Pular para o conteúdo principal

Ed Motta não errou, apenas exagerou !

Quando o erro de alguém nos diz que algo em nós mesmos não vai nada correto. Ed Motta falou algumas coisas e deixou  muita gente com raiva, mas não quero aqui falar do que todos já sabem.
A verborragia irada do Ed nos alerta para algo que é fato: a ausência de ensino de inglês tanto no sistema público como particular de ensino, somos um dos piores países em aprendizado de uma segunda língua, até o ano passado apenas 5% dos brasileiros falavam inglês fluentemente. Falar uma segunda língua é necessidade e exigência nos dias atuais, dizer que ficamos isolados por causa dessa bela e maravilhosa língua portuguesa é que é estupidez. O mundo escolheu o inglês como sua língua universal, como um dia foi o Latim, talvez também como o Latim, um dia o inglês deixe de ser universal, mas no momento é dela que necessitamos.
Portugueses, franceses , alemães, japoneses, argentinos, gregos e moçambicanos, enfim dezenas e dezenas e dezenas de países tem o inglês como segunda língua, todos estão mais bem colocados no ensino de uma segunda língua que nós. 
Não é o português que nos ilha do restante do mundo, mas a forma como o governo brasileiro há anos divulga a imagem do país, até bem pouco tempo em propaganda oficial do ministério do turismo só havia mulheres mostrando suas  bundas, jogadores de futebol e praias. Essa imagem tornou-se clichê e sinônimo de país do sexo fácil, do país tropical em que todos os pecados são perdoados, sem falar que o Brasil há anos é visto no mundo como paraíso da corrupção e de um povo passivo que gosta de perdoar ladrões de terno e gravata e matar meninos de ruas famintos.
Nosso país culturalmente é riquíssimo, mas poucas pessoas fora do Brasil sabem disso, nossa literatura tem escritores geniais, no entanto até nas universidades brasileiras muitos deles não entram, mas muita gente fala de escritores alemães como se eles estivessem ali no boteco da esquina bebendo umas geladas.
Nos Estados Unidos você nunca vai encontrar um garoto que assim como você ama Legião Urbana, Camisa de Vênus, Cássia Eller e Elis Regina, eles nem sabem que essas pessoas e banda existiram um dia e não é tão somente porque são cantores de língua portuguesa, somos bons em acolher a cultura do mundo, mas péssimos para preservar e divulgar a nossa, olhamos para pessoas de outros países como se elas não fossem gente como a gente, como se fossem pessoas sem traços dos defeitos que qualquer ser humano tem, o resultado é que nos achamos feios, como pensa o Ed Mota. Dessa visão errada brotam o racismo e a xenofobia, tudo que lembra África ou os índios é  colocado em segundo lugar, nos enxergamos de maneira errada e nos mostramos ao mundo de maneira mais errada ainda.
Talvez seja mais fácil encontrar fãs da Janis Joplin  ou Jim Morrison no Brasil do que no país deles, lá eles já foram sugados ao máximo, aqui passamos a vida ouvindo cantores de língua inglesa  sem entender uma só palavra do que cantam e juramos que são todos fodas.
Ed Motta exagerou, mas é um fato: temos um abismo no ensino de línguas no Brasil, em países muitos mais pobres que o nosso é comum pessoas falarem inglês.
 Aprendermos uma segunda língua  não quer dizer que vamos escrever poemas em inglês, gravar discos em inglês e esquecermos nossa língua, nada disso, ao aprendermos uma nova língua entendemos melhor o que se passa com o mundo, temos noção mais ampla se  o Bob Dylan realmente tem ago a nos dizer e claro, entendendo melhor a cultura de outros países passamos também a olhar a nossa sem afetadas emoções e com mais respeito também.
É preciso tomada de posição no ensino de línguas no país. Não saber uma segunda língua não faz de nós pessoas menores como disse o Ed, nada disso, ao contrário dele , acredito que se pode ser estúpido em qualquer língua, pode-se falar dez línguas e ser uma pessoa intragável, no entanto, penso positivamente, falar outro idioma aumenta nosso poder  de viver o mundo, sair do nosso mundo, convidar outro mundo para entrar no nosso.
Se até 2025 nossos  alunos das escolas públicas e particulares estiverem fluentes em inglês é certo que muitas coisas melhoraram na nossa educação.

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…