Pular para o conteúdo principal

Valorização da Vida

Desenho de Ediney Santana
Há alguns anos fritado nas minhas próprias paixões e utopias, sem amigos e sem querer dividir com a única pessoa que sempre esteve ao meu lado durante toda minha vida (minha mãe) as angústias dilacerantes que corroíam meu espírito, como Jó, peguei meu caco de telha e sentei em meio às cinzas, mas ao contrário de Jó nunca tive crenças sólidas em religião alguma, apenas fiz do silêncio meu companheiro, vivendo tão somente o necessário para ir trocando de pele durante àquelas horas nebulosas.  
Um dia passou na TV a propaganda do CVV (Centro de Valorização da Viva), prometia que a qualquer hora do dia ou noite haveria alguém para ouvir qualquer pessoa que se sentisse aflita, perdida no labirinto da existência. Então liguei, do outro lado da linha alguém que nunca soube quem era me ouvia pacientemente, liguei muitas outras vezes, falava  sobre as  angústias que voluntariamente colhi para minha vida, sempre era atendido com cordialidade .
O CVV é uma entidade sem fins lucrativos, todas as pessoas que trabalham nela são voluntárias, ficam horas sentadas dias e noites ao lado do telefone esperando alguém ligar, o atendimento prestado por eles parece simples, mas não é.
Relações cada vez mais efêmeras, um mundo no qual as emoções nascem e morrem sem direito a saudade, respeito ou a simples alegria da convivência; escutar alguém não é algo simples, doar seu tempo de vida para um estranho pode aparentemente ser algo simples, mas longe disso, é um gesto de amor, puro e solidário amor.
Quando eu era criança tinha medo de alma penada, mas hoje tenho medo mesmo são de almas encarnadas, de pessoas, o mundo de hoje escolheu livremente o caminho da intolerância, da negação do outro, ridiculamente quanto mais avançamos na ciência e nos debates políticos, mas cascas grossas nos tornamos.
 A dor do outro pouco interessa, dizer para alguém que você sofre pode não ser uma boa ideia: fraco, covarde, sem ânimo, tem tudo na vida e é infeliz, chora de barriga cheia, ta sofrendo porque quer, São algumas das frases que ouvimos por aí metralhando pessoas que estão sofrendo e na maioria das vezes só queriam encontrar alguém que as escutassem.
Há pela internet vídeos e fotos de pessoas com deficiências físicas ou mergulhadas na miséria e apesar da vida difícil que lavam aparentam felicidade, essas pessoas maravilhosas são usadas por gente fria e insensata para humilhar que sofre, esses vídeos e fotos vem com legendas como: para você que reclama da vida, para você que acha bonito ser triste, para você que acha sua vida uma merda.
Parece existir uma psicologia da humilhação, a psicologia do desprezo, da acidez e essa psicologia é facilmente encontrada nas entrelinhas das nossas relações cotidianas.
Há uma canção de Caetano Veloso que diz : cada uma deve saber a dor e a delícia de ser quem é. Aprender a ser só, não se desesperar com acorda da angústia enrolada no pescoço, não culpar pessoa alguma pelos fracassos pessoais e principalmente não esperar ajuda de onde não vêm foram os caminhos que resolvi trilhar desde aquela fase Jó.
Gosto dos gatos, quando eles não se sentem bem nos lugares simplesmente vão embora, não dizem adeus, não machucam ninguém, não ficam olhando para pessoas com olhar triste como se estivessem culpando-as de alguma coisa. A diferença entre  uma pessoa consciente do seu sofrimento pessoal e um chantagista emocional é esse: o chantagista emocional coloca a culpa dos seus fracassos na conta de outra pessoa, quem tem consciência de ser único responsável pelas suas angústias não.
Se você estiver só, procurando alguém para conversar ou simplesmente desabafar deixo aqui o número do CVV: 141




Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…