Pular para o conteúdo principal

“O Bom Crioulo”

Se no Brasil chato e niilista de hoje um beijo entre duas mulheres em uma novela quase promove a inquisição das duas atrizes, e se esse fato para muitos brasileiros é um ataque a família, e enquanto se esbraveja contra a novela em igrejas ou redes sociais quadrilhas formadas pelos mais perigosos criminosos do país podem livremente roubar milhões e milhões de todos nós que não causa a mesma revolta, o que pensar de um livro publicado em 1895 que tem em sua narrativa o homossexualismo entre um homem negro e um branco (lembrando que relações afetivas entre pessoas do mesmo sexo na época do lançamento do livro era mais que um tabu e entre “raças” diferentes era quase inexistente ao menos publicamente), além disso, se o personagem negro fosse ex- escravo, militar da marinha e que se apaixona por um jovem também ligado a marinha e juntos viviam intensa relação amorosa? Imaginou um livro desses sendo adaptado para uma novela de TV 120 anos depois de ter sido escrito?
“O Bom Crioulo” de Adolfo Caminha é considerado por muitos críticos literários como o primeiro romance homossexual do ocidente. Hoje livros com essa temática são comuns, mas não no século XIX, sem meias palavras Adolfo Caminha nos apresenta um painel da sociedade brasileira da época que ele julgava hipócrita, se tivesse vivo nos nossos dias ficaria surpreso em descobri que em certos aspectos o Brasil do século XXI é mais hipócrita que o do seu tempo.
“O Bom Crioulo” narra a história de Amaro, negro, jovem, que foge da escravidão e entra para marinha, Amaro é retratado como grande, forte e mais corajoso que os outros marinheiros por isso ganha o apelido de “O Bom Crioulo”. No navio em que serve, Amaro encontra Aleixo e se apaixona por ele. Aleixo é magro, pequeno, loiro de olhos azuis.
Amaro e Aleixo vivem juntos em uma pensão do Rio de Janeiro, vivem como qualquer casal gay dos nossos dias, no entanto o apetite sexual de Amaro não é sempre bem aceito por Aleixo que passa a reclamar da sua vida para D. Carolina, proprietária da pensão em que vivem.
Seduzido por D. Carolina Aleixo tem um caso com ela, ao descobri que foi traído Amaro deixa de ser o “Bom Crioulo”, seu romance segue por um caminho trágico e sem volta.
Tudo em “O Bom Crioulo” o levaria para lista dos livros censurados ou ignorados desses dias de esquizofrenia conservadora temperado por esquerdismo demente.
Lembrando que recentemente pessoas foram expulsas das forças armadas por assumirem que eram gays, lembrando que não se tem notícias em forças de segurança pública pessoas (em especial militares) que assumam ser gays, lembrando, até hoje pessoas de “raças” diferentes ainda são questionadas quando se envolvem afetivamente, lembrando, até hoje pessoas homossexuais são perseguidas, mortas ou impedidas de trabalhar.
O livro de Adolfo Caminha pode não ser tão lido ou muito lembrado, mas é um clássico. Inovou na temática, abordou questões que mesmo nos dias de hoje são consideradas polêmicas. Os escritores do século XIX têm muito ainda a ensinar aos escritores do Brasil século XXI.
http://edineysantana2.blogspot.com                                                          
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…