Pular para o conteúdo principal

"Não aponte as falhas alheias com o dedo sujo"*

Por que muitas pessoas parecem impiedosas, arrogantes, prepotentes e adeptas de um esquizofrênico niilismo nas redes sociais?  Por que muitos vampirizam desgraças alheias ou ajudam desgraçar vidas demonstrando sadismo e falta de apreço por qualquer pessoa que não milite em suas causas? Como a intolerância passou ser receita mor das relações? Por que a inveja ou ódio estão norteando as vidas de milhões de pessoas? Por que o ódio virtual é sintoma de algo maior que no dia dia tem levado a morte muitas pessoas? Por que tanta irresponsabilidade no trato com a vida? Como algo maravilhoso, a internet, se transformou no cadafalso virtual para tantas pessoas?
Por que se “compartilha” misérias com alegria de um abutre comendo carniça? Por que se leva a miséria à vida de tantas pessoas e sente-se prazer com isso? Se não bastassem a extrema manipulação dos fatos pelo governo, políticos, empresas de comunicação ainda temos que lidar com o sadismo dos que sentem prazer em fazer no outro tudo aquilo que recusariam em suas vidas.
Como nasce essa delinquência virtual? Muita gente acreditar que sempre foi assim, a internet apenas tem mostrado o que já acontecia ou se manifestava de maneira mais discreta? A história da humanidade é repleta de desgraças, mas creio que estamos vivendo uma nova forma de desgraça. A ilusória ideia de que se está longe de quem se quer destruir tem contribuído para que muitas pessoas não tenham medo de se revelaram, de usaram a internet como um pistoleiro virtual.
Da mesma maneira que muitas pessoas por covardia, sentimento de vingança e justiça com as próprias mãos são tomadas pela ilusão de não serem responsáveis pela morte de alguém ao contratam pistoleiros para concretizarem através deles seus instintos assassinos, a internet tem sido usada para matar a moral, dignidade e em última instância esfacelar com as pessoas, a internet pode ser esse desgraçado pistoleiro virtual. A soma das desgraças de uma sociedade doente e medíocre. 
Em nome de um partido, religião ou causa transformar-se qualquer pessoa em inimigo, cria-se uma imagem dessa pessoa e a esmaga virtualmente sem levar em conta que esse virtualmente é só um eufemismo para o estrago real.
Vídeos íntimos, uma frase atravessada, até mesmo uma simples palavra escrita errada podem servir de linchamento virtual-moral, a declaração de um voto, a preferência por um tipo de música, um briga familiar, tudo pode acabar servindo de instrumento de tortura virtual. Ódio é parceiro da canalhice. No mundo virtual canalhas se revelam em estado puro de frieza e covardia.
E quem são essas pessoas e suas agudas canalhices? São pessoas comuns, pessoas que estão ao nosso lado no ônibus, no trabalho, pessoas que estão nos templos religiosos, nos partidos, pessoas ao seu lado naquela exposição maravilhosa, o colega super gente fina da faculdade, a menina mais linda da rua, o cara mais bonito do cinema, o vendedor de produtos pirateados, o líder comunitário, enfim, pessoas como eu e você. Gente de carne e osso de todos os credos religiosos, etnias, gente pobre, gente rica, simplesmente gente.
Defender um ideia, causa, militar em um partido ou religião e defender as ideias dessas intuições não tem nada de errado, marcar ponto de vista sobre determinado assuntos também não. Tudo começa a azedar quando a desonestidade intelectual passar a nortear ações, quando mesmo sabendo que algo é errado se defende esse algo como estratégia para vencer um debate ou arruinar pessoas.
Ainda há milhões de fakes, estudos indicam que há dez milhões deles, perfis covardes que servem a todo tipo de criminosos, muitos ligados ao submundo da política, fakes controlados até por robôs, tudo isso apenas servindo ao prazer de destruir, castrar, manipular, induzir há  erros. Infelizmente a internet foi tomada de assalto por canalhas que entulham a rede de ódio e mentira, pior disso é que muitas pessoas consciente  ou não se permitem a fazer parte dessa terra sem lei.
A desonestidade intelectual não leva em conta os caminhos para se chegar a um objetivo, o desonesto intelectual pode matar para erguer a bandeira da vida sobre cadáveres. O desonesto intelectual é a pessoa que sentem prazer em ser desonesto e em saber que enganou ou arruinou alguém com sua desonestidade.
A desonestidade intelectual é irmã da mentira, ódio, falso testemunho, manipulação, morte, vingança, estupidez e tudo que seja dor. A solução para tudo isso? Talvez seja jurídica, à medida que pessoas forem penalizadas por suas ações irresponsáveis talvez tenhamos resultados positivos, acredito em punições alternativas tais como: quem for condenado por preconceito contra nordestinos, por exemplo, prestar trabalho voluntário por um período de tempo em um centro de tradições nordestinas, isso vale para racistas, devem ter como pena trabalho em ONG que lutam contra o racismo, mas nada pode substituir a consciência dos bons: não compartilhar, não divulgar nada que agrida pessoas, se não tiver certeza da veracidade de uma noticia não compartilhe, seja prudente, denuncie as autoridades qualquer tipo de agressão.
Ter opinião é ser responsável por ela, ter opinião não é desejar a morte de outra pessoa porque ela pensa diferente, ter opinião é saber que posso está errado e não há nada de constrangedor em reavaliar o que penso.
* O título dessa crônica é uma frase de Jean Paul Sartre
    






    



Postagens mais visitadas deste blog

"A felicidade é uma arma quente”

Eu que nunca saio do meu lugar exílio, imagino como o mundo deve ser lindo. Estou tão fantasma em Santo Amaro que me considero um prisioneiro condenado a devorar-me sem piedade e pouco a pouco ir morrendo de tantas angústias que não há sol a iluminar tanta escuridão.
Você descobre que está ficando para trás quando todos da sua geração foram embora. Quando esses seus amigos voltam à cidade e você só fala com eles do passado é sinal também que a amizade já era, ficou presa em algum lugar desse mesmo passado. Nem eles e nem você cabem mais na vida um do outro.
Acostumar-se com migalhas de felicidade, com aparente segurança da rotina é um passo certo para pararmos no tempo, para voltado às pequenas coisas nos tornamos bobos de uma corte morta há tempos.
Torna-se um monumento não é bom, se isso acontece quer dizer que mesmo você estando vivo, todos vão considerá-lo morto. Tenho a impressão que a natureza só mata alguém quando esse alguém já não interfere nem para o bem nem para o mal na vida…

Carta para daqui a 50 anos

Hoje é sábado, 29 de junho de 2013, São Pedro, últimos dos santos juninos, aqui perto em São Francisco, vai ter show “grátis” do Chiclete com Banana, claro que não vou, tem gente em excesso de suposta felicidade e acho um saco tanta gente feliz junta por quase nada, não que eu seja triste, mas a minha felicidade repousa na linha do horizonte, não se resume a uma multidão insana pulando e gritando: “chicle...tê!!!! Em 2063, o maior plano é tá vivo, curtindo minha velhice e ouvindo as histórias da minha filha, ler essa carta nem que seja com uma lupa daquelas de Sherlock Holmes, talvez olhe para uma foto minha de hoje e diga: elementar, meu caro, tudo no fim deu certo. Não pense, eu de hoje, que meu sonho é só envelhecer, há o recheio, como de um sanduíche que comi certa vez e daria para alimentar um uma fila inteirinha de pau de arara, pau de arara eram caminhões que certamente devem ter levado muita gente minha para São Paulo, gente que por lá trabalhou duro e morreu da mais profunda…

Como é viver com ódio?

A internet parece ter sido transformada na vitrine do ódio. Sempre encontro bons vídeos e sites na internet com conteúdo interessante e instrutivo, mas esses sites e vídeos têm baixíssimas visualizações, por outro lado sites e vídeos com conteúdo de ódio ou violência têm milhares de acessos. Canais de políticos que não tem nada de proativo ou ideias criativas e práticas, mas explodem de ódio batem recordes de seguidores que expõe ódio, violência verbal e ameaças.   Parece ser um estado permanente de ódio, seja religioso, sexual, político ou cultural, nada escapa ao ódio. Algumas manifestações de ódio são abertas ou diretas, outras são disfarçadas de altruístas, mas todas têm como objetivo neutralizar qualquer voz dissonante dos que esses furiosos ambidestros pretendem. No mundo da violência emocional odeia-se por um único motivo: não há no mundo espaço para concepções socais diferentes das quais a ambidestra cavaleira do ódio defende.   O ódio emburrece, torna bruto corações e mentes…