Pular para o conteúdo principal

Renato Russo: Diário do Recomeço

“O Poder Superior para mim é o tempo, a vida, o amor, a amizade, o sopro de esperança presente até nos momentos mais difíceis, o mistério que me cerca, uma emoção inexplicável que faz o tempo parar, me faz sentir muito bem e me traz um sorriso aos lábios, minha vontade de crescer e trazer luz para os meus e os outros. Na verdade, para mim, o Poder Superior não se explica por palavras. Sua existência é percebida não pelo intelecto, mas sim pelo coração. É como vente que não se vê, mas vemos as árvores em movimento, ouvimos o som e sentimos o vento no corpo. Só que o vento se explicar, e o Poder Superior não. É importante para mim porque minha vida agora depende disso”. Você acabou de ler um trecho do livro “Só por hoje e para sempre, diário do recomeço” escrito por Renato Russo quando esteve internado durante vinte nove dias do ano de 1993 em uma clínica de reabilitação no Rio de Janeiro.
O livro nos mostra os conflitos entre Renato Manfredini e Renato Russo, no começo Renato Russo parecia ser apenas um pseudônimo de Renato Manfredini, mas depois parece que evoluiu para um heterônimo, neste momento criador e criatura vão viver juntos a dor e delícia de ocuparem o mesmo espaço e não terem mais certeza quando começava um e terminava o outro, certo é que Renato Manfredini lutou bravamente para que um não destruísse o outro, para sintonizar os dois em uma vida tranquila na qual amor nunca rimasse com dor, e mais que uma legião de fãs os dois tivessem paz de espírito.
Ao aceitar ser internado em uma clínica de reabilitação, conviver com pessoas estranhas, acatar ordens e regras Renato Manfredini dizia a si mesmo que deveria aceitar também sua nova condição de mais um na multidão dos que precisam de ajuda, a fama que Renato Russo lhe deu ali não valeria nada, agora ele era como qualquer outro dependente químico em busca de auto-revelação, aceitação, chegava também o momento de pedir desculpas a pessoa que mais maltratou durante anos: ele mesmo.
O autor escreveu seu diário em forma de diálogo, uma longa conversa consigo mesmo e com seu outro eu: Renato Russo, sem auto-piedade nos revela um Renato pouco conhecido, do homem frágil ao agressivo, do auto-suficiente ao que se rende e pede ajuda, do homem que antes dos trinta anos de idade já havia marcado seu nome na história da música, ganhado dinheiro, conquistado fama e respeito ao bêbado solitário em uma sinestesia com poetas românticos.
O Renato do livro parece ter saído de “Noite na Taverna”, livro escrito por Álvares de Azevedo. Renato revela-se uma alma romântica, como aquelas da segunda geração do romantismo (século XVIII), suas dores, muitas das suas composições, atitudes e declarações que podemos ler no diário remetem ao romantismo do “mal- do- século”. Há um diálogo, creio, não intencional, com autores como: Goethe, Casimiro de Abreu, Byron e Fagundes Varela. A sintonia entre Renato e o período literário citado surge a cada página do diário, a cada paixão que o cortava em dor, a cada reação violenta contra o que ele achava errado, a cada nova dor que o mundo lhe colocava sobre as costas.
Mesmo sendo um homem romântico que encarava a vida de maneira apaixonada Renato Manfredini conseguiu, assim como seus pares poetas românticos, manter no texto, em seu trabalho o equilíbrio necessário para que Renato Russo revelasse intensamente todo seu talento, toda sua criatividade, tanto que logo no começo do diário podemos ler a “voz do mal” reconhecendo que não conseguiu devorar a alma e nem o trabalho do Renato.
Renato tinha um projeto literário para si, mesmo na Legião Urbana era claro o cuidado dele com a palavra, aliás, três compositores brasileiros levaram projetos musicais para música e só dois tiveram sucesso nisso: Renato Russo e Belchior, o que não teve sucesso foi Chico Buarque, para unir música e literatura é preciso viver intensamente cada um das duas artes, colocar em cada verso ou nota gotas do próprio sangue, Renato fez isso.
Mais que um relato de alguém em busca de si, tentando superar seus vícios, “Só por hoje e para sempre, diário do recomeço” é um importante documento de como problemas existências e drogas podem jogar ao fundo do poço qualquer pessoa, não importando sua condição social ou econômica, são relatos corajosos de quem cansado de guerras contra si mesmo buscou a paz, terminada a leitura do diário fica a certeza de algo escrito pelo próprio Renato Russo:” buscar informação é o melhor caminho”
http://edineysantana2.blogspot.com
 http://livrosdeedineysantana.blogspot.com 
http://edineysantana.zip.net

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

Livros. Bendita seja minha mãe que aos livros me apresentou, benditos livros que não me tornaram parte do lado doce da vida, mas também não me deixaram afundar no lodo existencial.  Bendita sejam todos letrados ou iletrados, benditos sejam os olhos "cegos" do meu pai que foram os guias dos meus passos, bendita seja cada letra do alfabeto, cada virgula, ponto, travessão, exclamação, dois pontos para me levarem ao mundo sem dor. Benditos sejam os anjos das vogais, os doutos das consoantes, Bendita seja minha professora Norma e sua doce alegria que na minha adolescência me mostrou a poesia da gramática, bendito seja meu professor Anchieta Nery  que me disse:  -Você é poeta. Bendita seja a noite, a sempre noite das minhas insônias, as tristezas amigas, o espelho que não me reflete, bendita seja a fé que não tenho,  esteja comigo para que na hora da minha morte eu não sofra o que já sofri pelas horas da vida. Benditos sejam os amores,  paixões,  verdades,incertezas da vida, gran…

A onda da mediocridade

Não acredite nesta história de "onda azul ou vermelha". Frases como essas foram criadas por empresas de propagandas, elas querem convencer você a votar da mesma maneira que nos induzem a comprar tal marca de cigarros ou cervejas. Essas empresas de publicidade não estão preocupadas com sua cidade ou sua felicidade, querem que você descida pela emoção, enquanto você ataca com sua emoção quem defende a "onda azul" ou quem defende a "onda vermelha", criando um clima de justiçamento político não enxerga o óbvio: as mentiras que são contadas, inventadas para que você se sinta bem estando de um lado ou outro, para que você tenha orgasmos políticos, como se realmente fizesse parte da mudança prometida, mas você é só uma ponte para que um grupo ou outro chegar ao poder. A “onda azul" e a " onda vermelha" são motivadas não por um sincero sentimento de esperança, realização ou sentimento cidadão, são motivadas pelo desejo de poder, é só o que aliment…

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys

O que Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys têm em comum? Todos são ex-empregados da Rede Globo. O Buarque e o Wyllys se dizem de esquerda, Veloso é...é... Olha quem sabe, porém quem nemnem. Pois bem. Há quem acredite que "gênios" se fazem sozinhos, que eles têm o poder mágico do talento e só isso basta para que tenham reconhecimento e sucesso. Não é. Sem o poder da Rede Globo nunca essas pessoas teriam o alcance que tiveram e duas delas levantariam dúvidas sobre a suposta genialidade atribuída a ambos. Dez entre dez pessoas “super inteligentes” “cabeças”, “imunes a manipulação da mídia golpista” têm no trio citado aqui algo que chamo de esquerdismo cristão. Conheço até pessoas que recusaram participação em programas da Rede Globo, acreditando assim estarem contribuindo, como bem cantou Raul Seixas, “para ao nosso belo quadro social”, mas rezam na cartilha de crias da própria Globo. Jean Wyllys é um pouco mais velho que eu, mas somos da mesma geração, militei anos n…