Pular para o conteúdo principal

“O Bom Crioulo”

Se no Brasil chato e niilista de hoje um beijo entre duas mulheres em uma novela quase promove a inquisição das duas atrizes, e se esse fato para muitos brasileiros é um ataque a família, e enquanto se esbraveja contra a novela em igrejas ou redes sociais quadrilhas formadas pelos mais perigosos criminosos do país podem livremente roubar milhões e milhões de todos nós que não causa a mesma revolta, o que pensar de um livro publicado em 1895 que tem em sua narrativa o homossexualismo entre um homem negro e um branco (lembrando que relações afetivas entre pessoas do mesmo sexo na época do lançamento do livro era mais que um tabu e entre “raças” diferentes era quase inexistente ao menos publicamente), além disso, se o personagem negro fosse ex- escravo, militar da marinha e que se apaixona por um jovem também ligado a marinha e juntos viviam intensa relação amorosa? Imaginou um livro desses sendo adaptado para uma novela de TV 120 anos depois de ter sido escrito?
“O Bom Crioulo” de Adolfo Caminha é considerado por muitos críticos literários como o primeiro romance homossexual do ocidente. Hoje livros com essa temática são comuns, mas não no século XIX, sem meias palavras Adolfo Caminha nos apresenta um painel da sociedade brasileira da época que ele julgava hipócrita, se tivesse vivo nos nossos dias ficaria surpreso em descobri que em certos aspectos o Brasil do século XXI é mais hipócrita que o do seu tempo.
“O Bom Crioulo” narra a história de Amaro, negro, jovem, que foge da escravidão e entra para marinha, Amaro é retratado como grande, forte e mais corajoso que os outros marinheiros por isso ganha o apelido de “O Bom Crioulo”. No navio em que serve, Amaro encontra Aleixo e se apaixona por ele. Aleixo é magro, pequeno, loiro de olhos azuis.
Amaro e Aleixo vivem juntos em uma pensão do Rio de Janeiro, vivem como qualquer casal gay dos nossos dias, no entanto o apetite sexual de Amaro não é sempre bem aceito por Aleixo que passa a reclamar da sua vida para D. Carolina, proprietária da pensão em que vivem.
Seduzido por D. Carolina Aleixo tem um caso com ela, ao descobri que foi traído Amaro deixa de ser o “Bom Crioulo”, seu romance segue por um caminho trágico e sem volta.
Tudo em “O Bom Crioulo” o levaria para lista dos livros censurados ou ignorados desses dias de esquizofrenia conservadora temperado por esquerdismo demente.
Lembrando que recentemente pessoas foram expulsas das forças armadas por assumirem que eram gays, lembrando que não se tem notícias em forças de segurança pública pessoas (em especial militares) que assumam ser gays, lembrando, até hoje pessoas de “raças” diferentes ainda são questionadas quando se envolvem afetivamente, lembrando, até hoje pessoas homossexuais são perseguidas, mortas ou impedidas de trabalhar.
O livro de Adolfo Caminha pode não ser tão lido ou muito lembrado, mas é um clássico. Inovou na temática, abordou questões que mesmo nos dias de hoje são consideradas polêmicas. Os escritores do século XIX têm muito ainda a ensinar aos escritores do Brasil século XXI.
http://edineysantana2.blogspot.com                                                          
http://livrosdeedineysantana.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…