Para não esquecer

Se eu não sonhar por mim quem o faria? Não ter vergonha de se projetar ao presente e futuro de maneira gloriosa é saudável desde que não anulemos a realidade dos dias que estamos. Se eu não cuidar de mim ninguém mais faria isso, eu sou minha responsabilidade intransferível e pessoal, acreditar em outras pessoas como promotoras da minha felicidade pessoa é um erro é um passo para trágica descoberta de que fiz das minhas emoções currais de ilusões.
Eu me amo, devo primeiro cuidar de mim, não posso ser luz para outras pessoas quando eu mesmo vivo nas trevas. É preciso saber ser egoísta para não sucumbir à tragédia de ser serviçal de emoções alheias. Caminhar para o eterno encontro de si, eu existo e só tendo consciência disso posso ser feliz.
Minha felicidade não viver longe de mim, pelo contrário, vive aqui dentro do meu coração, eu sou, eu posso ser feliz e me fazer feliz.
Anular completamente o sentimento egoísta é um erro, o egoísmo é tão essencial quanto o amor, porém se um ou outro transbordar pouca coisa de saudável sobra em nós. Sonho por mim, efetivo por mim tudo que eu quero e não vou lamentar perdas ou pessoas que passaram por minha vida, me interessa a vida que acontece agora, a beleza ou não das coisas que tenho que viver e conviver, eu sou a alegria egoísta de me amar.
A primeira riqueza e única que tenho é minha vida, não posso em hipóteses alguma negociar minha vida em favor de nenhuma outra pessoa, eu me acalmo quando tenho comigo um interesse permanente de vida e sucesso, escrevo para não desabar na trágica saudade de quem fui, porque quem fui sempre está sendo e nunca passa.
Amor não é o que sinto por outra pessoa, amor é o que sinto por mim, é a relação maravilhosa de cumplicidade que sinto por mim, o encanto permanente que tenho por quem sou. Sem me amar eu nada seria.
Não me fecho ao outro, apenas me coloco em primeiro plano, esquecer disse é um erro. Lembro de uma pessoa maravilhosa que conheci: Antônio Inácio, trabalhador rural e sindicalista que sempre me dizia: “Você não pode, Ediney, oferecer aos outros os que nem você mesmo tem”. Nunca esqueci isso, aqui uma verdade única: seja primeiro você, o único amor que nunca vai abandonar você é o seu amor pessoal, por tanto não o abandone você.
Amor é luz.




Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys