Pular para o conteúdo principal

Jean Wyllys e Bolsonaro

Desenho : Ediney Santana
Só não espere muito da fé... Paciência não é resignação e quanto vale a flor que nasce no lixão? Tem gente que só reconhece o outro como gente quando precisa de um transplante de medula. Pior que ser humilhado é aceitar a humilhação, pão dormido é melhor que não ter nada prá comer, bater uma punheta é melhor que comer gente falsa, Jean Wyllys e Bolsonaro são duas cabeças de uma única cobra: sectarismo. Se Cristo voltasse hoje estaria lascado, o BOPE ou Rondesp dariam logo um fim nele, sem direito a Via Crucis, causa social boa e viver o socialismo a custa do suor alheio, capitalismo bom, mata, enterra e ainda cobra pedágio para entrada no inferno, uma tal de Chaui disse que odeia a classe média, se meus livros forem comprados pelo governo e entregues para alunos que nunca vão ler porra nenhuma eu também grito que odeio a classe média, mas não abro mão do plano de saúde, carro do ano, apartamento, restaurante caro e palestras para ex- presidente sonolento. Transferir responsabilidade por erros cometidos é a grande ideologia do Brasil, faça qualquer merda, a culpa nunca será sua, culpe alguém que você acha inferior a você e tudo bem. O Ladrão ta no PT? Sem problemas, quando ele mudar para seu partido será o mais honesto dos ladrões. É contra todas as desgraças do país, se olha como santo, mas destila ódio contra qualquer um que não pense como você, em nome de Deus mata-se, em nome de Deus coloca-se pimenta no cu dos outros, é contra palavrão, mas é indecente com os impostos, indecente quando divulga fotos de mulheres nuas que tiveram suas fotos roubadas ou traídas por confiarem em parasitas, é contra palavrão, mas tem uma língua mais venenosa que cascavel, machuca e fere por prazer, quando faz o bem tira foto, registra em cartório porque sabe que vai ter algum proveito das desgraças alheias. Se diz defensor da "diversidade", mas é intolerante, prega a divisão de raças, sexo e religiosa, sem autocrítica nega-se ao diálogo e confunde silêncio com indiferença, culpa todos os brancos pelo racismo, mas aceita ser vassalo de governadores bancos que não demonstram nenhum sentimento para com o povo sofredor  .
Quer ser aplaudido, mas nunca aplaude, não quer amigos ou amores, quer serviçais, tapetes. Foda-se a dupla alma que controla essa nação.
Redes sociais no Brasil foram tomadas por covardes, se Maria Madalena fosse do nosso tempo, alguém pegaria sua foto, escreveria: puta! E espalharia pelas redes sociais. O Brasil não tem unidade porra nenhuma, esse país se odeia, se fosse feito um plebiscito hoje para a divisão do país, se partiria em mil republiquetas e o motivo disso é o ódio.
O mesmo ódio que um dia esfacelou a Europa e quase dividiu os Estados Unidos em Sul e Norte, o mesmo ódio que um dia fez lideres africanos vender como escravo sua própria gente, o país se odeia, se machuca, se fere, o país sente nojo de si mesmo.
Não é a vida que nos salva, mas a morte, pense, se realmente fossemos imortais?

Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…