Pular para o conteúdo principal

O tempo dos medíocres

 A direita e esquerda brasileira mostram suas reias faces, o que assistimos no país é uma estapafúrdia canalhice ideológica de direita e esquerda que tenta a todo custo não mudar a realidade política apodrecida do país, mas desestimular o debate sério para que possamos sair desse chorume social a nos prender em tudo de ruim e tosco que um país não poderia ter. Movimentos sociais carregados de desprezo e ódio pela vida usam um pífio jogo dialético para justificar não a inclusão ou respeito às pessoas, mas imposição de suas visões de mundo, movimentos regidos pela casa grande da desonestidade intelectual. Esses movimentos quando contrariados ou desmascarados diante suas próprias contradições caem em primeiro momento no coitadismo e logo em seguida tornam-se violentos e déspotas.
Na direita o chorume não é menor, atrelados a vícios sociais que eles dizem ser virtudes esses grupos pregam uma visão de mundo intolerante, superficial, baseada ainda na velha cartilha da família cristã e excluem de seus pleitos qualquer possibilidade de um mundo diverso, de um mundo em que a meritocracia não seja a única ponte para o acesso ao bem estar social e tudo que neste bem estar possamos encontrar.
Racismo, xenofobia, intolerância, desrespeito a vida, falta de caráter, falsidade intelectual, ódio, amor ao poder, buscava pela visibilidade, chantagem política e falta de compromisso com o Brasil todos esses ingrediente fazem parte tanto do que chamamos esquerda, quanto direita, todos podres, dementes e lunáticos. Direita e esquerda no Brasil respondem pela mesma cartilha imoral e canalha, tanto um quanto outro não têm nas suas agendas o Brasil, querem apenas dele sugar, humilhar e terem o controle de alguma parte do Estado.
No meio disso tudo estão pessoas que querem um país melhor e fraterno, que querem um Estado forte, mas nunca autoritário, tão pouco sendo gestado pelo crime, um Estado que não sirva a bandidos seja de direita ou esquerda, um Estado que sirva ao povo. Nas redes sociais podemos encontrar farta manifestação da esquizofrenia política que assola o país, mansitestações de gente que se diz contra o racismo e é racista, gente que se diz contra um governo centralizador, mas não suporta ser contrariado.
Eu desejo um país melhor, participo de manifestações contra essa horda de criminosos, mas as únicas cores que uso são da bandeira do meu país. No passado quando era estudante militei no partido comunista, acreditava que a verdade e a vida estavam do lado do comunismo, com o passar dos anos, vi o quanto comunismo e capitalismo desejam as mesmas coisas com argumentos diferentes. Um quer o Estado a seu serviço, o outro quer pessoas a seu serviço, entrei para o partido Verde, mas isso só reafirmou minhas certezas que é impossível encontrar em algum partido neste país algo de sincero e honestidade intelectual.
Não pense que sou anarquista, nada disso, longe disso. Acredito na política, o que não acredito é em um bando de cretinos que usam da dor e da miséria do nosso povo para sustentar um discurso de medo, terror, pânico, um discurso que reafirma todos os preconceitos quando deveriam negá-los.
A ideia é muito simples: não permitir a reflexão, não permitir nenhum tipo de crítica seja de direita ou esquerda, o Estado sitiado é usado como instrumento de repressão, nenhuma força política quer libertá-lo do função de serviçal da desordem e do crime a qual foi reduzido, muito pelo contrário, todos querem manipular, usar e colocar o Estado a seu serviço, por isso mesmo cada cidadão cidadã desse nosso amado Brasil deve ficar atento, não podemos confundir nosso país com essa podridão política que o controla, devemos sim e pressionar, ir para as ruas dizer que não aceitamos isso, e não deixar em hipóteses algumas que sejamos usados seja por canalhas da direita ou da esquerda
http://edineysantana.zp.net

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro Ney, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profund…

Mãos calejadas, meu Deus.

Os escravos eram as mãos e pés dos seus donos, tinham as mãos calejadas do trabalho braçal e penoso nas plantações enquanto os senhores de engenho tinham as mãos suaves. Neste momento aconteceu algo que marcou para sempre a divisão do trabalho: o trabalho braçal e o intelectual, o braçal desprestigiado e intelectual privilegiado. Ter as mãos calejadas passou a significar pouco estudo e baixa qualificação, consequentemente desprestigio social, enquanto o trabalho intelectual passou a ser valorizado, trabalho de “doutores”, de pessoas “importantes”. Essa divisão alimentou e alimenta muitas das nossas mazelas e preconceitos. O presidente Barack Obama disse que não pode simplesmente colocar os imigrantes ilegais para fora dos Estados Unidos, porque o país precisa deles. Nos Estados Unidos trabalho como motorista, gari, baba, diarista, garçonete, frentista ou pedreiro são excetuados por imigrantes, muitos deles brasileiros que aqui não pegariam no cabo da vassoura para varrer a própria ca…