Pular para o conteúdo principal

Cartas Chilenas

Para mim os três mais corajosos escritores da Brasil colônia foram: Tomás Antonio Gonzaga, Padre Antônio Vieira e Gregório de Mattos. Não por acaso o Padre quase foi torrado na fogueira da inquisição e os dois poetas foram exilados. A questão aqui não é só ter coragem para escrever contra moral, costumes ou política da época em que se vive, mas também de talento, são três grandes personalidades literárias.
Tomás Antonio Gonzaga pertence a uma geração de grandes poetas, fez parta de um período literário conhecido como Arcadismo, além disso, fez parte do grupo idealizador da Inconfidência Mineira, curiosamente quase todos que participaram da Inconfidência eram poetas.
“Cartas Chilenas” certamente é o livro de poemas (em termo social e político) mais corajoso da literatura brasileira, mesmo tendo sido publicado com pseudônimo não diminui em nada a coragem do seu autor: Tomás Antonio Gonzaga.
“Cartas Chilenas” é formado por treze cartas, foram publicadas em 1789 e traz sátiras, denúncias  e provocações agudas contra o governador de Minas Gerais Luis da Cunha Meneses, no poema aparece com o nome de  Fanfarrão Minésio. Segundo o texto o Fanfarrão é um canalha diplomado na arte dos trambiques e falcatruas.
Fanfarrão Minésio se comparado aos abutres de hoje não passa de uma caricatura. A canalhice evoluiu muito, deixou de ser grosseira, agora é requintada e veste as roupas que convém o momento, nesta roupa nunca o Brasil entra na pauta.
Tomás Antonio Gonzaga é dono de uma escrita visceral e contundente permeada pelo humor e sátiras, alterna momentos de desconstrução da imagem do Fanfarrão Minésio e de puro sarcasmo, expões os absurdos do governo ao mesmo tempo em que o ridiculariza. Era o Brasil do império ainda não havia se criado a lei Lei Rouanet vulgo do “cala a boca artista”. Mas certamente o Tomás Antonio Gonzaga não aceitaria essa “ajuda de custo ideológica” para publicar suas obras.



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Jantar e crime

Na delação: “em um jantar acertamos o valor da propina”. Quantos crimes são articulados em mesas fartas e jantares de luxo? Ou melhor, em palácios? É mórbido e tragicamente irônico que pessoas sentam-se em uma mesa cheia de comida para acertar crimes que vão levar à fome e morte tantas outras pessoas. Nos últimos dias, com o avançar da Operação Lava Jato e as delações premiadas, tomamos consciência da naturalidade a qual crimes são articulados, como pessoas sem sentimento algum, roubam e matam com se estivessem apenas trocando ideias entre amigos e parentes sentados em uma mesa. Paralelo a comilança criminosa, esses mesmos agentes do Estado tramam reformas administrativas que vão impactar a vida dessas mesmas pessoas já roubadas por eles. É preciso, sim, diminuir os gastos públicos, mas não se pode sacrificar quem já não tem quase nada. Nossa saúde e segurança pública são máquinas de triturar gente, gente pobre e tempere isso com o absurdo da reforma da previdência que iguala pela pe…