Pular para o conteúdo principal

A pátria educadora

Se o problema da educação fosse resolvido apenas com construções de prédios escolares o Brasil seria hoje uma potência educacional e não um fracasso absoluto como é. Quando ACM mandava (não governava) na Bahia mandou construir um monte de monstrengos que eram chamados de “Colégio Modelo”. O estado não tem o direito de escolher o que vai ser modelo ou referência, tudo no estado dever ser modelo e referência.
A educação no Brasil não passa das construções vaziais de semântica educacional que servem apenas para enganar os olhos dos tolos, consumistas do fútil e descartável, não percebem o que de importância mesmo deveria enxergar. A educação pública brasileira e parte considerável da particular são feitas de cimento e mediocridade pedagógica.
Desafio políticos e gestores da educação pública colocarem seus filhos nas escolas que eles chamam de “qualidade”, longe disso, o que é luxo para seu filho e lixo para os filhos dessa gente, nem os professores da rede pública colocam seus filhos nas escolas que eles trabalham, quanto mais políticos e gestores que sabedores o quanto qualquer traço de beleza encanta , adoça , faz fiel serviçal o povo.
Em qualquer lugar do país, em qualquer cidade ou estado nossa educação é um lixo, não importa se seu filho estude em uma escola que parece um parque de diversões, ainda assim será um lixo. Não acredita? Vamos ler alguns dados oficiais, ou seja, do próprio governo federal: 6,2 milhões de estudantes fizeram em 2014 o ENEM, (Enxame Nacional do Ensino Médio) desse total apenas 250 estudantes tiraram a nota máxima. O ENEM foi um triste festival de provas em branco, textos racistas ou xenófobos. Radiografia da nossa decadência. O ENEM expôs de maneira inquestionável o flagelo do ensino no país.
Vamos agora comparar o Brasil com outros países. O Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa) avaliou alunos de 65 países (A avaliação ocorre de três em três anos), o Brasil ficou em 58ª em matemática e em ciências e leitura 59ª. Essa avaliação é feita com alunos de 15 anos, no total apenas 1,8% dos nossos alunos foram bem na avaliação.
Agora vamos falar de violência. No Brasil 70% das mortes são por armas de fogo, ou seja, 70% das pessoas que morrem em um ano no país são assassinadas, a Bahia o estado brasileiro em que a os índices de assassinatos não param de crescer, segundo a ONU a violência no Brasil está fora de controle. Segundo o IPEA na Bahia a taxa de homicídios aumentos 399,5% em dez anos (2000-2010) e não parou mais de crescer.
Ainda há pessoa que pedem a pena de morte no Brasil, só se for para oficializar o que já acontece na prática, porque o maior assassino do país é o Estado brasileiro quando não faz as reformas necessárias na educação, saúde e em todo sistema jurídico. O Estado é permissivo com tudo que não presta.
Em Brasília foram retirados módulos policiais das ruas e sabe o motivo? A bandidagem tava queimando todos, em dois anos 500 policiais foram assassinados no país, o ano passado mais de 2 mil pessoas foram mortas pela polícia, então pergunto você: se a polícia mata tanto, se morre tanta gente por que a violência só aumenta? Resposta porque a única política de segurança pública do nosso governo é a própria violência ou em outras palavras “salve-se quem puder”, o Estado ta pouco se lixando para sua vida.
O que será do Brasil com uma geração inteira de analfabetos, todos com certificado de conclusão do ensino médio e alguns até com diploma de curso superior nas mãos? A iniciativa privada execra quem não tem competência, no serviço público é cada menor os postos de trabalho e é cada vez maior a concorrência dos cursos, então me diz o que vai acontecer com essa geração? O que falarmos de um país que cruza os braços diante uma matança generalizada, que mesmo diante toda a evidência que estamos sucumbindo à violência nada faz de concreto para enfrentar os males dessa doença que caminha para ser crônica?
Solução? Para essa geração as chances são mínimas. Para muitos especialistas em educação o problema reside na má formação e remuneração de professores, mas eu coloco aqui outro ingrediente que é o pior de todos: a ingerência política destro das nossas escolas e órgãos coordenadores e gerenciadores da educação. Tudo de ruim que acontece na nossa educação parte dessa ingerência política que olha para uma escola como um cofre particular que ora se pode pegar dinheiro ora se pode trocar por apoio político.
A desestruturação da educação é política, cortar a capacidade das pessoas de refletirem sobre sua real condição e serve-se para todas elas a ladainha de governos medíocres e predadores. O mesmo acontece com a segurança pública, o povo aplaude quando a polícia mata ladrões de galinha, mas não percebe que esse mesmo sistema protege quem rouba vinte bilhões de uma empresa pública, acaba-se aceitando chegar a um hospital público e morrer não pela doença, mas pela falta de médico, se aceita marcar um consulta para só daqui a três meses como se isso fosse normal, não percebe o quanto educação que oferecem aos seus filhos é para castrar, mutilar ou cegar para que nunca ele erga a cabeça e se nada disso resolver a violência vai resolver, se a violência não resolver a falta de assistência médica vai resolver.
É um trio macabro usado pelo governo: educação ruim, ausência de atendimento médico e violência controlada pelo próprio estado.
Não é uma questão de partido político é uma questão de sistema, o sistema é podre, para mudar o sistema só o conjunto das forças da sociedade fazer a diferença, isso quando a própria sociedade também não é pobre.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…