Pular para o conteúdo principal

Dinheiro

Não há lago sereno para quem é pobre. Sempre que ouço alguém dizer que dinheiro não trazer felicidade respondo: se é para ser infeliz ao menos seja com o bolso cheio, felicidade com ou sem dinheiro sempre será felicidade, tristeza não. A falta de dinheiro faz qualquer tristeza ser monstro devorador das nossas entranhas. Sem dinheiro somos lixo. Sem dinheiro se morre mais rápido, sem dinheiro se vale menos que um cachorro de madame.Dinheiro não compra a morte, mas atrasa e prolonga a vida, dinheiro define como você será visto e como você se ver.
A diferença de um rato para um homem é que o rato ta condicionado a ser rato, a comer bosta, lixo, viver no esgoto e o homem pode ser condicionado ou não a essa situação, a falta de dinheiro empurra milhões de seres humanos a vida análoga dos ratos. Quase todos os dias ao sair para o trabalho encontro um senhor catando restos no lixo, outro dia o vi chupando ossinhos de galinha que alguém já havia chupado, todos os dias me inquieto com aquela situação quase a porta do Palácio do Planalto.
Foda-se esse bláblá religioso ou místico sobre bens matérias, porque quem se fode mesmo é quem não tem nada, quem depende dos outros, que tem que passar o mês com bolsa família ou salário mínimo, quem vive nas ruas, quem sobreviver dos restos dos outros.
A luta não é pela busca de Deus e sim do dinheiro, porque com dinheiro até Deus parece mais caridoso. Sem dinheiro nem amor sobrevive, amor que dizem ser o mais nobre dos sentimentos evapora diante qualquer crise financeira, sem dinheiro deixamos de ser pessoas, passamos a ser qualquer coisa entre o troço e estorvo.
Dinheiro é a palavra, dinheiro para viver com dignidade. Os nordestinos, africanos ou palestinos são vitimas de preconceitos não por serem nordestinos, africanos ou palestinos, mas porque a maioria são pobres não tem onde cair morto, só por isso.
Quem tem dinheiro não tem amigos tem investimento, quem é pobre também não tem amigos, tem parceiros de infortúnio. Amizade boa é ter como primeiro grito de socorro uma bela caderneta de poupança.
Bom coração pobre vale que porra neste mundo fodido? Neste mundo que se mata cada vez mais em nome de supostas “boas ações”? Lembro de uma canção da banda brasiliense “Os sem destinos” que dizia: “você já se perguntou / meu amigo/ quanto vale Jesus Cristo/ pendurado no pescoço de mendigo?” Eu respondo nada. Mendigos não pagam dizimo, não dão ofertas, não votam, mendigos não existem para uma sociedade que sente nojo e desprezo por si mesmo.
Lembro na escola, “amigos” inseparáveis, bastava um ser reprovado para a tal “amizade” ir para casa da porra, quanto mais quando há relação de dinheiro. Com dinheiro todas portas se abrem, com dinheiro os vícios são transformados em “excentricidades”, sem dinheiro somos lixo, nem precisa ser zerado em grana, basta que tenhamos um emprego modesto ou vivamos em um lugar sem muito floreio social para tomarmos no cu em verde e amarelo.
  

                                                                                      



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…