Pular para o conteúdo principal

Chantagem emocional

A psicoterapeuta Susan Forward, é uma das autoras do livro “Chantagem emocional”, é ela quem nos alerta para as armadilhas criadas por pessoas aparentemente frágeis e dependentes, mas que escondem uma personalidade perigosa e às vezes truculenta: o chantagista emocional.
O chantagista emocional é a ferrugem das relações, o filho que transforma o amor materno em escravidão emocional para sua mãe, o ex-namorado, marido, esposa que usa de todo o mecanismo de indução psicológico para fazer seu “ex” se sentir culpado (a) e eternamente responsável por ele (a) ou pelo que ele (a) venha a fazer, como por exemplo, se jogar do 20º andar.
Fazer o outro se sentir culpado é cartilha de devoção do chantagista emocional, especialista em dramas, quer para si todas as atenções, não poupa adjetivos para reforçar na sua vítima a ideia de que ela é egoísta e a culpada pelo seu sofrimento.
Um exemplo clássico de chantagista emocional é encontrado no maravilhoso livro o Pequeno Príncipe de autoria do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, em determinado momento a raposa diz: “tu te tornas eternamente responsável pelo aqui que cativas”. Uma bela frase de efeito e muito poética, mas que tem a intenção de manter cativo alguém que um dia se teve algum relacionamento, tenta fazer com que a pessoa sentia-se culpada e obrigada a carregar um fardo de uma relação que não faz mais sentido para ela.
Forward e Donna Frazier autoras de “Chantagem emocional” descreve quatro tipos de chantagistas emocionais:
1º- “Os punidores”, são especialistas em neutralizar qualquer tentativa de serem punidos, usam para isso a estratégia emocional de fazer o outro se sentir incapaz de dizer não a quem se ama.
2º- “Tentadores”, são aqueles que fingem recusar amor e atenção para conseguir o que querem, fazem com que as pessoas do seu convívio se sintam culpadas por não amá-las como elas merecem.
3º- “Auto punidores”: esses são capazes de usar a própria dor para conseguir do outro o que querem, usam suas angústias, frustrações e perdas para induzirem outras pessoas a acatarem suas vontades, são do tipo que choram, se descabelam na frente de alguém e quando conseguem o que querem correm para o banheiro ou se trancam no quarto e tem ataques de risos.
4º- “Os sofredores”, são os que se dizem vitimas de deus e do diabo, se dizem infelizes e culpam por suas tristezas e sofrimentos suas vitimas de chantagem que acuadas acabam se sentindo responsáveis realmente pelo sofrimento do chantagista emocional, tornando-se assim alvos fáceis nas mãos dos chantagistas emocionais.
Em nosso trabalho, na rua, em nossos relacionamentos afetivos e amizades podemos encontrar manipuladores de sentimentos, em determinado momento podem parecer criaturas frágeis e sofridas, mas podem também ser agressivas e intolerantes, a aparente fragilidade e dores do mundo que o chantagista emocional parece carregar nas costas não passam de ordens que tenta impor as pobres pessoas do seu convívio que tomadas por sentimentos de culpa se curvam diante dele (a).
Claro que há pessoas realmente frágeis , quando pedem nossa atenção não estão querendo nos manipular, essas pessoas nunca nos fazem sentir culpa por seus problemas, querem alguém para conversar e compartilhar suas dúvidas e amenizar suas angústias. O chantagista emocional age de maneira contrária, ele quer nos fazer crer que somos ruins se não cedermos aos seus apelos, quer nos fazer quer que ao dizer “não” estamos negando amor, amizade ou carinho, usam de todo ardil para nos tornar reféns das suas vontades.
 Algumas frases sempre usadas por esses tipos de pessoas.
1-    Você não me ama mais, peço algo simples e você não quer fazer.
2-    Você ama mais minha irmã que eu, só porque sou a mais doente você não ligar para mim.
3-    Amigo é para qualquer coisa, para qualquer parada e agora você diz que não pode ir comigo?
4-    Estou infeliz e triste, vocês só querem me usar e não fazem nada que eu peço.
5-    Seu egoísmo faz de você uma pessoa ridícula, acha que quero algo de você? Pode ficar com tudo.
6-    Se não puder vir agora deixe, se eu ficar muito mal a culpa é sua.
7-    Te peço uma coisa simples dessa e você não faz, se fosse para a sua namorada você faria na hora.
8-    Você não me ama, por isso me mandou lavar as roupas.
9-    Se você não for minha não será de outra pessoa.
      10-Como pode me trocar por esse cara feio, sair e me deixar só? Não sabe quem tenho medo de ficar só? Se acontecer algo a culpa é sua.




    


    


Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…