"Rouba , mas faz "

Foto: Agnes Adusumilli 
A história de Robin Hood todos conhecem, um arqueiro que vive no bosque e rouba dos ricos para dar aos pobres. Muitas pessoas têm em Robin Hood a figura de um herói, um bom ladrão que faz justiça social ao cometer seus crimes, no entanto Robin Hood é tão somente um ladrão, mas o cinema e desenhos animados fizeram dele exemplo para muitas pessoas. Robin Hood é um personagem inglês e o que ele tem a ver com nossa maneira de lidarmos com nossos criminosos e suas “boas” ações sociais?
Uma das principais avenidas de Salvador foi batizada em homenagem ao ex-governador de São Paulo Adhemar de Barros, famoso por uma frase que revela a tolerância de muitos brasileiros com a desordem e o crime: “ rouba, mas faz”.
A ideia do “rouba, mas faz” até hoje é defendida por muitas pessoas, muitas ainda completam que se é para serem roubadas que seja por alguém que vai fazer alguma coisa. Pensar dessa maneira revela falta de crença na honestidade, parceria com o crime e ingenuidade .
Atualmente no Brasil a ideia de Robin Hood tem sido bastante usada por alguns políticos, se investe na ideologia de que há uma guerra entre o governo e os ricos, o governo quer tirar dos ricos e entregar os pobres, fazendo assim justiça social. Diante a descoberta de que o governo dos “avanços sociais”, assim como Robin Hood, não passa de um ladrão, as investidas na ideologia que tenta vender a ideia de um governo inocente e os ricos não suportam: “perderem suas empregadas domésticas”, “pobres nos aviões”, “negros nas universidades” tem ganhado fôlego.
O que o governo Robin Hood não diz é: nunca na história desse país os ricos, banqueiros, empresários e os próprios políticos ganharam- roubaram tanto dinheiro, que se negros e pobres andam de avião e frequentam universidades isso não começou agora e é fruto das lutas históricas da própria sociedade e não de um partido ou governo,  não diz é que assim como a Inglaterra de Robin Hood os pobres continuaram pobres, no Brasil pobre continua pobre, mesmo com diplomas continuam pobres.
A ideia que a partir do crime se faz justiça social é errada, Robin Hood é um péssimo exemplo, pior que ele só os nossos robin hoods é seus crimes que invertem a lógica social transformando pessoas boas em criminosas e criminosos em justiceiros sociais.




Postagens mais visitadas deste blog

Mãe

A onda da mediocridade

Caetano Veloso, Chico Buarque e Jean Wyllys