa a ideia descaso afetivo e transferência de responsabilidades, o professor faz a parte dele e os pais nunca abrem mão do que é de responsabilidades dele, amar exige responsabilidade, educar também.


7º Tudo que meu filho precisa nos podemos oferecer.


Nem sempre, você é mãe/pai pode ter dinheiro, uma bela casa, tudo de material que seu filho precisar você pode comprar, mas felicidade é algo mais que concreto, é abstrata, é preciso ficar atento ao menor sinal de mudança comportamento, seu filho pode ficar agressivo ou introspectivo e tudo isso em algum motivo, nada no ser humano é aleatório.
Mudança de comportamento na escola pode ter raízes em casa, na maneira com que você o trata, oferecendo mais presentes que carinho, não atribuindo ao seu filho um valor humano de alguém que sente, tem carência, precisa de atenção, precisa ser ouvido. Nada de material substitui o calor de um abraço, a paz de sabermos que alguém se preocupa conosco.
Seja como for uma ida a escola, conversar com professores, se fazer presente, mais que oferecer presente é um bom caminho para que seu filho esteja sempre com vocês.

http://edineysantana2.blogspot.com
http://edineysantana.zip.net
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys