Pular para o conteúdo principal

"Não aponte as falhas alheias com o dedo sujo"*

Por que muitas pessoas parecem impiedosas, arrogantes, prepotentes e adeptas de um esquizofrênico niilismo nas redes sociais?  Por que muitos vampirizam desgraças alheias ou ajudam desgraçar vidas demonstrando sadismo e falta de apreço por qualquer pessoa que não milite em suas causas? Como a intolerância passou ser receita mor das relações? Por que a inveja ou ódio estão norteando as vidas de milhões de pessoas? Por que o ódio virtual é sintoma de algo maior que no dia dia tem levado a morte muitas pessoas? Por que tanta irresponsabilidade no trato com a vida? Como algo maravilhoso, a internet, se transformou no cadafalso virtual para tantas pessoas?
Por que se “compartilha” misérias com alegria de um abutre comendo carniça? Por que se leva a miséria à vida de tantas pessoas e sente-se prazer com isso? Se não bastassem a extrema manipulação dos fatos pelo governo, políticos, empresas de comunicação ainda temos que lidar com o sadismo dos que sentem prazer em fazer no outro tudo aquilo que recusariam em suas vidas.
Como nasce essa delinquência virtual? Muita gente acreditar que sempre foi assim, a internet apenas tem mostrado o que já acontecia ou se manifestava de maneira mais discreta? A história da humanidade é repleta de desgraças, mas creio que estamos vivendo uma nova forma de desgraça. A ilusória ideia de que se está longe de quem se quer destruir tem contribuído para que muitas pessoas não tenham medo de se revelaram, de usaram a internet como um pistoleiro virtual.
Da mesma maneira que muitas pessoas por covardia, sentimento de vingança e justiça com as próprias mãos são tomadas pela ilusão de não serem responsáveis pela morte de alguém ao contratam pistoleiros para concretizarem através deles seus instintos assassinos, a internet tem sido usada para matar a moral, dignidade e em última instância esfacelar com as pessoas, a internet pode ser esse desgraçado pistoleiro virtual. A soma das desgraças de uma sociedade doente e medíocre. 
Em nome de um partido, religião ou causa transformar-se qualquer pessoa em inimigo, cria-se uma imagem dessa pessoa e a esmaga virtualmente sem levar em conta que esse virtualmente é só um eufemismo para o estrago real.
Vídeos íntimos, uma frase atravessada, até mesmo uma simples palavra escrita errada podem servir de linchamento virtual-moral, a declaração de um voto, a preferência por um tipo de música, um briga familiar, tudo pode acabar servindo de instrumento de tortura virtual. Ódio é parceiro da canalhice. No mundo virtual canalhas se revelam em estado puro de frieza e covardia.
E quem são essas pessoas e suas agudas canalhices? São pessoas comuns, pessoas que estão ao nosso lado no ônibus, no trabalho, pessoas que estão nos templos religiosos, nos partidos, pessoas ao seu lado naquela exposição maravilhosa, o colega super gente fina da faculdade, a menina mais linda da rua, o cara mais bonito do cinema, o vendedor de produtos pirateados, o líder comunitário, enfim, pessoas como eu e você. Gente de carne e osso de todos os credos religiosos, etnias, gente pobre, gente rica, simplesmente gente.
Defender um ideia, causa, militar em um partido ou religião e defender as ideias dessas intuições não tem nada de errado, marcar ponto de vista sobre determinado assuntos também não. Tudo começa a azedar quando a desonestidade intelectual passar a nortear ações, quando mesmo sabendo que algo é errado se defende esse algo como estratégia para vencer um debate ou arruinar pessoas.
Ainda há milhões de fakes, estudos indicam que há dez milhões deles, perfis covardes que servem a todo tipo de criminosos, muitos ligados ao submundo da política, fakes controlados até por robôs, tudo isso apenas servindo ao prazer de destruir, castrar, manipular, induzir há  erros. Infelizmente a internet foi tomada de assalto por canalhas que entulham a rede de ódio e mentira, pior disso é que muitas pessoas consciente  ou não se permitem a fazer parte dessa terra sem lei.
A desonestidade intelectual não leva em conta os caminhos para se chegar a um objetivo, o desonesto intelectual pode matar para erguer a bandeira da vida sobre cadáveres. O desonesto intelectual é a pessoa que sentem prazer em ser desonesto e em saber que enganou ou arruinou alguém com sua desonestidade.
A desonestidade intelectual é irmã da mentira, ódio, falso testemunho, manipulação, morte, vingança, estupidez e tudo que seja dor. A solução para tudo isso? Talvez seja jurídica, à medida que pessoas forem penalizadas por suas ações irresponsáveis talvez tenhamos resultados positivos, acredito em punições alternativas tais como: quem for condenado por preconceito contra nordestinos, por exemplo, prestar trabalho voluntário por um período de tempo em um centro de tradições nordestinas, isso vale para racistas, devem ter como pena trabalho em ONG que lutam contra o racismo, mas nada pode substituir a consciência dos bons: não compartilhar, não divulgar nada que agrida pessoas, se não tiver certeza da veracidade de uma noticia não compartilhe, seja prudente, denuncie as autoridades qualquer tipo de agressão.
Ter opinião é ser responsável por ela, ter opinião não é desejar a morte de outra pessoa porque ela pensa diferente, ter opinião é saber que posso está errado e não há nada de constrangedor em reavaliar o que penso.
* O título dessa crônica é uma frase de Jean Paul Sartre
    






    



Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…